CARACTERÍSTICAS CLOMIPRAN

Atualizado em 28/05/2016
Grupo farmacoterapêutico: antidepressivo tricíclico. Inibidor da recaptação do noradrenalina1 e preferencialmente de serotonina.
Mecanismo de ação: acredita-se que a atividade terapêutica2 da clomipramina esteja baseada em sua capacidade de inibir a recaptação neuronal de noradrenalina1 (NA) e de serotonina (5-HT) liberadas na fenda sináptica, sendo a inibição da recaptação de 5-HT, o componente mais importante dessas atividades.
A clomipramina tem também um amplo espectro de ação farmacológica, que inclui propriedades a1-adrenolítica, anticolinérgica, anti-histamínica e anti-serotoninérgica (bloqueador do receptor para 5-HT).
Efeito farmacodinâmico: a clomipramina atua na síndrome3 depressiva como um todo incluindo-se especialmente aspectos típicos como retardamento psicomotor4, humor deprimido e ansiedade. A resposta clínica inicia-se normalmente após 2 a 3 semanas de tratamento. A clomipramina também exerce um efeito específico em distúrbio obsessivo-compulsivo distinto de seu efeito antidepressivo. Em dor crônica, com ou sem causas somáticas, a clomipramina atua também presumivelmente pela facilitação da neurotransmissão de serotonina e noradrenalina1.
Na ejaculação5 precoce, a clomipramina atua presumivelmente diminuindo os estímulos adrenérgicos6 que causam a ejaculação5 e aumentando os fatores que provocam o controle inibitório da ejaculação5, principalmente a serotonina. Desta forma, a clomipramina aumenta o tempo de latência7 para ejaculação5 devido à sua ação nos receptores alfa adrenérgicos6 e colinérgicos e à inibição da recaptação da serotonina, envolvida na inibição da ejaculação5.
Farmacocinética - Absorção: a clomipramina é completamente absorvida através do trato gastrintestinal. A biodisponibilidade sistêmica da clomipramina inalterada é reduzida a cerca de 50% pelo metabolismo8 hepático de primeira passagem para desmetilclomipramina. A biodisponibilidade da clomipramina não é significativamente afetada pela ingestão de alimentos. Apenas o início da absorção pode ser ligeiramente retardado e, portanto, o tempo para pico prolongado.
Durante a administração oral de doses diárias constantes de clomipramina, as concentrações plasmáticas do estado de equilíbrio (steady-state) da clomipramina apresentam elevada variabilidade entre pacientes. A dose diária de 75 mg administrada tanto como 1 comprimido revestido de 25 mg três vezes ao dia produz concentrações plasmáticas do estado de equilíbrio (steadystate) entre 20 a 175 ng/ml.
As concentrações plasmáticas do estado de equilíbrio (steady-state) do metabólito9 ativo desmetilclomipramina acompanham um padrão similar.
Contudo, a uma dose de 75 mg por dia do medicamento, essas concentrações são 40 a 85% mais elevadas do que as de clomipramina.
Distribuição: 97,6% da clomipramina se liga às proteínas10 plasmáticas. O volume de distribuição aparente é de cerca de 12 a 17 litros/kg de peso corpóreo.
No fluido cerebroespinhal, a concentração é equivalente a cerca de 2% da concentração plasmática. A clomipramina passa para o leite materno em concentrações semelhantes às do plasma11.
Biotransformação: a maior rota de biotransformação da clomipramina é a desmetilação para desmetilclomipramina. Adicionalmente, a clomipramina e a desmetilclomipramina são hidroxiladas para 8-hidroxi-clomipramina e 8-hidroxi-desmetilclomipramina, mas pouco se conhece a respeito de sua atividade in vivo. A hidroxilação da clomipramina e da desmetilclomipramina estão sob controle genético semelhante ao da debrisoquina. Em metabolizadores fracos de debrisoquina, isso pode levar a altas concentrações de desmetilclomipramina, enquanto as concentrações de clomipramina são pouco influenciadas.
Eliminação: após administração IM ou IV, a clomipramina é eliminada do plasma11 com uma meia-vida terminal média de 25 h (de 20 a 40 h) ou 18 h, respectivamente. A clomipramina administrada por via oral é eliminada do sangue12 com uma meia-vida média de 21 h (de 13 a 36 h), e a desmetilclomipramina com uma meia-vida média de 36 h.
Cerca de dois terços de uma dose única de clomipramina são excretados na urina13, sob a forma de conjugados solúveis em água, e aproximadamente um terço nas fezes. A quantidade de clomipramina inalterada e de desmetilclomipramina excretada na urina13 é de cerca de 2% e 0,5% da dose administrada, respectivamente.
Características nos pacientes: em pacientes idosos, graças ao clearance (depuração) metabólico reduzido as concentrações plasmáticas de clomipramina, em qualquer dose administrada, são maiores do que em pacientes mais jovens. Os efeitos de insuficiência renal14 e hepática15 na farmacocinética da clomipramina ainda não foram determinados.
Experiência pré-clínica: de acordo com os dados experimentais disponíveis, a clomipramina não possui efeitos mutagênico, carcinogênico e teratogênico16.
Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Noradrenalina: Mediador químico do grupo das catecolaminas, liberado pelas fibras nervosas simpáticas, precursor da adrenalina na parte interna das cápsulas das glândulas suprarrenais.
2 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
3 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
4 Psicomotor: Próprio ou referente a qualquer resposta que envolva aspectos motores e psíquicos, tais como os movimentos corporais governados pela mente.
5 Ejaculação: 1. Ato de ejacular. Expulsão vigorosa; forte derramamento (de líquido); jato. 2. Em fisiologia, emissão de esperma pela uretra no momento do orgasmo. 3. Por extensão de sentido, qualquer emissão. 4. No sentido figurado, fartura de palavras; arrazoado.
6 Adrenérgicos: Que agem sobre certos receptores específicos do sistema simpático, como o faz a adrenalina.
7 Latência: 1. Estado, caráter daquilo que se acha latente, oculto. 2. Por extensão de sentido, é o período durante o qual algo se elabora, antes de assumir existência efetiva. 3. Em medicina, é o intervalo entre o começo de um estímulo e o início de uma reação associada a este estímulo; tempo de reação. 4. Em psicanálise, é o período (dos quatro ou cinco anos até o início da adolescência) durante o qual o interesse sexual é sublimado; período de latência.
8 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
9 Metabólito: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
10 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
11 Plasma: Parte que resta do SANGUE, depois que as CÉLULAS SANGÜÍNEAS são removidas por CENTRIFUGAÇÃO (sem COAGULAÇÃO SANGÜÍNEA prévia).
12 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
13 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
14 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
15 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
16 Teratogênico: Agente teratogênico ou teratógeno é tudo aquilo capaz de produzir dano ao embrião ou feto durante a gravidez. Estes danos podem se refletir como perda da gestação, malformações ou alterações funcionais ou ainda distúrbios neurocomportamentais, como retardo mental.

Tem alguma dúvida sobre CARACTERÍSTICAS CLOMIPRAN?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.