NAPRIX A

LIBBS

Atualizado em 09/12/2014

NAPRIX A

Composições e Apresentações de Naprix a

USO ADULTO

Cada cápsula de NAPRIX A 2,5 / 5 mg contém:Ramipril .................... 2,5 mg
Anlodipino ( sob a forma de besilato).................... 5 mg
Excipientes: fosfato de cálcio, celulose microcristalina, polividona, lactose1, dióxido de silício, estearato de
magnésio, laurilsulfato de sódio, amido glicolato de sódio e fosfato monossódico ... q.s.p ...........1 cápsula
Cartucho contendo frasco com 30 cápsulas.
Cada cápsula de NAPRIX A 5 / 5 mg contém:
Ramipril .................... 5 mg
Anlodipino ( sob a forma de besilato).................... 5 mg
Excipientes: fosfato de cálcio, celulose microcristalina, polividona, lactose1, dióxido de silício, estearato de
magnésio, laurilsulfato de sódio, amido glicolato de sódio e fosfato monossódico ... q.s.p ...............1 cápsula
Cartucho contendo frasco com 30 cápsulas.

Informações ao Paciente de Naprix a

NAPRIX A (ramipril / anlodipino) é uma associação de besilato de anlodipino e ramipril. O anlodipino é um vasodilatador arterial periférico que reduz a resistência vascular2 periférica e assim, reduz a pressão sangüínea3.
O ramipril é um inibidor da enzima4 de conversão da angiotensina (ECA). A ECA é uma enzima4 que catalisa a conversão da angiotensina I para a substância vasoconstritora chamada angiotensina II.
O NAPRIX A (ramipril / anlodipino) é um anti-hipertensivo que exerce sua ação através dos mecanismos acima expostos.
Este medicamento deve ser armazenado à temperatura ambiente entre 15 e 30ºC, protegido da luz e umidade.
O prazo de validade é de 24 meses após a data de fabricação impressa no cartucho e embalagem interna. Não
utilize o produto após o prazo de validade, sob o risco de não produzir os efeitos esperados.
Os inibidores da ECA não devem ser usados durante a gravidez5, pois podem prejudicar o feto6. Se ocorrer a gravidez5 na vigência do tratamento o NAPRIX A (ramipril / anlodipino) deve ser descontinuado e o médico deve ser informado.
Informar ao médico se está amamentando.
Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.
Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico .
Informe seu médico o aparecimento de reações desagradáveis; tais como: edema7 da face8, extremidades, lábios,língua9 e laringe10, rash11 cutáneo com ou sem prurido12 e febre13 ou dor nas juntas. Se aparecer difi culdade respiratória,suspenda a medicação e procure imediatamente um médico para que este lhe prescreva a terapia apropriada.
Podem ocorrer também reações alérgicas, hipotensão14, agranulositose e insufi ciência hepática15.
TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.
Informe ao seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início, ou durante o tratamento.
O ramipril aparece no leite materno em quantidades mínimas. Não se sabe se o besilato de anlodipino é excretado no leite materno e, por esta razão, recomenda-se não amamentar enquanto se administra NAPRIX A (ramipril / anlodipino).
NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO. PODE SER PERIGOSO PARA SUA SAÚDE16

Informações Técnicas de Naprix a

Ramipril é um potente inibidor da enzima4 de conversão da angiotensina (ECA), de longa duração. O ramipril é bem absorvido no trato gastrintestinal, atingindo o máximo da concentração plasmática em aproximadamente 1 hora. A droga é metabolizada no fígado17 para ramiprilato que é a sua forma ativa. A redução da pressão arterialocorre em 2 horas, atingindo o efeito máximo em 6 a 8 horas após a administração e mantém-se por 24 horas. O
ramipril e seus metabólitos18 são eliminados principalmente através dos rins19 (60%) e das fezes.
O exato mecanismo da ação anti-hipertensiva é desconhecido, mas sabe-se que está relacionado com a inibição
competitiva da enzima4 de conversão da angiotensina I (ECA), que causa uma redução na taxa de conversão
de angiotensina I para angiotensina II, a qual é um potente vasoconstritor. A diminuição da concentração de
angiotensina II resulta num aumento secundário da atividade da renina plasmática, face8 a eliminação do
feed-back negativo da liberação de renina e numa redução direta na secreção de aldosterona.
O anlodipino é uma dihidropiridina antagonista20 do cálcio que inibe o infl uxo de ions21 cálcio, através da membra na das células22 dos músculos23 lisos e músculos23 cardíacos.
A inibição do influxo de cálcio é seletiva com maior efeito nos músculos23 lisos das paredes vasculares24 e mínima nos músculos23 cardíacos.
A concentração sérica de cálcio não é afetada pelo anlodipino.
O anlodipino é um vasodilatador arterial periférico que age diretamente no músculo liso vascular25 e causa redução na resistência vascular2 periférica e redução na pressão sangüínea3.
O anlodipino é bem absorvida no trato gastrointestinal e o pico da concentração plasmática é atingido em 6 a 12 horas e apresenta índice de absorção de 60 a 65%.
O volume aparente de distribuição do anlodipino é de 21L/Kg. Aproximadamente 95% do anlodipino circulante está ligado a proteínas26 plasmáticas.
Sua meia-vida de eliminação é de aproximadamente 48 horas sendo eliminado principalmente por via renal27 ( 59 a 62%).

Indicações de Naprix a

NAPRIX A (ramipril / anlodipino) é indicado para o tratamento da hipertensão28.

Contra-Indicações de Naprix a

NAPRIX A (ramipril / anlodipino) é contra-indicado para pacientes29 hipersensíveis ao ramipril, a qualquer inibidor da ECA ou ao anlodipino.

Precauções de Naprix a

Pacientes em tratamento com inibidores da ECA (incluindo NAPRIX A (ramipril / anlodipino))podem estar sujeitos a várias reações adversas. Estas reações usualmente ocorrem após a primeira dose ou após poucas doses do medicamento, mas algumas vezes ocorrem somente após meses de tratamento.
Estas reações são: angioedema30 de face8, extremidades, lábios, língua9 e laringe10. Angioedema30 associado com edema7 de glote31 pode ser fatal. Se ocorrerem estertores de laringe10 ou angioedema30 de face8, de língua9 ou glote31, deve-se sus pend er imediatamente a administração de NAPRIX A (ramipril / anlodipino) e instituir tratamento apropriado com supervisão médica.
Poderão ocorrer também reações anafi lactóides em pacientes que estejam em tratamento de dessensibilização32 com venoma hymenoptera.
Também existem relatos de reações anafi lactóides em pacientes que sofrem diálise33 com membranas de alto fluxo e recebam concomitantemente inibidores da ECA.
Raramente, pacientes com severa doença coronária arterial obstrutiva desenvolvem aumento da freqüência ou da severidade da angina34 ou infarto do miocárdio35.
Como outros inibidores da ECA, o ramipril tem raramente sido associado com hipotensão14 em alguns pacientes
hipertensos. Pacientes em tratamento diurético36 prolongado, em dietas com restrição de sal, com diarréia37, vômitos38, em diálise33, são mais propensos a episódios hipotensivos. Pacientes em tratamento diurético36 devem
sempre que possível suspender o uso de diurético36 por 24 a 48 horas antes da introdução de inibidores da ECA, reintroduzindo-o 24 a 48 horas após.
Em pacientes com insufi ciência cardíaca congestiva os inibidores da ECA devem ser administrados com cautela e o paciente deve ser monitorado nos primeiros dias do tratamento.
Pacientes com severa estenose39 aórtica podem apresentar hipotensão14 com vasodilatadores como o anlodipino.
Pacientes com insuficiência renal40 associada com doenças colágeno41-vasculares24 como escleroderma ou lúpus42 sistêmico43 apresentam maior probabilidade de neutropenia44 e agranulocitose45.
Na insufi ciência hepática15, raramente os inibidores da ECA têm sido associados à icterícia46 que pode evoluir para necrose47 hepática15.
Pacientes que estejam tomando inibidores da ECA e que desenvolvem icterícia46 ou elevação acentuada das enzimas hepáticas48 devem descontinuar o tratamento e receber terapia adequada.

Interações Medicamentosas de Naprix a

Com diuréticos49 NAPRIX A (ramipril / anlodipino) pode causar hipotensão14.Diuréticos49 poupadores de potássio como a espironolactona, amilorida e outros podem causar hipercalemia50.
Suplementos de potássio devem ser administrados com cautela devido ao risco de hipercalemia50.
Deve-se administrar sais de lítio concomitantemente com NAPRIX A (ramipril / anlodipino) com muita cautela devido a possibilidade da elevação excessiva dos níveis séricos de lítio.

Reações Adversas de Naprix a

As reações adversas mais comumente relatadas têm sido tosse e edema7 de membros inferiores.
Ocorrem também angioedema30, astenia51, fadiga52, rubor, rash11, dermatites, insônia, ansiedade, redução de libido53,
náusea54, diarréia37, dispepsia55, hipocalemia56, faringite57, poliúria58, dores músculo-esqueléticas.
Podem ocorrer alterações em testes de laboratoriais tais como: pequenos aumentos na creatinina59 sérica principalmente em pacientes com insufi ciência renal27.
Elevação na bilirrubina60 sérica e no ácido úrico e alguns relatos de elevação das enzimas hepáticas48 têm ocorrido.

Posologia de Naprix a

O anlodipino e o ramipril são efetivos no tratamento da hipertensão28 em doses diárias de 2,5 a 10 mg. A terapia combinada61 utilizando doses de 2,5 a 10 mg de anlodipino tem o efeito proporcional ao aumento da dose em todos os grupos de pacientes e o ramipril tem seu efeito proporcional às doses nos grupos de pacientes não negros. A dosagem deve ser dirigida pela resposta clínica.Pacientes idosos ou com insufi ciência hepática15 devem ser monitorados cautelosamente e a dose inicial deve ser a mais baixa.

Superdosagem de Naprix a

Têm sido pouco relatadas superdosagem de anlodipino. Não há relatos de superdosagem da combinação de ramipril e anlodipino.
A principal ação de uma superdose de NAPRIX A (ramipril / anlodipino) é a vasodilatação, com a conseqüente hipotensão14 e taquicardia62. A terapia de reposição de líquidos poderá ser sufi ciente, mas poderão ser necessários agentes pressores. O anlodipino não é dializável.

Pacientes Idosos de Naprix a

O NAPRIX A (ramipril / anlodipino) pode ser utilizado em pacientes com mais de 65 anos de idade, desde que observadas as precauções, contra-indicações, interações medicamentosas, reações adversas e posologia deste medicamento.

ATENÇÃO: ESTE PRODUTO É UM NOVO MEDICAMENTO E, EMBORA AS PESQUISAS REALIZADAS
TENHAM INDICADO EFICÁCIA E SEGURANÇA QUANDO CORRETAMENTE INDICADO,
PODEM OCORRER REAÇÕES ADVERSAS IMPREVISÍVEIS, AINDA NÃO DESCRITAS OU CONHECIDAS.
EM CASO DE SUSPEITA DE REAÇÃO ADVERSA, O MÉDICO RESPONSÁVEL DEVE
SER NOTIFICADO.
VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
Data de fabricação, lote e validade: VIDE CARTUCHO
Reg. MS Nº 1.0033.0096
Farmacêutico Responsável:
Dr. Lupércio Calefe - CRF - SP nº 6933.

NAPRIX A - Laboratório

LIBBS
Rua Raul Pompéia, 1103
São Paulo/SP - CEP: 05025-011
Tel: (11 3)676-0655
Fax: (11 )864-6150
Email: libbs@libbs.com.br
Site: http://www.libbs.com.br/
08000-135044

Ver outros medicamentos do laboratório "LIBBS"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Lactose: Tipo de glicídio que possui ligação glicosídica. É o açúcar encontrado no leite e seus derivados. A lactose é formada por dois carboidratos menores, chamados monossacarídeos, a glicose e a galactose, sendo, portanto, um dissacarídeo.
2 Vascular: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
3 Pressão sangüínea: Força exercida pelo sangue arterial por unidade de área da parede arterial. É expressa como uma razão (Exemplo: 120/80, lê-se 120 por 80). O primeiro número é a pressão sistólica ou pressão máxima. E o segundo número é a presão diastólica ou mínima.
4 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
5 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
6 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
7 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
8 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
9 Língua:
10 Laringe: É um órgão fibromuscular, situado entre a traqueia e a base da língua que permite a passagem de ar para a traquéia. Consiste em uma série de cartilagens, como a tiroide, a cricóide e a epiglote e três pares de cartilagens: aritnoide, corniculada e cuneiforme, todas elas revestidas de membrana mucosa que são movidas pelos músculos da laringe. As dobras da membrana mucosa dão origem às pregas vocais.
11 Rash: Coloração avermelhada da pele como conseqüência de uma reação alérgica ou infecção.
12 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
13 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
14 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
15 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
16 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
17 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
18 Metabólitos: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
19 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
20 Antagonista: 1. Opositor. 2. Adversário. 3. Em anatomia geral, que ou o que, numa mesma região anatômica ou função fisiológica, trabalha em sentido contrário (diz-se de músculo). 4. Em medicina, que realiza movimento contrário ou oposto a outro (diz-se de músculo). 5. Em farmácia, que ou o que tende a anular a ação de outro agente (diz-se de agente, medicamento etc.). Agem como bloqueadores de receptores. 6. Em odontologia, que se articula em oposição (diz-se de ou qualquer dente em relação ao da maxila oposta).
21 Íons: Átomos ou grupos atômicos eletricamente carregados.
22 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
23 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
24 Vasculares: Relativo aos vasos sanguíneos do organismo.
25 Músculo Liso Vascular: Tecido muscular não estriado e de controle involuntário que está presente nos vasos sangüíneos.
26 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
27 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
28 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
29 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
30 Angioedema: Caracteriza-se por áreas circunscritas de edema indolor e não-pruriginoso decorrente de aumento da permeabilidade vascular. Os locais mais acometidos são a cabeça e o pescoço, incluindo os lábios, assoalho da boca, língua e laringe, mas o edema pode acometer qualquer parte do corpo. Nos casos mais avançados, o angioedema pode causar obstrução das vias aéreas. A complicação mais grave é o inchaço na garganta (edema de glote).
31 Glote: Aparato vocal da laringe. Consiste das cordas vocais verdadeiras (pregas vocais) e da abertura entre elas (rima da glote).
32 Dessensibilização: É uma maneira de parar ou diminuir a resposta a reações alérgicas a algumas coisas. Por exemplo, se uma pessoa apresenta uma reação alérgica a alguma substância, o médico dá a esta pessoa uma pequena quantidade desta substância para aumentar a sua tolerância e vai aumentando esta quantidade progressivamente. Após um período de tempo, maiores doses são oferecidas antes que a dose total seja dada. É uma maneira de ajudar o organismo a prevenir as reações alérgicas.
33 Diálise: Quando os rins estão muito doentes, eles deixam de realizar suas funções, o que pode levar a risco de vida. Nesta situação, é preciso substituir as funções dos rins de alguma maneira, o que pode ser feito realizando-se um transplante renal, ou através da diálise. A diálise é um tipo de tratamento que visa repor as funções dos rins, retirando as substâncias tóxicas e o excesso de água e sais minerais do organismo, estabelecendo assim uma nova situação de equilíbrio. Existem dois tipos de diálise: a hemodiálise e a diálise peritoneal.
34 Angina: Inflamação dos elementos linfáticos da garganta (amígdalas, úvula). Também é um termo utilizado para se referir à sensação opressiva que decorre da isquemia (falta de oxigênio) do músculo cardíaco (angina do peito).
35 Infarto do miocárdio: Interrupção do suprimento sangüíneo para o coração por estreitamento dos vasos ou bloqueio do fluxo. Também conhecido por ataque cardíaco.
36 Diurético: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
37 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
38 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
39 Estenose: Estreitamento patológico de um conduto, canal ou orifício.
40 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
41 Colágeno: Principal proteína fibrilar, de função estrutural, presente no tecido conjuntivo de animais.
42 Lúpus: 1. É uma inflamação crônica da pele, caracterizada por ulcerações ou manchas, conforme o tipo específico. 2. Doença autoimune rara, mais frequente nas mulheres, provocada por um desequilíbrio do sistema imunológico. Nesta patologia, a defesa imunológica do indivíduo se vira contra os tecidos do próprio organismo como pele, articulações, fígado, coração, pulmão, rins e cérebro. Essas múltiplas formas de manifestação clínica, às vezes, podem confundir e retardar o diagnóstico. Lúpus exige tratamento cuidadoso por médicos especializados no assunto.
43 Sistêmico: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
44 Neutropenia: Queda no número de neutrófilos no sangue abaixo de 1000 por milímetro cúbico. Esta é a cifra considerada mínima para manter um sistema imunológico funcionando adequadamente contra os agentes infecciosos mais freqüentes. Quando uma pessoa neutropênica apresenta febre, constitui-se uma situação de “emergência infecciosa”.
45 Agranulocitose: Doença causada pela falta ou número insuficiente de leucócitos granulócitos (neutrófilos, basófilos e eosinófilos), que se manifesta como ulcerações na garganta e outras mucosas, seguidas por infecções graves.
46 Icterícia: Coloração amarelada da pele e mucosas devido a uma acumulação de bilirrubina no organismo. Existem dois tipos de icterícia que têm etiologias e sintomas distintos: icterícia por acumulação de bilirrubina conjugada ou direta e icterícia por acumulação de bilirrubina não conjugada ou indireta.
47 Necrose: Conjunto de processos irreversíveis através dos quais se produz a degeneração celular seguida de morte da célula.
48 Enzimas hepáticas: São duas categorias principais de enzimas hepáticas. A primeira inclui as enzimas transaminasas alaninoaminotransferase (ALT ou TGP) e a aspartato aminotransferase (AST ou TOG). Estas são enzimas indicadoras do dano às células hepáticas. A segunda categoria inclui certas enzimas hepáticas como a fosfatase alcalina (FA) e a gamaglutamiltranspeptidase (GGT) as quais indicam obstrução do sistema biliar, quer seja no fígado ou nos canais maiores da bile que se encontram fora deste órgão.
49 Diuréticos: Grupo de fármacos que atuam no rim, aumentando o volume e o grau de diluição da urina. Eles depletam os níveis de água e cloreto de sódio sangüíneos. São usados no tratamento da hipertensão arterial, insuficiência renal, insuficiência cardiaca ou cirrose do fígado. Há dois tipos de diuréticos, os que atuam diretamente nos túbulos renais, modificando a sua atividade secretora e absorvente; e aqueles que modificam o conteúdo do filtrado glomerular, dificultando indiretamente a reabsorção da água e sal.
50 Hipercalemia: É a concentração de potássio sérico maior que 5.5 mmol/L (mEq/L). Uma concentração acima de 6.5 mmol/L (mEq/L) é considerada crítica.
51 Astenia: Sensação de fraqueza, sem perda real da capacidade muscular.
52 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
53 Libido: Desejo. Procura instintiva do prazer sexual.
54 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
55 Dispepsia: Dor ou mal-estar localizado no abdome superior. O mal-estar pode caracterizar-se por saciedade precoce, sensação de plenitude, distensão ou náuseas. A dispepsia pode ser intermitente ou contínua, podendo estar relacionada com os alimentos.
56 Hipocalemia: Concentração sérica de potássio inferior a 3,5 mEq/l. Pode ocorrer por alterações na distribuição de potássio (desvio do compartimento extracelular para intracelular) ou de reduções efetivas no conteúdo corporal de potássio por uma menor ingesta ou por perda aumentada. Fraqueza muscular e arritimias cardíacas são os sinais e sintomas mais comuns, podendo haver também poliúria, polidipsia e constipação. Pode ainda ser assintomática.
57 Faringite: Inflamação da mucosa faríngea em geral de causa bacteriana ou viral. Caracteriza-se por dor, dificuldade para engolir e vermelhidão da mucosa, acompanhada de exsudatos ou não.
58 Poliúria: Diurese excessiva, pode ser um sinal de diabetes.
59 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
60 Bilirrubina: Pigmento amarelo que é produto da degradação da hemoglobina. Quando aumenta no sangue, acima de seus valores normais, pode produzir uma coloração amarelada da pele e mucosas, denominada icterícia. Pode estar aumentado no sangue devido a aumento da produção do mesmo (excesso de degradação de hemoglobina) ou por dificuldade de escoamento normal (por exemplo, cálculos biliares, hepatite).
61 Terapia combinada: Uso de medicações diferentes ao mesmo tempo (agentes hipoglicemiantes orais ou um agente hipoglicemiante oral e insulina, por exemplo) para administrar os níveis de glicose sangüínea em pessoas com diabetes tipo 2.
62 Taquicardia: Aumento da frequência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações.
Artigos relacionados

Tem alguma dúvida sobre NAPRIX A?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.