TALSUTIN CREME VAGINAL

B-MS

Atualizado em 09/12/2014

          TALSUTINR


tetraciclina + anfotericina B


CREME VAGINAL

Apresentação/Composição de Talsutin Creme Vaginal

TALSUTIN CREME VAGINAL é apresentado em bisnaga com 45g e 10 aplicadores descartáveis com capacidade para 4g. Cada 4g de TALSUTIN creme vaginal contém tetraciclina equivalente a 100mg de cloridrato de tetraciclina e 50mg de anfotericina B.

USO ADULTO

Informações ao Paciente de Talsutin Creme Vaginal

TALSUTIN CREME VAGINAL deverá ser conservado em temperatura ambiente (entre 15 e 30o C), evitando-se congelação.

Prazo de validade: Este medicamento não deverá ser utilizado se o seu prazo de validade estiver vencido.

O produto deve ser utilizado apenas para uso externo e deve ser mantido longe do alcance dos olhos1, nariz2 e boca3.

A segurança para uso durante a gravidez4 e lactação5 não foi  estabelecida. Drogas contendo tetraciclina demonstraram ter efeitos adversos nos dentes e ossos durante o desenvolvimento do feto6, recém-nascidos, bebês7 e crianças pequenas.

A segurança para o uso em crianças com menos de 11 anos de idade ainda não foi bem estabelecida. (Ver acima).
Para preparar a aplicação do produto, remover a tampa da bisnaga, adaptar o aplicador à sua extremidade e puxar o êmbolo8 até o fim do curso. Apertar suavemente a base da bisnaga, forçando a entrada do creme no aplicador até completo enchimento. Para maiores esclarecimentos, ver as ilustrações do item "MODO DE USAR - Instruções para uso do aplicador".

Para a aplicação do produto, a paciente deve deitar-se de costas9 e o aplicador deve ser introduzido na vagina10 suavemente, sem causar desconforto. Em seguida, empurrar lentamente o êmbolo8 com o dedo indicador até o final de seu curso, depositando assim todo o creme na vagina10.

O aplicador de TALSUTIN é descartável, e deve  ser desprezado imediatamente após o uso.

Para evitar reinfecção, observar rigorosa higiene pessoal. Lavar as mãos11 cuidadosamente antes de aplicar o creme vaginal.

Após cada micção12, enxugar a vulva13 sem friccionar o papel higiênico.

Para evitar uma possível propagação de germes do reto14 ao trato vaginal, após a defecação, cuidar para que o material possivelmente infectado não entre em contato com a genitália15.

Toalhas e lençóis, assim como roupas íntimas devem ser trocados diariamente e lavados com detergente, uma vez que, enquanto persistir a infecção16, existe a possibilidade de propagação a outras pessoas.

Como ocorre com qualquer outro produto para aplicação vaginal, TALSUTIN poderá eventualmente produzir sensação de ardor17 ou prurido18 em pacientes hipersensíveis. Se isto ocorrer, o tratamento poderá ser interrompido se a sintomatologia persistir ou agravar.

TALSUTIN é contra-indicado em pacientes com história de hipersensibilidade aos seus componentes.

Procurar o médico, caso ocorram quaisquer sinais19 de reações adversas além daquelas normalmente esperadas.

Todo medicamento deve ser mantido fora do alcance das crianças.

Não use remédio sem o conhecimento do seu médico. Pode ser
perigoso para a sua saúde20.

INFORMAÇõES TÉCNICAS

Farmacologia21 Clínica de Talsutin Creme Vaginal

As vulvovaginites e colpites mais comuns são causadas por Trichomonas vaginalis e por Candida albicans. A candidíase22  genital ocorre com maior freqüência após terapêutica23 antibiótica ou corticoterapia. Sua ocorrência tem sido relatada com crescente freqüência em mulheres submetidas a tratamento oral com agentes específicos contra tricomonas e durante o uso de anticoncepcionais orais. Outros fatores que aumentam a suscetibilidade à candidíase22 vaginal são Diabetes mellitus24, perturbações endócrinas, distúrbios nutritivos e debilidade.A anfotericina B contida no TALSUTIN possui atividade efetiva contra Candida albicans  e tem sido amplamente usada sob a forma tópica no tratamento de candidíase22 genital.
A anfotericina B possui também ação profilática, agindo contra a excessiva proliferação de Candida, causada pela alteração da flora vaginal pela tetraciclina. A tricomoníase geralmente apresenta-se associada a outras infecções25 bacterianas e micóticas e raramente encontra-se isolada.
As tricomoníases raramente são infecções25 simples. Encontram-se frequentemente associadas com infecções25 bacterianas mistas. Tricomonas e bactérias vivem em perfeita simbiose26. Algumas pacientes, portadoras de tricomonas, apresentam exacerbação da sintomatologia depois que esta associação simbiótica se manifesta. A utilização do glicogênio27 das paredes vaginais pelos tricomonas e a consequente elevação do pH vaginal estimula a invasão bacteriana.
A ação principal da tetraciclina é a de eliminar as bactérias que favorecem a proliferação das tricomonas, rompendo o ciclo simbiótico.
Ao que parece, a ação das substâncias ativas desse produto possuem um efeito localizado, uma vez que elas não são absorvidas, através da pele28, em quantidade suficiente para ação sistêmica.

Indicações de Talsutin Creme Vaginal

TALSUTIN é indicado no tratamento de vulvovaginites e colpites causadas por Candida, tricomonas e/ou bactérias ou quando não houve condições para identificar o agente etiológico29. É indicado também na pós-cauterização30 do colo uterino31, na prevenção de infecções25 acelerando, deste modo, o processo de cicatrização.

Contra-Indicações de Talsutin Creme Vaginal

TALSUTIN é contra-indicado na eventualidade de reação de sensibilidade a qualquer dos componentes da formulação.

Advertências de Talsutin Creme Vaginal

TALSUTIN praticamente não apresenta toxicidade32 porém, da mesma forma que ocorre com qualquer outro produto para aplicação vaginal, poderá eventualmente produzir sensação de ardor17 ou prurido18 em pacientes hipersensíveis. Se isto ocorrer, o tratamento poderá ser interrompido se a sintomatologia persistir ou agravar.As aplicações não deverão ser interrompidas durante o período menstrual.

Precauções de Talsutin Creme Vaginal

O produto deve ser utilizado apenas para uso externo: portanto, o produto deve ser mantido longe dos olhos1, nariz2 e boca3.

Uso na Gravidez4: Categoria B: A segurança para uso durante a gravidez4 não foi estabelecida. Drogas contendo tetraciclina demonstraram ter efeitos adversos nos dentes e ossos durante o desenvolvimento do feto6, recém nascidos, bebês7 e crianças pequenas.

Uso na Lactação5: A segurança para uso durante a lactação5 não foi  estabelecida.

Uso em Crianças: A segurança para o uso em crianças com menos de 11 anos de idade não foi estabelecida.

Precauções Higiênicas: A fim de afastar a possibilidade de reinfecção,  observar rigorosa higiene pessoal. As mãos11 devem ser cuidadosamente lavadas, antes de aplicar o creme. Além das medidas higiênicas habituais, as seguintes precauções são de grande vantagem para prevenir reinfecção.

1) Após cada micção12, enxugar a vulva13, sem friccionar o papel higiênico.

2) A fim de evitar uma possível propagação de germes do reto14 ao trato vaginal, após a defecação, cuidar para que o material possivelmente infectado não entre em contato com a genitália15.

3) Toalhas e lençóis, assim como roupas íntimas devem ser trocados diariamente e lavados com detergente.

4) Enquanto persistir a infecção16, existe a possibilidade de
propagação a outras pessoas.


Reações Adversas de Talsutin Creme Vaginal

Como qualquer preparação de uso intravaginal, TALSUTIN poderá produzir prurido18 e ardor17 em pacientes hipersensíveis aos componentes do produto.A administração tópica resulta em níveis séricos baixos: portanto, é muito improvável que efeitos colaterais33 sistêmicos34 ocorram.

Posologia e Administração de Talsutin Creme Vaginal

Um aplicador cheio (4g) de TALSUTIN CREME VAGINAL, durante 7 a 10 dias.
Em casos mais graves, quantidades maiores (2 aplicadores cheios) são necessários, variando o tempo de utilização de acordo com a resposta clínica.
As aplicações não deverão ser interrompidas durante o período menstrual.

Modo de Usar de Talsutin Creme Vaginal

INSTRUÇÕES PARA USO DO APLICADOR

           1. Remova a tampa e, imediatamente, adapte o aplicador ao bico do tubo.
         


           2. Aperte delicadamente a base do tubo de maneira a forçar a entrada do creme no aplicador, preenchendo todo o espaço vazio do mesmo.
         


           3. Desencaixe o aplicador e tampe o tubo imediatamente.
         


4. Para aplicar o produto, a paciente deve deitar-se de costas9 e o aplicador deve ser introduzido na vagina10 suavemente, sem causar desconforto. Em seguida, empurrar lentamente o êmbolo8 com o dedo indicador até o final de seu curso, depositando assim todo o creme na vagina10.

5. Após a aplicação, o aplicador deve ser imediatamente descartado.


VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA

TALSUTIN CREME VAGINAL - Laboratório

B-MS
Rua Carlos Gomes, 924
São Paulo/SP - CEP: 04743-002
Tel: 55 (011) 882-2000
Fax: 55 (011) 246-0151
Site: http://www.bristol.com.br/

Ver outros medicamentos do laboratório "B-MS"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Olhos:
2 Nariz: Estrutura especializada que funciona como um órgão do sentido do olfato e que também pertence ao sistema respiratório; o termo inclui tanto o nariz externo como a cavidade nasal.
3 Boca: Cavidade oral ovalada (localizada no ápice do trato digestivo) composta de duas partes
4 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
5 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
6 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
7 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
8 Êmbolo: 1. Cilindro ou disco que se move em vaivém no interior de seringas, bombas, etc. 2. Na engenharia mecânica, é um cilindro metálico deslizante que recebe um movimento de vaivém no interior de um cilindro de motor de combustão interna. 3. Em artes gráficas, é uma haste de ferro com um cilindro, articulada para comprimir e lançar o chumbo ao molde. 4. Em patologia, é um coágulo ou outro tampão trazido pela corrente sanguínea a partir de um vaso distante, que obstrui a circulação ao ser forçado contra um vaso menor. 5. Na anatomia zoológica, nas aranhas, é um prolongamento delgado no ápice do aparelho copulador masculino.
9 Costas:
10 Vagina: Canal genital, na mulher, que se estende do ÚTERO à VULVA. (Tradução livre do original
11 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
12 Micção: Emissão natural de urina por esvaziamento da bexiga.
13 Vulva: Genitália externa da mulher, compreendendo o CLITÓRIS, os lábios, o vestíbulo e suas glândulas.
14 Reto: Segmento distal do INTESTINO GROSSO, entre o COLO SIGMÓIDE e o CANAL ANAL.
15 Genitália: Órgãos externos e internos relacionados com a reprodução. Sinônimos: Órgãos Sexuais Acessórios; Órgãos Genitais; Órgãos Acessórios Sexuais
16 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
17 Ardor: 1. Calor forte, intenso. 2. Mesmo que ardência. 3. Qualidade daquilo que fulge, que brilha. 4. Amor intenso, desejo concupiscente, paixão.
18 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
19 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
20 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
21 Farmacologia: Ramo da medicina que estuda as propriedades químicas dos medicamentos e suas respectivas classificações.
22 Candidíase: É o nome da infecção produzida pela Candida albicans, um fungo que produz doença em mucosas, na pele ou em órgãos profundos (candidíase sistêmica).As infecções profundas podem ser mais freqüentes em pessoas com deficiência no sistema imunológico (pacientes com câncer, SIDA, etc.).
23 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
24 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
25 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
26 Simbiose: Tipo de associação intima e duradora entre seres vivos de 2 espécies diferentes, pela qual é assegurada a sobrevivência de ambas as espécies em função das trocas metabólicas ou de outros fatores indispensáveis.
27 Glicogênio: Polissacarídeo formado a partir de moléculas de glicose, utilizado como reserva energética e abundante nas células hepáticas e musculares.
28 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
29 Etiológico: Relativo à etiologia; que investiga a causa e origem de algo.
30 Cauterização: Queima ou coagulação de tecidos de diferentes órgãos para deter uma hemorragia ou eliminar um tecido de crescimento anormal.
31 Colo Uterino: Porção compreendendo o pescoço do ÚTERO (entre o ístmo inferior e a VAGINA), que forma o canal cervical.
32 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
33 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
34 Sistêmicos: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
Artigos relacionados

Tem alguma dúvida sobre TALSUTIN CREME VAGINAL?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.