INFORMAÇÕES AO PACIENTE TRIANCINOLONA ACETONIDA

Atualizado em 28/05/2016
COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?A triancinolona acetonida possui ação antiinflamatória, antipruriginosa e antialérgica.
POR QUE ESTE MEDICAMENTO FOI INDICADO?
Este medicamento está indicado para o tratamento auxiliar e para o alívio temporário de sintomas1 relacionados à inflamação2 oral ou ferimentos decorrentes de traumas.
QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?
Este medicamento é contra-indicado a pacientes que apresentam alergia3 a triancinolona acetonida ou a qualquer outro componente da fórmula. Como este medicamento contém um corticosteróide, não deve ser utilizado sem conhecimento do médico em pacientes com infecções4 de boca5 e garganta6 causadas por fungos, vírus7 ou bactérias, tuberculose8, Diabetes mellitus9, úlcera10 estomacal ativa ou lesões11 causadas por herpes.
As respostas de defesas dos tecidos orais diminuem em pacientes que utilizam corticosteróides tópicos.
O uso seguro da triancinolona acetonida durante a gravidez12, ainda não foi estabelecido; portanto não deve ser usado durante o início da gravidez12, a não ser que o médico julgue o benefício potencial superior aos possíveis riscos.
" Não há contra-indicação relativa a faixas etárias" .
" Não use medicamento sem o conhecimento de seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde13" .
" No caso de gravidez12 durante ou após o tratamento informe ao seu médico. Informe também ao seu médico caso estiver amamentando" .
" Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista o aparecimento de reações indesejáveis" .
" Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento" .
COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?
A triancinolona acetonida é uma pomada de uso odontológico. O medicamento deve ser suavemente aplicado sobre as áreas afetadas da boca5, em uma pequena quantidade, sem esfregar, até formar uma película fina. Em algumas lesões11 pode ser necessário aplicação de uma camada mais espessa.
Ótimos resultados são obtidos cobrindo-se as lesões11 com uma quantidade suficiente para formar uma película fina, sem friccionar. Ao se espalhar esse produto pode resultar numa sensação granular e arenosa, resultando na desagregação do mesmo. Porém, após sua aplicação, desenvolve-se uma película fina e escorregadia.
A triancinolona acetonida pomada bucal deve ser aplicada ao deitar, para permitir que o medicamento entre em contato com a lesão14 durante a noite. Se os sintomas1 forem graves, pode ser necessária a aplicação 2 a 3 vezes ao dia, preferencialmente após as refeições. Se não houver significativa melhora das lesões11 em uma semana, aconselha-se que sejam realizadas investigações.
" Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento" .
" Não interrompa o tratamento sem o conhecimento de seu médico" .
" Não use o medicamento com o prazo de validade vencido. Antes de usar observe o aspecto do medicamento" .
QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE CAUSAR?
A triancinolona acetonida pomada bucal pode causar reações adversas conhecidas quando em uso prolongado, reações estas freqüentemente desenvolvidas no uso de esteróides sistêmicos15; por exemplo: supressão adrenal, alteração do metabolismo16 da glicose17, catabolismo18 de proteínas19, ativação da úlcera péptica20 e outras. Geralmente essas reações são reversíveis e desaparecem com a interrupção do tratamento. Qualquer sintoma21 deve ser informado ao médico ou dentista.
O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA GRANDE QUANTIDADE DESTE MEDICAMENTO DE UMA SÓ VEZ?
Se for utilizada uma grande quantidade de triancinolona acetonida, diluir o composto por meio de fluídos, pois não existe antídoto22 e a ocorrência de efeitos adversos nestes casos é improvável.
ONDE E COMO DEVO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?
O medicamento deve ser armazenado na sua embalagem original, em temperatura ambiente (entre 15 e 30 ºC), em lugar seco, fresco e ao abrigo da luz (evite armazená-lo no banheiro). Nestas condições o prazo de validade é de 2 anos a contar da data de fabricação.
TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.
Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
2 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
3 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
4 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
5 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
6 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
7 Vírus: Pequeno microorganismo capaz de infectar uma célula de um organismo superior e replicar-se utilizando os elementos celulares do hospedeiro. São capazes de causar múltiplas doenças, desde um resfriado comum até a AIDS.
8 Tuberculose: Doença infecciosa crônica produzida pelo bacilo de Koch (Mycobacterium tuberculosis). Produz doença pulmonar, podendo disseminar-se para qualquer outro órgão. Os sintomas de tuberculose pulmonar consistem em febre, tosse, expectoração, hemoptise, acompanhada de perda de peso e queda do estado geral. Em países em desenvolvimento (como o Brasil) aconselha-se a vacinação com uma cepa atenuada desta bactéria (vacina BCG).
9 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
10 Úlcera: Ferida superficial em tecido cutâneo ou mucoso que pode ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
11 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
12 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
13 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
14 Lesão: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
15 Sistêmicos: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
16 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
17 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
18 Catabolismo: Parte do metabolismo que se refere à assimilação ou processamento da matéria adquirida para fins de obtenção de energia. Diz respeito às vias de degradação, ou seja, de quebra das substâncias. Parte sempre de moléculas grandes, que contêm quantidades importantes de energia (glicose, triclicerídeos, etc). Estas substâncias são transformadas de modo a que restem, no final, moléculas pequenas, pobres em energia ( H2O, CO2, NH3 ), aproveitando o organismo a libertação de energia resultante deste processo. É o contrário de anabolismo.
19 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
20 Úlcera péptica: Lesão na mucosa do esôfago, estômago ou duodeno. Também chamada de úlcera gástrica ou duodenal. Pode ser provocada por excesso de ácido clorídrico produzido pelo próprio estômago ou por medicamentos como antiinflamatórios ou aspirina. É uma doença infecciosa, causada pela bactéria Helicobacter pylori em quase 100% dos casos. Os principais sintomas são: dor, má digestão, enjôo, queimação (azia), sensação de estômago vazio.
21 Sintoma: Qualquer alteração da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. O sintoma é a queixa relatada pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
22 Antídoto: Substância ou mistura que neutraliza os efeitos de um veneno. Esta ação pode reagir diretamente com o veneno ou amenizar/reverter a ação biológica causada por ele.

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta ser enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dvidas j respondidas.