ZELMAC

NOVARTIS

Atualizado em 09/12/2014

Zelmac 6 mg

Formas farmacêuticas e apresentações
Comprimidos de 6 mg. Embalagens com 10 e 30 comprimidos.
USO ADULTO

Composição de Zelmac

Cada comprimido contém 6 mg de tegaserode (como hidrogeno maleato). Excipientes: crospovidona, monoestearato de glicerila, hipromelose, lactosemonohidratada, poloxamer 188, macrogol 4000.

Informações ao Paciente de Zelmac

Ação esperada do medicamento: ZELMAC é indicado para tratar dor,
desconforto e distensão abdominais e a alteração do funcionamento
intestinal em pacientes com a Síndrome1 do Cólon2 Irritável (SCI). Esta
Sídrome também é conhecida por Síndrome1 do Intestino Irritável. A SCI é um
distúrbio comum do trato gastrintestinal. Caracteriza-se por alterações nas
contrações do intestino e por um aumento da sensibilidade do mesmo a estímulos
comuns tais como alimentos ou estresse. ZELMAC atua melhorando o funcionamento
intestinal alterado, aliviando assim sintomas3 de dor abdominal,
desconforto abdominal, distensão e prisão de ventre.
Cuidados de armazenamento: Zelmac deve ser protegido do calor
(manter abaixo de 30°C).
Prazo de validade: A data de validade está impressa no cartucho. Não
utilize o produto após a data de validade.
Gravidez4 e lactação5: Devido à experiência limitada com ZELMAC durante
a gravidez4, não é recomendada a sua utilização por grávidas. Caso a paciente
engravide, deve-se interromper o tratamento com ZELMAC e procurar orientação
do médico responsável. ZELMAC pode passar para o leite materno. Não
amamente durante o tratamento com ZELMAC. Durante a amamentação6
procure a orientação do seu médico antes de tomar qualquer medicamento.
Cuidados de administração: A dose habitual de ZELMAC é um comprimido
de 6 mg, duas vezes por dia. O comprimido deve ser ingerido com um copo
de água. ZELMAC é tomado antes das refeições. Siga corretamente as orientações
do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração
do tratamento.
Interrupção do tratamento: Em caso de esquecimento de um comprimido,
tome o próximo comprimido antes da próxima refeição. Não tome uma
dose dobrada de ZELMAC para compensar a dose que esqueceu de tomar.
Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico.
Reações adversas: Os efeitos secundários causados por ZELMAC são
normalmente ligeiros e estão principalmente relacionados com o trato
gastrintestinal. A frequência de efeitos adversos (dor abdominal, náusea7,
gases intestinais, dor de cabeça8, tontura9, dor nas costas10, sintomas3 semelhantes
aos da gripe11) não foi superior nos pacientes que tomavam o ZELMAC
relativamente aos que tomavam o placebo12. O efeito secundário de maior
incidência13 de ZELMAC é diarréia14, a qual pode ocorrer como um episódio
único durante os primeiros dias de tratamento. É muito improvável que
continue ou que ocorra depois deste período. Informe ao seu médico sobre
o aparecimento de reações desagradáveis.
TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO
FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.
Ingestão concomitante com outras substâncias:
Não se verificaram
interações de ZELMAC com a maioria dos medicamentos. Informe o seu
médico acerca de quaisquer outros medicamentos que esteja usando,
antes do início, ou durante o tratamento.

Contra-Indicações e Precauções de Zelmac

ZELMAC é contra-indicado a pacientescom hipersensibilidade (alérgico) ao tegaserode ou algum dos componentes
da fórmula (excipientes). Em caso de doença grave do fígado15 com elevações
persistentes nos valores das funções hepáticas16.
NÃO TOME MEDICAMENTO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO.
PODE SER PERIGOSO PARA SUA SAÚDE17.
INFORMAÇÕES TÉCNICAS

Farmacodinâmica de Zelmac

Classe terapêutica18: agonista19 parcial do receptor 5-HT4 (serotonina tipo-4).
O mecanismo de ação do tegaserode é demonstrado pela estimulação do reflexo
peristáltico e da secreção intestinal e pela inibição da sensibilidade
visceral via ativação dos receptores de serotonina tipo-4 (5HT4), no trato gastrintestinal.
O tegaserode liga-se com alta afinidade aos receptores 5-HT4
humanos, não tendo afinidade considerável para os receptores 5-HT3
ou para
os receptores da dopamina20. O tegaserode atua como um agonista19 parcial
dos receptores 5-HT4
neuronais, desencadeando a liberação de outros
neurotransmissores dos neurônios21 sensoriais, tais como o peptídeo generelacionado
com a calcitonina22. Estudos in vivo mostraram que o tegaserode
aumenta a atividade motora basal e normaliza a motilidade reduzida ao longo
do trato gastrintestinal. Além disto, os estudos demonstraram que modera
a sensibilidade visceral durante a distensão colo23-retal em animais.
Em estudos de farmacologia24 clínica, o tegaserode exibiu atividade prómotílica
ao longo do trato gastrintestinal. Em indivíduos saudáveis, o tegaserode
administrado quer por infusão intravenosa de 0,6 mg ou como uma
dose oral de 6 mg, reduziu significativamente o tempo de permanência
intragástrica, acelerou o esvaziamento gástrico e reduziu o tempo de trânsito
no intestino delgado25 e no colón, em comparação ao placebo12. O tegaserode
mostrou uma forte tendência em reduzir o número de episódios de refluxo pósprandiais
e a exposição ao ácido, em pacientes com doença de refluxo
gastroesofágico. Em pacientes com SCI, o tegaserode reduziu a duração
do trânsito no intestino delgado25 e facilitou o trânsito no cólon2. O tegaserode
melhorou consideravelmente a consistência das fezes e aumentou o número
de evacuações; estes efeitos foram mais evidentes no primeiro dia de tratamento
e persistiram durante um período de tratamento de 12 semanas em
pacientes com SCI. Dados de farmacologia24 clínica sugerem um envolvimento
de mecanismos locais nas atividades farmacodinâmicas do tegaserode,
de acordo com os resultados pré-clínicos.
Estudos clínicos demonstraram que ZELMAC proporciona melhora da dor
e desconforto abdominais, da distensão e do funcionamento intestinal
alterado em pacientes com SCI que identificam a dor/desconforto abdominal
e a constipação26 como os seus sintomas3 principais. Em dois estudos multicêntricos
duplo cego, controlados por placebo12, foram estudados 1.680 pacientes
com uma história de, no mínimo, 3 meses de sintomas3 de SCI incluindo dor
abdominal e função intestinal alterada. Em todos os pacientes, a alteração
da função intestinal foi caracterizada por dois de três sintomas3 de constipação26
em pelo menos 25 % do tempo, especificamente < 3 evacuações/semana,
fezes duras ou grumosas ou esforço ao evacuar. Adicionalmente a estes
sintomas3, 36 % dos pacientes tiveram no mínimo um dos seguintes sintomas3,
pelo menos 25 % do tempo: > 3 evacuações/dia, fezes moles ou líquidas
ou urgência27 em defecar. Um período inicial de 4 semanas sem placebo12 foi
seguido por um período de tratamento com a duração de 12 semanas. Os pacientes
classificaram a sua resposta semanal usando a Avaliação Global
Individual (AGI) do Alívio, que tomou em consideração o bem-estar global,
sintomas3 da dor e do desconforto abdominal e função intestinal alterada.
O tratamento com ZELMAC esteve associado a uma melhoria significativa
na AGI do Alívio. Isto é sustentado por várias outras medidas de eficácia
relevantes para SCI, ou seja, redução na dor/desconforto abdominais,
redução no número de dias com distensão significativa, aumento no número
de evacuações, melhoria da consistência das fezes e redução do número
de dias sem evacuações.
O ínicio de ação, tal como avaliado pela AGI do Alívio, foi observado logo
após uma semana depois do início do tratamento e manteve-se durante o período
de tratamento de 12 semanas. A gravidade dos sintomas3 do paciente, a utilização
de antidepressivos tricíclicos ou de inibidores seletivos da recaptação
da serotonina ou a ingestão diária de fibras alimentares não pareceu afetar
a eficácia do tegaserode.
O tegaserode não teve um efeito no intervalo QTc, em comparação ao placebo12.
Isto foi consistente com os resultados pré-clínicos.
Em um estudo aberto, com a duração de 12 meses, 579 pacientes foram
tratados com tegaserode, tendo completado o estudo 53 % dos mesmos.
Entre os pacientes que responderam no mês três, 59 % ainda responderam
após os 12 meses de tratamento. O perfil de segurança e tolerabilidade foi semelhante
ao observado durante os estudos de fase 3, controlados por placebo12.

Farmacocinética de Zelmac

O tegaserode é rapidamente absorvido após administração oral; os picosde concentração plasmática são atingidos após aproximadamente 1 hora.
A biodisponibilidade absoluta é cerca de 10 %, em jejum. Os alimentos reduziram
a biodisponibilidade do tegaserode em 40-65 % e a Cmax em aproximadamente
20-40 %.
O tegaserode liga-se em, aproximadamente, 98 % às proteínas28 plasmáticas,
principalmente à alfa1-ácido glicoproteína. Após administração intravenosa
é extensamente distribuído pelos tecidos, com um volume de distribuição
de 368 ± 223 L, no estado de equílibrio.
A metabolização do tegaserode ocorre em duas vias metabólicas. A primeira
envolve a hidrólise pré-sistêmica catalizada por ácido, que ocorre no estômago29,
seguida de oxidação e conjugação, resultando no principal metabólito30
do tegaserode, o ácido 5-metoxi-indol-3-carboxilico glicurônico. O metabólito30
principal tem uma afinidade insignificante para os receptores 5-HT4. No homem,
não houve alteração estatisticamente significativa quando da exposição sistêmica
do tegaserode a valores de pH gástrico neutros. A segunda via metabólica
é a glicuronidação direta, a qual conduz à formação de três N-glicuronídios
isoméricos.
In vitro, o tegaserode não indicou inibição das isoenzimas CYP2C8, CYP2C9,
CYP2C19, CYP2E1 e CYP3A4, do citocromo P450, enquanto a inibição das
isoenzimas CYP1A2 e CYP2D6 não pode ser excluída e foi por isso estudada
in vivo. O principal metabólito30 humano não inibiu a atividade de nenhuma das
isoenzimas do citocromo P450 descritas acima.
O clearance (depuração) plasmático do tegaserode é de 77 ± 15 L/h, com uma meia-vida terminal estimada (t1/2) de 11 ± 5 h após a administração intravenosa.
Aproximadamente dois terços de uma dose administrada por via oral são
excretados inalterados nas fezes, com o terço restante excretado na urina31,
primariamente na forma do metabólito30 principal.
A farmacocinética do tegaserode é proporcional à dose na faixa de 2 a 12 mg
administrados duas vezes por dia durante 5 dias, sem acumulação relevante
de tegaserode no plasma32.
A farmacocinética do tegaserode em pacientes com SCI é comparável a indivíduos
saudáveis e é semelhante entre homens e mulheres.
Populações especiais
Idosos: A farmacocinética do tegaserode foi semelhante entre homens jovens
e idosos, enquanto a AUC média e a Cmáx são, respectivamente, 40 % e 22 %
superiores em mulheres idosas por comparação com as jovens, mas ainda
dentro da faixa de variação verificada em indivíduos saudáveis.
Insuficiência hepática33: Em indivíduos com insuficiência hepática33 leve a moderada
(cirrose34 hepática35), a AUC média foi 43 % superior e a Cmáx 18 % superior.
Insuficiência renal36: Não foi observada alteração na farmacocinética do tegaserode
em indivíduos com insuficiência renal36 grave, que requerem hemodiálise37
( clearance da creatinina38 = 15 mL/min/1,73 m2).

Dados de Segurança Pré-Clínicos de Zelmac

Diversos estudos de segurança pré-clínica com várias espécies animais
não revelaram evidências de toxicidade39 sistêmica ou de órgãos alvo.
Os efeitos pré-clínicos foram observados somente em exposições
consideradas suficientemente excessivas à exposição humana máxima,
indicando pequeno significado no uso clínico.

Indicações de Zelmac

Zelmac é indicado para o tratamento da dor, desconforto e distensão abdominaise da alteração do funcionamento intestinal em pacientes com a síndrome1 do cólon2
irritável (SCI) cujos principais sintomas3 sejam a dor/desconforto e a constipação26.

Contra-Indicações de Zelmac

Hipersensibilidade à substância ativa ou a qualquer um dos excipientes.

Precauções e Advertências de Zelmac

Não estão disponíveis dados sobre a utilização de ZELMAC em pacientescom insuficiência hepática33 grave. Por este motivo, são necessárias precauções
especiais nestes pacientes.
Gravidez4 e lactação5
Dados sobre um número limitado (n=15) de grávidas expostas indicam a ausência
de efeitos adversos do tegaserode na gravidez4 ou na saúde17 do feto40/recémnascido.
Até agora, não estão disponíveis outros dados epidemiológicos
relevantes. Os estudos em animais não indicam efeitos prejudiciais diretos ou indiretos no que diz respeito a gravidez4, desenvolvimento embrio-fetal, parto ou desenvolvimento pós-natal. No entanto, face41 a experiência limitada
em humanos, a utilização de ZELMAC durante a gravidez4 não é recomendada.
O tegaserode é excretado no leite de ratos fêmeas lactantes42 com uma
razão leite-plasma32 elevada. Dado que também pode ser excretado no leite
humano, o ZELMAC não deve ser prescrito a mulheres que estão amamentando.
Efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar máquinas
Não foram observados efeitos sobre a capacidade de conduzir e utilizar
máquinas.

Interações Medicamentosas de Zelmac

Não foram identificadas interações medicamentosas clinicamente relevantes
em estudos específicos de interações fármaco43-fármaco43 ou após a utilização
concomitante durante o programa do desenvolvimento clínico do tegaserode.
Com base nos dados disponíveis atualmente, quando ZELMAC é co-administrado
com outros fármacos, não são necessários ajustes posológicos para
nenhum dos fármacos.

Reações Adversas de Zelmac

Em estudos controlados por placebo12, que envolveram 2.198 pacientestratados com tegaserode durante um período até 12 semanas a frequência
de efeitos adversos nos pacientes que tomavam tegaserode foi semelhante
à observada nos que tomavam o placebo12, com exceção da diarréia14.
A diarréia14 foi relatada como um efeito adverso por 11,7 % dos pacientes
em tratamento com o tegaserode nos ensaios clínicos44, enquanto o valor
correspondente para o placebo12 foi de 5,4 %. Mesmo na subpopulação com
mais de 3 evacuações/dia ou fezes moles/líquidas até 25 % do tempo no
início, a frequência na qual a diarréia14 foi reportada como um efeito adverso
durante o tratamento foi apenas ligeiramente superior. Na maioria dos
casos ocorreu no início, foi transitória, mais frequentemente observada
como um episódio único durante o período de tratamento de 12 semanas,
e resolveu-se com a continuação da terapêutica18. A taxa de descontinuação
dos estudos devido a diarréia14 foi baixa (1,6 % nos pacientes tratados com
tegaserode e 0,5 % no grupo do placebo12).
A frequência da maioria dos outros efeitos adversos que ocorreram nos
ensaios clínicos44 foi semelhante nos pacientes tratados com tegaserode e com
placebo12. Incluiram queixas gastrintestinais (ex. dor abdominal, náusea7, flatulência),
cefaléias45, tonturas46, dor lombar e sintomas3 semelhantes aos de gripe11.

Posologia de Zelmac

A dose recomendada de ZELMAC é um comprimido de 6 mg duas vezes por dia.
ZELMAC deve ser tomado por via oral antes de uma refeição.
Idosos - Não é necessário um ajuste posológico em pacientes idosos.
Pacientes pediátricos - A segurança e a eficácia em pacientes pediátricos
não foram estabelecidas. Por este motivo, a sua utilização nesta população
de pacientes não é recomendada.
Pacientes com insuficiência hepática33 - Não é necessário um ajuste
posológico em pacientes com insuficiência hepática33 leve a moderada.
ZELMAC não foi estudado em pacientes com insuficiência hepática33 grave.
Pacientes com insuficiência renal36 - Não é necessário ajuste posológico
em pacientes com insuficiência renal36 leve, moderada ou grave.
Superdosagem

Sinais47 e Sintomas3 de Zelmac

Não há experiência de intoxicação aguda com o tegaserode. Contudo, com basenos resultados obtidos em voluntários saudáveis a quem se administraram
doses únicas orais equivalentes a 116 mg de tegaserode, os sinais47 e sintomas3
da superdosagem podem incluir diarréia14, cefaléias45, dor abdominal
intermitente48 e hipotensão49 ortostática.

Tratamento de Zelmac

É improvável que o tegaserode seja removido por meio de diálise50 devido ao
seu volume de distribuição elevado e à sua extensa ligação às proteínas28
plasmáticas. Na eventualidade de uma superdosagem, deve ser aplicada
terapia sintomática51 e de suporte adequada.
ATENÇÃO - ESTE PRODUTO É UM NOVO MEDICAMENTO E EMBORA
AS PESQUISAS REALIZADAS TENHAM INDICADO EFICÁCIA E SEGURANÇA
QUANDO CORRETAMENTE INDICADO, PODEM OCORRER
REAÇÕES ADVERSAS IMPREVISÍVEIS AINDA NÃO DESCRITAS OU CONHECIDAS.
EM CASO DE SUSPEITA DE REAÇÃO ADVERSA, O MÉDICO
RESPONSÁVEL DEVE SER NOTIFICADO.
VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA

Reg MS: 1.0068.0185
Farm.Resp.: Marco A. J. Siqueira - CRF-SP 23.873
Lote, data de fabricação e de validade: vide cartucho
Fabricado por: Novartis Pharma AG, Suíça
Embalado e distribuído por: Novartis Biociências S.A.
Av. Ibirama, 518 - Complexos 441/3 - Taboão da Serra - SP
CNPJ:56.994.502/0098-62
Indústria Brasileira
® = Marca registrada de Novartis AG, Basiléia, Suíça.
Única concessionária no Brasil de Novartis AG, Suíça; resultante da fusão
de Ciba-Geigy e Sandoz.

ZELMAC - Laboratório

NOVARTIS
Av. Prof. Vicente Rao, 90 - Brooklin
São Paulo/SP - CEP: 04706-900
Tel: 55 (011) 532-7122
Fax: 55 (011) 532-7942
Site: http://www.novartis.com/

Ver outros medicamentos do laboratório "NOVARTIS"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
2 Cólon:
3 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
4 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
5 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
6 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
7 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
8 Cabeça:
9 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
10 Costas:
11 Gripe: Doença viral adquirida através do contágio interpessoal que se caracteriza por faringite, febre, dores musculares generalizadas, náuseas, etc. Sua duração é de aproximadamente cinco a sete dias e tem uma maior incidência nos meses frios. Em geral desaparece naturalmente sem tratamento, apenas com medidas de controle geral (repouso relativo, ingestão de líquidos, etc.). Os antibióticos não funcionam na gripe e não devem ser utilizados de rotina.
12 Placebo: Preparação neutra quanto a efeitos farmacológicos, ministrada em substituição a um medicamento, com a finalidade de suscitar ou controlar as reações, geralmente de natureza psicológica, que acompanham tal procedimento terapêutico.
13 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
14 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
15 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
16 Hepáticas: Relativas a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
17 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
18 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
19 Agonista: 1. Em farmacologia, agonista refere-se às ações ou aos estímulos provocados por uma resposta, referente ao aumento (ativação) ou diminuição (inibição) da atividade celular. Sendo uma droga receptiva. 2. Lutador. Na Grécia antiga, pessoa que se dedicava à ginástica para fortalecer o físico ou como preparação para o serviço militar.
20 Dopamina: É um mediador químico presente nas glândulas suprarrenais, indispensável para a atividade normal do cérebro.
21 Neurônios: Unidades celulares básicas do tecido nervoso. Cada neurônio é formado por corpo, axônio e dendritos. Sua função é receber, conduzir e transmitir impulsos no SISTEMA NERVOSO. Sinônimos: Células Nervosas
22 Calcitonina: Hormônio secretado pela glândula tireoide que inibe a perda de cálcio dos ossos.
23 Colo: O segmento do INTESTINO GROSSO entre o CECO e o RETO. Inclui o COLO ASCENDENTE; o COLO TRANSVERSO; o COLO DESCENDENTE e o COLO SIGMÓIDE.
24 Farmacologia: Ramo da medicina que estuda as propriedades químicas dos medicamentos e suas respectivas classificações.
25 Intestino delgado: O intestino delgado é constituído por três partes: duodeno, jejuno e íleo. A partir do intestino delgado, o bolo alimentar é transformado em um líquido pastoso chamado quimo. Com os movimentos desta porção do intestino e com a ação dos sucos pancreático e intestinal, o quimo é transformado em quilo, que é o produto final da digestão. Depois do alimento estar transformado em quilo, os produtos úteis para o nosso organismo são absorvidos pelas vilosidades intestinais, passando para os vasos sanguíneos.
26 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
27 Urgência: 1. Necessidade que requer solução imediata; pressa. 2. Situação crítica ou muito grave que tem prioridade sobre outras; emergência.
28 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
29 Estômago: Órgão da digestão, localizado no quadrante superior esquerdo do abdome, entre o final do ESÔFAGO e o início do DUODENO.
30 Metabólito: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
31 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
32 Plasma: Parte que resta do SANGUE, depois que as CÉLULAS SANGÜÍNEAS são removidas por CENTRIFUGAÇÃO (sem COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA prévia).
33 Insuficiência hepática: Deterioração grave da função hepática. Pode ser decorrente de hepatite viral, cirrose e hepatopatia alcoólica (lesão hepática devido ao consumo de álcool) ou medicamentosa (causada por medicamentos como, por exemplo, o acetaminofeno). Para que uma insuficiência hepática ocorra, deve haver uma lesão de grande porção do fígado.
34 Cirrose: Substituição do tecido normal de um órgão (freqüentemente do fígado) por um tecido cicatricial fibroso. Deve-se a uma agressão persistente, infecciosa, tóxica ou metabólica, que produz perda progressiva das células funcionalmente ativas. Leva progressivamente à perda funcional do órgão.
35 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
36 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
37 Hemodiálise: Tipo de diálise que vai promover a retirada das substâncias tóxicas, água e sais minerais do organismo através da passagem do sangue por um filtro. A hemodiálise, em geral, é realizada 3 vezes por semana, em sessões com duração média de 3 a 4 horas, com o auxílio de uma máquina, dentro de clínicas especializadas neste tratamento. Para que o sangue passe pela máquina, é necessária a colocação de um catéter ou a confecção de uma fístula, que é um procedimento realizado mais comumente nas veias do braço, para permitir que estas fiquem mais calibrosas e, desta forma, forneçam o fluxo de sangue adequado para ser filtrado.
38 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
39 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
40 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
41 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
42 Lactantes: Que produzem leite; que aleitam.
43 Fármaco: Qualquer produto ou preparado farmacêutico; medicamento.
44 Ensaios clínicos: Há três fases diferentes em um ensaio clínico. A Fase 1 é o primeiro teste de um tratamento em seres humanos para determinar se ele é seguro. A Fase 2 concentra-se em saber se um tratamento é eficaz. E a Fase 3 é o teste final antes da aprovação para determinar se o tratamento tem vantagens sobre os tratamentos padrões disponíveis.
45 Cefaléias: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaléia ou dor de cabeça tensional, cefaléia cervicogênica, cefaléia em pontada, cefaléia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaléias ou dores de cabeça. A cefaléia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
46 Tonturas: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
47 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
48 Intermitente: Nos quais ou em que ocorrem interrupções; que cessa e recomeça por intervalos; intervalado, descontínuo. Em medicina, diz-se de episódios de febre alta que se alternam com intervalos de temperatura normal ou cujas pulsações têm intervalos desiguais entre si.
49 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
50 Diálise: Quando os rins estão muito doentes, eles deixam de realizar suas funções, o que pode levar a risco de vida. Nesta situação, é preciso substituir as funções dos rins de alguma maneira, o que pode ser feito realizando-se um transplante renal, ou através da diálise. A diálise é um tipo de tratamento que visa repor as funções dos rins, retirando as substâncias tóxicas e o excesso de água e sais minerais do organismo, estabelecendo assim uma nova situação de equilíbrio. Existem dois tipos de diálise: a hemodiálise e a diálise peritoneal.
51 Sintomática: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.

Tem alguma dúvida sobre ZELMAC?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.