Preço de Ultiva em Ann Arbor/SP: R$ 0,00

Ultiva

ASPEN PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA

Atualizado em 12/11/2019

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Ultiva®
cloridrato de remifentanila
Injetável 2 mg

APRESENTAÇÕES

Pó liófilo a ser reconstituído antes do uso, para injeção1 intravenosa
Embalagem com 5 frascos-ampola

USO INTRAVENOSO
USO ADULTO E USO PEDIÁTRICO ACIMA DE 1 ANO DE IDADE

COMPOSIÇÃO

Cada frasco-ampola de 2 mg de Ultiva® contém:

cloridrato de remifentanila (equivalente a 2 mg de remifentanila) 2,194 mg
excipientes q.s.p. 1 frasco-ampola

Excipientes: glicina, ácido clorídrico2.
Diluente: água para injeção1.

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

PARA QUE ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?

Ultiva® é um medicamento indicado para produzir ou manter a anestesia3 durante cirurgias, inclusive a do coração4, e para o alívio da dor imediatamente após a operação. Ultiva® também é indicado para promover alívio da dor e sedação5 em pacientes mecanicamente ventilados (ou seja, que respiram com ajuda de aparelhos) em unidade de terapia intensiva6 (UTI).

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

Ultiva® apresenta como substância ativa a remifentanila, que pertence a um grupo de medicamentos chamados de agonistas opioides. Esses medicamentos são capazes de promover anestesia3, assim como alívio da dor e sedação5, durante as cirurgias. A remifentanila tem início de ação rápido, e seu efeito é curto.

QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

O uso de Ultiva® não é indicado caso você tenha sensibilidade conhecida à remifentanila, a outros compostos semelhantes ou a qualquer componente da formulação (ver seção Composição).

O médico não deve administrar Ultiva® por via epidural7, um tipo de anestesia3 em que a injeção1 é aplicada nas costas8 e serve principalmente para aliviar as dores do parto. Este medicamento também não pode ser usado por via intratecal (no espaço entre duas membranas que revestem o cérebro9, chamado de espaço subaracnoide). A administração de Ultiva® deve ser feita somente por via intravenosa, ou seja, no interior de uma veia.

Este medicamento é contraindicado para menores de 1 ano de idade.

Gravidez10 e lactação11: O médico somente deve utilizar Ultiva® em mulheres grávidas quando os benefícios potenciais para a mãe superarem os possíveis riscos para o feto12.

Deve haver cuidado na administração de Ultiva® a mulheres que estejam amamentando.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Durante o tratamento, o paciente não deve dirigir veículos ou operar máquinas, pois sua habilidade e sua atenção podem estar prejudicadas.

O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Se você responder “sim” a qualquer uma das perguntas a seguir, informe seu médico sobre esse assunto antes da operação.

  • Você já teve alguma reação adversa, ou seja, reação indesejável durante uma operação?
  • Você sabe se é alérgico a algum medicamento usado durante uma operação?
  • Você já teve algum problema de respiração?
  • Os batimentos do seu coração4 são lentos ou irregulares?
  • Você sabe se sua pressão arterial13 é baixa?
  • Você tomou recentemente outros tipos de medicamento conhecidos, como betabloqueadores ou bloqueadores dos canais de cálcio?
  • Você está grávida ou pretende engravidar em breve?
  • Você está amamentando?

Ultiva® deve ser administrado somente no hospital, onde há equipamentos para monitorar e manter as funções da respiração, do coração4 e dos vasos sanguíneos14. Apenas o profissional treinado no uso de anestésicos deve administrar Ultiva®, pois é importante que saiba reconhecer as possíveis reações adversas ao medicamento e agir de forma correta caso uma delas ocorra. Ele também deve ter sido treinado na abertura das vias respiratórias e sua manutenção e na ventilação15 assistida.

Como todos os outros medicamentos da mesma classe, Ultiva® não é recomendável como agente único na anestesia3 geral.

Se você tiver rigidez muscular causada por Ultiva®, um profissional de saúde16 capacitado deve tomar as medidas de suporte adequadas para sua condição clínica. Ele pode administrar outros medicamentos para tratar essa reação, se for intensa, ou diminuir a velocidade de uso Ultiva® e até interrompê-lo (neste caso, a rigidez muscular é resolvida em alguns minutos).

Ultiva® deve ser administrado somente em locais com equipamentos para monitorar e tratar os possíveis casos de depressão respiratória (comprometimento da respiração). O tratamento deve ser feito por pessoa capacitada e inclui a diminuição da velocidade de infusão ou sua interrupção temporária. É importante que o paciente recupere totalmente a consciência e a respiração espontânea antes de ser liberado da sala de recuperação anestésica.

Pode ocorrer de algum efeito adverso afetar sua pressão arterial13 e seu coração4, como queda de pressão e diminuição da frequência dos batimentos cardíacos. Esses efeitos podem ser controlados pela redução da velocidade da infusão de Ultiva® ou da dose dos anestésicos utilizados em conjunto ou ainda pela administração intravenosa (na veia) de outros medicamentos apropriados.

Em certos tipos de cirurgia o paciente pode sentir dor após a operação logo que Ultiva® é suspenso. Nesses casos, é necessário o uso de medicamentos para alívio da dor antes ou logo depois da interrupção de Ultiva®. O médico deve fazer a escolha adequada do medicamento de acordo com a cirurgia e o nível de cuidados exigidos no período pós-operatório.

A administração de Ultiva® deve ser feita com equipamento exclusivo para evitar que resíduos do medicamento permaneçam na linha de infusão ou no equipo, se estes forem utilizados para fluidos ou outras drogas, e provoquem reações adversas.

Assim como outros medicamentos da mesma classe, Ultiva® pode causar dependência.

Pacientes com hipersensibilidade conhecida a opioides de diferentes classes podem apresentar reação seguida da administração de Ultiva®. Recomenda-se cautela antes do uso de remifentanila nesses pacientes (ver na seção “8. Quais os males que este medicamento pode me causar?”).

Uso em pacientes com problemas nos rins17

Não é necessário ajustar a dose de Ultiva® para esses pacientes.

Uso em pacientes com problemas de fígado18

Esses pacientes podem ser um pouco mais sensíveis à depressão respiratória causada por Ultiva® e o médico deve monitorá-los de perto. Deve também ajustar a dose de Ultiva® de acordo com as necessidades de cada paciente.

Uso em pacientes idosos

O médico deve reduzir a dose inicial de Ultiva® nos idosos e depois ajustá-la cuidadosamente de acordo com as necessidades de cada paciente.

Efeitos sobre a capacidade de dirigir veículos e operar máquinas

O paciente só poderá dirigir veículos e operar máquinas algum tempo após o término da administração de Ultiva®, isto é, quando os efeitos do medicamento forem eliminados. Esta orientação fica a critério médico

Durante o tratamento, o paciente não deve dirigir veículos ou operar máquinas, pois sua habilidade e sua atenção podem estar prejudicadas.

Gravidez10 e lactação11

Ultiva® somente deve ser utilizado em mulheres grávidas quando, a critério do médico, os benefícios potenciais para a mãe superarem os possíveis riscos para o feto12. O uso deste medicamento também não é recomendável durante trabalhos de parto nem cesarianas.

Seu médico deve ter cuidado ao administrar Ultiva® se você estiver amamentando.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Este medicamento pode causar doping.

Interações medicamentosas

Como ocorre com outros medicamentos da mesma classe, o uso de Ultiva® diminui as quantidades ou doses de anestésicos voláteis ou intravenosos necessários à anestesia3.

Os efeitos adversos de Ultiva® que afetam o coração4 e a pressão arterial13 podem agravar-se caso você esteja tomando drogas depressoras cardíacas, como betabloqueadores ou bloqueadores do canal de cálcio.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Não use medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde16.

ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?

Cuidados de conservação

Este medicamento deve ser guardado dentro da embalagem original e conservado em temperatura inferior a 25°C. Com a reconstituição e a posterior diluição, Ultiva® permanece estável por 24 horas em temperatura ambiente (25°C).

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Características físicas e organolépticas

Massa branca ou esbranquiçada que pode estar intacta ou fragmentada. Quando reconstituído com água esterilizada para injeção1, o produto é um líquido transparente, incolor e praticamente livre de matéria particulada.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento.

Caso você observe alguma mudança no aspecto do medicamento que ainda esteja no prazo de validade, consulte o médico ou o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

Modo de usar

Ultiva® deve ser utilizado somente por via intravenosa, ou seja, no interior de uma veia.

O médico não deve administrar Ultiva® por via epidural7, um tipo de anestesia3 em que a injeção1 é aplicada nas costas8 e serve principalmente para aliviar as dores do parto. Também não deve ser usado por via intratecal, isto é, injetado no espaço compreendido entre as membranas que revestem o cérebro9, o chamado espaço subaracnoide.

Ultiva® sempre deve ser utilizado no ambiente hospitalar e por um profissional habilitado, que tenha treinamento adequado para usar o medicamento e controlar os efeitos adversos que podem manifestar-se. O médico deve utilizá-lo somente com equipamentos capazes de monitorar e manter as funções do seu organismo, como as respiratórias e as relacionadas ao coração4.

Ultiva® permanece estável por 24 horas, em temperatura ambiente (25ºC), após a reconstituição e a posterior diluição entre 20 e 250 μg/mL (50 μg/mL é a diluição adequada para adultos e 20-25 μg/mL para crianças maiores de 1 ano de idade). Recomenda-se uma das seguintes soluções para administração intravenosa:

  • água estéril para injeção1;
  • solução de glicose19 a 5%;
  • solução glicofisiológica a 5% (solução de glicose19 a 5% e de cloreto de sódio a 0,9%);
  • solução fisiológica20 (solução de cloreto de sódio a 0,9%);
  • solução de cloreto de sódio a 0,45%.

Ultiva® só deve ser administrado com as soluções para infusão mostradas acima.

Ultiva® não deve ser misturado a outros medicamentos antes da administração.

As tabelas seguintes fornecem instruções sobre as velocidades de infusão de Ultiva®.

Tabela 1. Velocidade de infusão de Ultiva® injetável (mL/kg/h)

Velocidade de distribuição do medicamento
(µg/kg/min)

Velocidade de distribuição da infusão (mL/kg/h) em soluções com concentrações de:

20 µg/mL
1 mg/50 mL

25 µg/mL
1 mg/40 mL

50 µg/mL
1 mg/20 mL

250 µg/mL
10 mg/40 mL

0,0125

0,038

0,03

0,015

Não recomendável

0,025

0,075

0,06

0,03

Não recomendável

0,05

0,15

0,12

0,06

0,012

0,075

0,23

0,18

0,09

0,018

0,1

0,3

0,24

0,12

0,024

0,15

0,45

0,36

0,18

0,036

0,2

0,6

0,48

0,24

0,048

0,25

0,75

0,6

0,3

0,06

0,5

1,5

1,2

0,6

0,12

0,75

2,25

1,8

0,9

0,18

1,0

3,0

2,4

1,2

0,24

1,25

3,75

3,0

1,5

0,3

1,5

4,5

3,6

1,8

0,36

1,75

5,25

4,2

2,1

0,42

2,0

6,0

4,8

2,4

0,48

Tabela 2. Velocidade de infusão de Ultiva® injetável (mL/h) em uma solução de 20 μg/mL

Velocidade de infusão
(µg/kg/min)

Peso do paciente (kg)

5

10

20

30

40

50

60

0,125

0,188

0,375

0,75

1,125

1,5

1,875

2,25

0,025

0,375

0,75

1,5

2,25

3,0

3,75

4,5

0,05

0,75

1,5

3,0

4,5

6,0

7,5

9,0

0,075

1,125

2,25

4,5

6,75

9,0

11,25

13,5

0,1

1,5

3,0

6,0

9,0

12,0

15,0

18,0

0,15

2,25

4,5

9,0

13,5

18,0

22,5

27,0

0,2

3,0

6,0

12,0

18,0

24,0

30,0

36,0

0,25

3,75

7,5

15,0

22,5

30,0

37,5

45,0

0,3

4,5

9,0

18,0

27,0

36,0

45,0

54,0

0,35

5,25

10,5

21,0

31,5

42,0

52,5

63,0

0,4

6,0

12,0

24,0

36,0

48,0

60,0

72,0

Tabela 3. Velocidade de infusão de Ultiva® injetável (mL/h) em uma solução de 25μg/mL

Velocidade de infusão
(µg/kg/min)

Peso do paciente (kg)

10

20

30

40

50

60

70

80

90

100

0,125

0,3

0,6

0,9

1,2

1,5

1,8

2,1

2,4

2,7

3,0

0,025

0,6

1,2

1,5

2,4

3,0

3,6

4,2

4,8

5,4

6,0

0,05

1,2

2,4

3,6

4,8

6,0

7,2

8,4

9,6

10,8

12,0

0,075

1,8

3,6

5,4

7,2

9,0

10,8

12,6

14,4

16,2

18,0

0,1

2,4

4,8

7,2

9,6

12,0

14,4

16,8

19,2

21,6

24,0

0,15

3,6

7,2

10,8

14,4

18,0

21,6

25,2

28,8

32,4

36,0

0,2

4,8

9,6

14,4

19,2

24,0

28,8

33,6

38,4

43,2

48,0

Tabela 4. Velocidade de infusão de Ultiva® injetável (mL/h) em uma solução de 50μg/mL

Velocidade de infusão
(µg/kg/min)

Peso do paciente (kg)

30

40

50

60

70

80

90

100

0,025

0,9

1,2

1,5

1,8

2,1

2,4

2,7

3,0

0,05

1,8

2,4

3,0

3,6

4,2

4,8

5,4

6,0

0,075

2,7

3,6

4,5

5,4

6,3

7,2

8,1

9,0

0,1

3,6

4,8

6,0

7,2

8,4

9,6

10,8

12,0

0,15

5,4

7,2

9,0

10,8

12,6

14,4

16,2

18,0

0,2

7,2

9,6

12,0

14,4

16,8

19,2

21,6

24,0

0,25

9,0

12,0

15,0

18,0

21,0

24,0

27,0

30,0

0,5

18,0

24,0

30,0

36,0

42,0

48,0

54,0

60,0

0,75

27,0

36,0

45,0

54,0

63,0

72,0

81,0

90,0

1,0

36,0

48,0

60,0

72,0

84,0

96,0

108,0

120,0

1,25

45,0

60,0

75,0

90,0

105,0

120,0

135,0

150,0

1,5

54,0

72,0

90,0

108,0

126,0

144,0

162,0

180,0

1,75

36,0

84,0

105,0

126,0

147,0

168,0

189,0

210,0

2,0

72,0

96,0

120,0

144,0

168,0

192,0

216,0

240,0

Tabela 5. Velocidade de infusão de Ultiva® injetável (mL/h) em uma solução de 250μg/mL

Velocidade de infusão
(µg/kg/min)

Peso do paciente (kg)

30

40

50

60

70

80

90

100

0,1

0,72

0,96

1,20

1,44

1,68

1,92

2,16

2,40

0,15

1,08

1,44

1,80

2,16

2,52

2,88

3,24

3,60

0,2

1,44

1,92

2,40

2,88

3,36

3,84

4,32

4,80

0,25

1,80

2,40

3,00

3,60

4,20

4,80

5,40

6,00

0,5

3,60

4,80

6,00

7,20

8,40

9,60

10,80

12,00

0,75

5,40

7,20

9,00

10,80

12,60

14,40

16,20

18,00

1,0

7,20

9,60

12,00

14,40

16,80

19,20

21,60

24,00

1,25

9,00

12,00

15,00

18,00

21,00

24,00

27,00

30,00

1,5

10,80

14,40

18,00

21,60

25,20

28,80

32,40

36,00

1,75

12,60

16,80

21,00

25,20

29,40

33,60

37,80

42,00

2,0

14,40

19,20

24,00

28,80

33,60

38,40

43,20

48,00

Posologia

A dosagem de Ultiva® depende da operação que você vai fazer. Seu médico saberá utilizar a dose adequada.

Adultos

A tabela seguinte resume a velocidade de infusão inicial e a dosagem.

Orientação de dosagem para adultos

Indicação

Bolus21 de infusão de cloridrato de remifentanila
(µg/kg)

Infusão contínua de cloridrato de remifentanila
(µg/kg/min)

Velocidade inicial

Limites

Indução da anestesia3 em pacientes ventilados

1 (aplicar em no mínimo 30 segundos)

0,5 a 1

-

Manutenção da anestesia3 em pacientes ventilados

Óxido nitroso (66%)

0,5 a 1

0,4

0,1 a 2

Isoflurano (dose inicial de 0,5 CAM*)

0,5 a 1

0,25

0,05 a 2

Propofol (dose inicial de 100 µg/kg/min)

0,5 a 1

0,25

0,05 a 2

Anestesia3 com respiração espontânea

Não recomendável

0,04

0,025 a 0,1

Continuação da analgesia no pós-operatório imediato

Não recomendável

0,1

0,025 a 0,2

CAM = concentração alveolar mínima.

O tempo de administração de Ultiva® em bolus21 na indução da anestesia3 não deve ser menor que 30 segundos.

Nas doses recomendadas, a remifentanila reduz significativamente a quantidade de hipnótico necessária para manter a anestesia3. Portanto, o médico deve administrar o isoflurano e o propofol como descrito acima para evitar anestesia3 excessivamente profunda (ver, na seção “4. O que devo saber antes de usar este medicamento?”). Não há dados disponíveis sobre as dosagens recomendáveis para uso simultâneo de outros hipnóticos e de remifentanila.

Indução da anestesia3

O médico deve administrar Ultiva® com um agente hipnótico, como propofol, tiopental ou isoflurano, na indução da anestesia3. A velocidade de infusão pode ser de 0,5 a 1 μg/kg/min, com ou sem bolus21 de infusão inicial de 1 μg/kg, por no mínimo 30 segundos. Se o médico previr a entubação endotraqueal (introdução de tubo na traquéia22) entre 8 e 10 minutos após o início da infusão de Ultiva®, o bolus21 não será necessário.

Manutenção da anestesia3

Após a entubação endotraqueal, o médico deve diminuir a velocidade de infusão de Ultiva® de acordo com a técnica anestésica, como foi indicado na tabela acima. Devido ao início rápido e à curta duração da ação de Ultiva®, o médico pode ajustar a velocidade de administração durante a anestesia3 em incrementos de 25% a 100% ou diminuições de 25% a 50%, a intervalos de 2 a 5 minutos, para obter o nível desejável de resposta μ-opiácea. Em resposta à anestesia3 leve, infusões suplementares na forma de bolus21 podem ser administradas a intervalos de 2 a 5 minutos.

Anestesia3 de pacientes que respiram sem ajuda de aparelhos e com via aérea protegida (por máscara laríngea, por exemplo)

Os pacientes anestesiados que respiram sem ajuda de aparelhos e com via aérea protegida podem ter depressão respiratória. Se isso ocorrer, o médico deve ter cuidado especial para ajustar a dose às necessidades do paciente, e talvez seja preciso auxiliar a respiração por meio de aparelho. A taxa de infusão inicial recomendável para analgesia suplementar de pacientes anestesiados que respiram espontaneamente é de 0,04 μg/kg/min, e o médico deve ajustá-la até obter o efeito desejado. Estudou-se uma variação de velocidades de infusão de 0,025 a 0,1 μg/kg/min. Não se recomenda a administração de bolus21 em pacientes anestesiados que respiram sem ajuda de aparelhos.

Continuação até o período pós-operatório imediato

Caso o médico não inicie a analgesia de longa duração antes do final da cirurgia, pode ser necessária a administração de Ultiva® para mantê-la durante o período pós-operatório imediato até que o analgésico23 de longa duração atinja o efeito máximo.

Os pacientes ventilados mecanicamente (ou seja, que respiram com ajuda de aparelhos), o médico deve ajustar a velocidade de infusão até atingir o efeito desejado.

Nos pacientes que respiram de forma espontânea, o médico deve diminuir a velocidade de infusão de Ultiva®, inicialmente, para 0,1 μg/kg/min. A velocidade de infusão pode então ser aumentada ou diminuída, no máximo em 0,025 μg/kg/min, a intervalos de 5 minutos, para ajustar o nível de analgesia ou a frequência respiratória do paciente. Ultiva® deverá ser administrado apenas em ambientes completamente equipados para monitoramento e suporte das funções respiratórias e cardiovasculares, sob restrita supervisão de profissionais especificamente treinados no reconhecimento e no controle dos efeitos adversos esperados dos opioides potentes.

Não se recomenda o uso de injeções de bolus21 de Ultiva® para tratar a dor, durante o período pós-operatório, de pacientes que respiram espontaneamente.

Medicação simultânea

Ultiva® diminui as quantidades de anestésicos voláteis, hipnóticos ou benzodiazepínicos necessárias para promover a anestesia3 (ver, na seção O Que Devo Saber Antes de Usar Este Medicamento, o item Interações Medicamentosas).

As doses de alguns agentes utilizados em anestesia3, como isoflurano, tiopental, propofol e temazepam, atingiram redução de 75% quando usadas com a remifentanila.

Descontinuação

Devido à cessação rápida da ação de Ultiva®, não haverá nenhuma atividade opiácea residual de 5 a 10 minutos após a sua descontinuação (suspensão). Se você for submetido a procedimentos cirúrgicos nos quais se espera a ocorrência de dor pós-operatória, seu médico deverá administrar-lhe analgésicos24 antes ou imediatamente após a descontinuação de Ultiva®. Será preciso esperar o tempo necessário para que os analgésicos24 de longa duração atinjam o efeito máximo. O médico deve escolher o analgésico23 de acordo com o procedimento cirúrgico e o nível de cuidados pós-operatórios.

Crianças (de 1 a 12 anos de idade) Indução da anestesia3

Não existem dados suficientes para fazer recomendações de dosagem.

Manutenção da anestesia3

Orientação de dosagem para manutenção de anestesia3 em pacientes pediátricos (1-12 anos de idade)

Agente anestésico concomitante

Bolus21 de infusão de Ultiva®
(μg/kg)

Infusão contínua de Ultiva® (μg/kg/min)

Velocidade inicial

Velocidade de manutenção típica

Óxido nitroso (70%) 1 0,4 0,4 a 3
Halotano (dose inicial de 0,3 CAM) 1 0,25 0,05 a 1,3
Sevoflurano (dose inicial de 0,3 CAM) 1 0,25 0,05 a 0,9
Isoflurano (dose inicial de 0,3 CAM) 1 0,25 0,06 a 0,9

Quando o médico administrar Ultiva® em bolus21, a infusão deve ser, no mínimo, de 30 segundos. Caso não tenha administrado uma dose simultânea de bolus21, ele só deve começar a cirurgia pelo menos 5 minutos após o início da infusão de Ultiva®. Os pacientes pediátricos precisam ser monitorados e a dose ajustada para a profundidade de analgesia apropriada ao procedimento cirúrgico.

Medicação simultânea

Nas doses recomendadas acima, a remifentanila reduz significativamente a quantidade de hipnótico necessária para manter a anestesia3. Portanto, o médico deve administrar o isoflurano, o halotano e o sevoflurano de acordo com as instruções constantes da tabela acima para evitar anestesia3 excessivamente profunda. Não há dados disponíveis sobre dosagens recomendáveis para uso simultâneo de outros hipnóticos e da remifentanila (ver o item Posologia, nesta seção).

Descontinuação

Após a descontinuação da infusão, a compensação do efeito analgésico23 de Ultiva® é rápida e similar à dos pacientes adultos. O médico deve prever a necessidade e efetuar a administração de analgésicos24 apropriados para o período pós-operatório (ver o item Posologia, nesta seção).

Neonatos25 (bebês26 de até 28 dias) e crianças (menores de 1 ano)

O perfil farmacocinético da remifentanila em neonatos25 e crianças menores de 1 ano de idade é comparável ao dos pacientes adultos após as correções das diferenças de peso corporal. Entretanto, não existem dados clínicos suficientes para estabelecer dosagens adequadas a essa faixa etária.

Anestesia3 cardíaca de adultos

Orientação de dosagem para anestesia3 cardíaca

Indicação

Bolus21 de infusão de Ultiva®
(μg/kg)

Infusão contínua de Ultiva® (μg/kg/min)

Velocidade inicial

Velocidade de infusão típica

Entubação Não recomendável 1 -
Manutenção da anestesia3      
Isoflurano (dose inicial de 0,4 CAM) 0,5 a 1 1 0,003 a 4
Propofol (dose inicial de 50 μg/kg/min) 0,5 a 1 1 0,01 a 4,3
Continuação da analgesia pós-operatória antes da extubação Não recomendável 1 0 a 1

Período de indução da anestesia3

Após a administração do hipnótico até o começo da perda da consciência, o médico deve administrar Ultiva® em velocidade inicial de infusão de 1 μg/kg/min. Não se recomenda a administração em bolus21 de Ultiva® durante a indução, em cirurgia cardíaca. A entubação endotraqueal só deve ser feita 5 minutos após o início da infusão.

Período de manutenção da anestesia3

Após a entubação endotraqueal, o médico deve ajustar a velocidade de infusão de Ultiva® de acordo com a condição do paciente. Doses suplementares de bolus21 também podem ser administradas conforme a necessidade. Para pacientes27 cardíacos de alto risco, como os que apresentam função ventricular deficiente, dose máxima em bolus21 é de 0,5 μg/kg. Essas recomendações de dosagem também se aplicam durante a permanência na circulação28 extracorpórea (máquina que mantém a circulação28 do sangue29 enquanto o coração4 está parado).

Medicação simultânea

Nas doses recomendadas acima, a remifentanila reduz significativamente a quantidade de hipnótico necessária para manter a anestesia3. Portanto, o médico deve administrar o isoflurano e o propofol conforme instruções constantes da tabela acima para evitar anestesia3 excessivamente profunda. Não há dados disponíveis sobre dosagens recomendadas para uso simultâneo de outros hipnóticos de remifentanila (ver o item Posologia, nesta seção).

Manutenção da analgesia pós-operatória antes da extubação (retirada do tubo localizado na traqueia22 e que auxilia a respiração durante a cirurgia)

Recomenda-se que a infusão de Ultiva® se mantenha no nível final intraoperatório durante a transferência do paciente para a área de recuperação pós-anestésica. Quando o paciente chegar a essa área, o médico deve fazer monitoramento estrito do nível de analgesia e de sedação5, assim como ajustar a velocidade de infusão às necessidades particulares do paciente.

Descontinuação

Antes da descontinuação de Ultiva®, o médico deve administrar agentes sedativos e analgésicos24 alternativos com antecedência suficiente. A escolha e a dose do analgésico23 devem adequar-se ao nível de cuidados pós-operatórios requeridos pelo paciente (ver o item Posologia, nesta seção). Recomenda-se que o médico descontinue a infusão de Ultiva® reduzindo a velocidade em 25%, a intervalos de pelo menos 10 minutos, até fazê-la cessar completamente. Durante a retirada do ventilador mecânico, o médico não deve aumentar a infusão de Ultiva® fazendo apenas ajustes de diminuição e suplementando o procedimento com analgésicos24 alternativos conforme a necessidade.

Recomenda-se que alterações hemodinâmicas, como hipertensão30 e taquicardia31, sejam tratadas com agentes alternativos apropriados.

Anestesia3 cardíaca pediátrica

Não existem dados suficientes para recomendar o uso de Ultiva® durante cirurgias cardíacas pediátricas.

Unidade de terapia intensiva6

A infusão de Ultiva® controlada por alvo (TCI, ou target controlled infusion) não foi estudada em pacientes sob terapia intensiva6.

Adultos

Ultiva® pode ser usado isoladamente, de início, para promover analgesia e sedação5 em pacientes mecanicamente ventilados (que respiram através de aparelhos) internados em unidade de terapia intensiva6 (UTI).

Recomenda-se que a administração de Ultiva® tenha início na velocidade de infusão de 0,1 a 0,15 μg/kg/min. Essa velocidade deve ser ajustada em incrementos de 0,025 μg/kg/min até atingir o nível ideal de analgesia e sedação5. O médico deve manter um intervalo mínimo de 5 minutos entre os ajustes de dose. O nível de analgesia e sedação5 deve ser cuidadosamente monitorado e reavaliado com regularidade, ajustando-se adequadamente a velocidade de infusão de Ultiva®. Se o nível de sedação5 desejável não for alcançado com a velocidade de infusão de 0,2 μg/kg/min, recomenda-se a administração de um agente sedativo apropriado. O médico deve ajustar a dose do agente sedativo até obter o nível ideal de sedação5. Pode-se efetuar aumentos posteriores da velocidade de infusão de Ultiva® em incrementos de 0,025 μg/kg/min caso seja necessária a analgesia adicional.

Ultiva® tem sido estudado em pacientes de UTI durante pesquisas clínicas bem controladas por até três dias. Os dados adicionais de estudos clínicos feitos durante períodos mais longos são limitados.

A tabela abaixo resume a velocidade de infusão inicial e a faixa típica de dosagens de analgesia e sedação5 para cada paciente.

Orientação de dosagem para pacientes27 sob terapia intensiva6

Infusão contínua μg/kg/min

Velocidade inicial

Faixa

0,1 a 0,15 0,006 a 0,74

Não se recomenda a administração de dose de Ultiva® em bolus21 nas unidades de terapia intensiva6.

O uso de Ultiva® pode reduzir a necessidade de administração simultânea de qualquer outro agente sedativo. As dosagens iniciais típicas de agentes sedativos, se necessário, são dadas abaixo.

Dosagem inicial recomendada de agentes sedativos (se necessários)

Agente sedativo

Bolus21 (mg/kg)

Infusão (mg/kg/h)

Propofol Até 0,5 0,5
Midazolam Até 0,03 0,03

Para efetuar o ajuste isolado dos agentes sedativos, não se deve administrá-los como mistura.

Analgesia adicional de pacientes ventilados submetidos a procedimentos estimulantes

Pode ser necessário aumentar a velocidade de infusão pré-estabelecida de Ultiva® para controlar a dor de pacientes em ventilação15 mecânica submetidos a procedimentos estimulantes e/ou dolorosos, como sucção endotraqueal, troca de curativo e fisioterapia32. Recomenda-se manter velocidade de infusão de Ultiva® de no mínimo 0,1 μg/kg/min por pelo menos 5 minutos antes do início do procedimento estimulante. O médico deve fazer ajustes de dose posteriores, a intervalos de 2 a 5 minutos e em incrementos de 25% a 50%, como antecipação ou resposta à necessidade de analgesia adicional. Para fornecer maior anestesia3 durante os procedimentos estimulantes, tem-se usado a velocidade de infusão média de 0,25 μg/kg/min e máxima de 0,75 μg/kg/min.

Descontinuação

Antes da descontinuação de Ultiva®, o médico deve administrar agentes sedativos e analgésicos24 alternativos com antecedência suficiente. A escolha do agente apropriado e das doses deve ser feita antecipadamente. Para assegurar a superficialização suave do regime à base de Ultiva®, recomenda-se o ajuste da velocidade de infusão em estágios de 0,1 μg/kg/min, por até 1 hora, antes da extubação.

Após a retirada do tubo da traqueia22, o médico deve reduzir a velocidade de infusão em decréscimos de 25%, a intervalos de no mínimo 10 minutos, até descontinuar a infusão. Durante a retirada do ventilador mecânico, não se deve aumentar a infusão de Ultiva®, fazendo-se somente ajustes de diminuição, suplementados com analgésicos24 alternativos, conforme a necessidade.

Crianças na unidade de terapia intensiva6

Não existem dados disponíveis sobre o uso de Ultiva® em pacientes pediátricos.

Pacientes idosos (acima de 65 anos)

Anestesia3 geral: A dose inicial de remifentanila administrada a pacientes maiores de 65 anos de idade deve conter a metade da recomendada a adultos, sendo depois ajustada às necessidades do paciente, uma vez que há aumento de sensibilidade aos efeitos farmacológicos do medicamento entre os idosos. Esse ajuste de dosagem se aplica a todas as fases da anestesia3, inclusive indução, manutenção e analgesia pós-operatória.

Anestesia3 cardíaca: Não é necessária a redução da dose inicial.

Unidade de terapia intensiva6Não é necessária a redução da dose inicial (ver o item Posologia, nesta seção).

Pacientes obesos

Clearance (capacidade de eliminação do medicamento pelo organismo) e o volume de distribuição da remifentanila estão mais bem correlacionados com o peso ideal do que com o peso real nessa população.

Pacientes com insuficiência renal33

Não é necessário nenhum ajuste de dose para pacientes27 com insuficiência renal33 (mau funcionamento do rim34), uma vez que o perfil farmacocinético da remifentanila permanece inalterado nessa população.

Pacientes com insuficiência hepática35

Não é necessário nenhum ajuste de dose para pacientes27 com insuficiência hepática35 (mau funcionamento do fígado18), uma vez que o perfil farmacocinético da remifentanila permanece inalterado nessa população. Entretanto, os pacientes com insuficiência36 grave podem ser levemente mais sensíveis ao efeito depressor do sistema respiratório37 provocado pela remifentanila. O médico deve monitorar cuidadosamente esses pacientes, ajustando a dose do medicamento às necessidades deles.

Pacientes submetidos a neurocirurgia

As experiências clínicas com pacientes submetidos a neurocirurgia, embora limitadas, mostraram que não são necessárias dosagens especiais.

Pacientes ASA III/IV Anestesia3 geral

Uma vez que se espera que os efeitos hemodinâmicos dos opiáceos potentes sejam mais pronunciados nos pacientes classificados pelos critérios da Sociedade Americana de Anestesiologistas (ASA, na sigla em inglês) como de nível III (com doença sistêmica grave) ou IV (doença sistêmica grave com constante risco de morte), o médico deve ter cautela na administração de Ultiva® nessa população. Recomenda-se a redução da dosagem inicial e ajuste de acordo com o efeito.

Anestesia3 cardíaca

Não é necessária a redução da dose inicial (ver o item Posologia, nesta seção).

Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.

Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico ou cirurgião-dentista.

QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?

As reações adversas mais frequentemente observadas com o uso de Ultiva® são a continuação dos efeitos farmacológicos característicos dos medicamentos dessa classe.

Essas reações adversas são revertidas minutos após a interrupção ou a diminuição da velocidade de administração de Ultiva®.

Reações muito comuns (ocorrem em 10% dos pacientes que utilizam este medicamento)

  • Rigidez dos músculos38 esqueléticos (que estão sobre os ossos e as cartilagens39)
  • Pressão baixa
  • Náusea40 (enjoo)
  • Vômito41

Reações comuns (ocorrem entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento)

  • Diminuição da frequência dos batimentos cardíacos
  • Pressão alta após a operação
  • Depressão respiratória aguda, que compromete o funcionamento da respiração
  • Apneia42 (suspensão ou ausência de respiração)
  • Coceira
  • Calafrios43 após a operação

Reações incomuns (ocorrem entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento)

  • Baixos níveis de oxigênio no organismo
  • Prisão de ventre
  • Dores após a operação

Reações raras (ocorrem de 0,01% a 0,1% dos pacientes que utilizam este medicamento)

  • Sedação5 (durante o período de recuperação após a anestesia3 geral)
  • Reações alérgicas, inclusive anafilaxia44 (que é uma reação grave e generalizada)*
  • Parada abrupta do coração4, geralmente precedida de diminuição da frequência dos batimentos cardíacos*.

*Essas reações adversas foram relatadas quando houve administração de Ultiva® em conjunto com um ou mais agentes anestésicos.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento.

Informe a empresa sobre o aparecimento de reações indesejáveis e problemas com este medicamento, entrando em contato através do Sistema de Atendimento ao Consumidor (SAC) pelo telefone 0800 026 23 95.

O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA DESTE MEDICAMENTO?

Devido à ação muito curta de Ultiva®, o potencial de efeitos nocivos no caso de superdosagem está limitado ao período imediatamente posterior à administração do medicamento. Com a interrupção da administração, retorno à condição normal é rápido (10 minutos).

No caso de superdosagem ou suspeita de superdosagem, o médico deve conduzir os procedimentos necessários para o tratamento do caso. Ele deve tomar as seguintes medidas: interromper a administração de Ultiva®, manter as vias respiratórias desobstruídas, iniciar ventilação15 assistida ou controlada com oxigênio e manter as funções relacionadas ao coração4 em níveis adequados. Se houver comprometimento da respiração associado com rigidez dos músculos38, o médico poderá aplicar um bloqueador neuromuscular para facilitar a respiração assistida (por uso de aparelhos) ou controlada. Se ocorrer pressão baixa, outros medicamentos e medidas apropriadas podem ser utilizados no tratamento.

É possível administrar, por via intravenosa (na veia), um medicamento da classe dos antagonistas opiáceos, como a naloxona, como antídoto45 específico no controle da depressão respiratória grave e da rigidez dos músculos38. O médico saberá indicar o tratamento adequado para cada caso.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento se possível.

Em caso de intoxicação ligue para 0800 722 6001 se você precisar de mais orientações sobre como proceder.

DIZERES LEGAIS


USO RESTRITO A HOSPITAIS
ATENÇÃO: ESTE MEDICAMENTO PODE CAUSAR DEPENDÊNCIA FÍSICA OU PSÍQUICA.
VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA COM NOTIFICAÇÃO DE RECEITA “A”.
 

Registro MS nº 1.3764.0167
Farm. Resp.: Dra. Viviane Letícia Santiago Ferreira - CRF-ES 5139

Fabricado por:
GlaxoSmithKline Manufacturing S.p.A.
Strada Provinciale Asolana n.º 90 (loc. San Polo), 43056
Torrile (PR) – Parma – Itália

Registrado e Importado por:
Aspen Pharma Indústria Farmacêutica Ltda.
Avenida Acesso Rodoviário, Módulo 01, Quadra 09, TIMS – Serra/ES
CNPJ: 02.433.631/0001-20
Indústria Brasileira


SAC 0800 026 23 95

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
2 Ácido clorídrico: Ácido clorídrico ou ácido muriático é uma solução aquosa, ácida e queimativa, normalmente utilizado como reagente químico. É um dos ácidos que se ioniza completamente em solução aquosa.
3 Anestesia: Diminuição parcial ou total da sensibilidade dolorosa. Pode ser induzida por diferentes medicamentos ou ser parte de uma doença neurológica.
4 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
5 Sedação: 1. Ato ou efeito de sedar. 2. Aplicação de sedativo visando aliviar sensação física, por exemplo, de dor. 3. Diminuição de irritabilidade, de nervosismo, como efeito de sedativo. 4. Moderação de hiperatividade orgânica.
6 Terapia intensiva: Tratamento para diabetes no qual os níveis de glicose são mantidos o mais próximo do normal possível através de injeções freqüentes ou uso de bomba de insulina, planejamento das refeições, ajuste em medicamentos hipoglicemiantes e exercícios baseados nos resultados de testes de glicose além de contatos freqüentes entre o diabético e o profissional de saúde.
7 Epidural: Mesmo que peridural. Localizado entre a dura-máter e a vértebra (diz-se do espaço do canal raquidiano). Na anatomia geral e na anestesiologia, é o que se localiza ou que se faz em torno da dura-máter.
8 Costas:
9 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
10 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
11 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
12 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
13 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
14 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
15 Ventilação: 1. Ação ou efeito de ventilar, passagem contínua de ar fresco e renovado, num espaço ou recinto. 2. Agitação ou movimentação do ar, natural ou provocada para estabelecer sua circulação dentro de um ambiente. 3. Em fisiologia, é o movimento de ar nos pulmões. Perfusão Em medicina, é a introdução de substância líquida nos tecidos por meio de injeção em vasos sanguíneos.
16 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
17 Rins: Órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
18 Fígado: Órgão que transforma alimento em energia, remove álcool e toxinas do sangue e fabrica bile. A bile, produzida pelo fígado, é importante na digestão, especialmente das gorduras. Após secretada pelas células hepáticas ela é recolhida por canalículos progressivamente maiores que a levam para dois canais que se juntam na saída do fígado e a conduzem intermitentemente até o duodeno, que é a primeira porção do intestino delgado. Com esse canal biliar comum, chamado ducto hepático, comunica-se a vesícula biliar através de um canal sinuoso, chamado ducto cístico. Quando recebe esse canal de drenagem da vesícula biliar, o canal hepático comum muda de nome para colédoco. Este, ao entrar na parede do duodeno, tem um músculo circular, designado esfíncter de Oddi, que controla o seu esvaziamento para o intestino.
19 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
20 Fisiológica: Relativo à fisiologia. A fisiologia é estudo das funções e do funcionamento normal dos seres vivos, especialmente dos processos físico-químicos que ocorrem nas células, tecidos, órgãos e sistemas dos seres vivos sadios.
21 Bolus: Uma quantidade extra de insulina usada para reduzir um aumento inesperado da glicemia, freqüentemente relacionada a uma refeição rápida.
22 Traquéia: Tubo cartilaginoso e membranoso que desce a partir da laringe e ramifica-se em brônquios direito e esquerdo.
23 Analgésico: Medicamento usado para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
24 Analgésicos: Grupo de medicamentos usados para aliviar a dor. As drogas analgésicas incluem os antiinflamatórios não-esteróides (AINE), tais como os salicilatos, drogas narcóticas como a morfina e drogas sintéticas com propriedades narcóticas, como o tramadol.
25 Neonatos: Refere-se a bebês nos seus primeiros 28 dias (mês) de vida. O termo “recentemente-nascido“ refere-se especificamente aos primeiros minutos ou horas que se seguem ao nascimento. Esse termo é utilizado para enfocar os conhecimentos e treinamento da ressuscitação imediatamente após o nascimento e durante as primeiras horas de vida.
26 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
27 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
28 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
29 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
30 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
31 Taquicardia: Aumento da frequência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações.
32 Fisioterapia: Especialidade paramédica que emprega agentes físicos (água doce ou salgada, sol, calor, eletricidade, etc.), massagens e exercícios no tratamento de doenças.
33 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
34 Rim: Os rins são órgãos em forma de feijão que filtram o sangue e formam a urina. Os rins são localizados na região posterior do abdômen, um de cada lado da coluna vertebral.
35 Insuficiência hepática: Deterioração grave da função hepática. Pode ser decorrente de hepatite viral, cirrose e hepatopatia alcoólica (lesão hepática devido ao consumo de álcool) ou medicamentosa (causada por medicamentos como, por exemplo, o acetaminofeno). Para que uma insuficiência hepática ocorra, deve haver uma lesão de grande porção do fígado.
36 Insuficiência: Incapacidade de um órgão ou sistema para realizar adequadamente suas funções.Manifesta-se de diferentes formas segundo o órgão comprometido. Exemplos: insuficiência renal, hepática, cardíaca, respiratória.
37 Sistema Respiratório: Órgãos e estruturas tubulares e cavernosas, por meio das quais a ventilação pulmonar e as trocas gasosas entre o ar externo e o sangue são realizadas.
38 Músculos: Tecidos contráteis que produzem movimentos nos animais.
39 Cartilagens: Tecido resistente e flexível, de cor branca ou cinzenta, formado de grandes células inclusas em substância que apresenta tendência à calcificação e à ossificação.
40 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
41 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
42 Apnéia: É uma parada respiratória provocada pelo colabamento total das paredes da faringe que ocorre principalmente enquanto a pessoa está dormindo e roncando. No adulto, considera-se apnéia após 10 segundos de parada respiratória. Como a criança tem uma reserva menor, às vezes, depois de dois ou três segundos, o sangue já se empobrece de oxigênio.
43 Calafrios: 1. Conjunto de pequenas contrações da pele e dos músculos cutâneos ao longo do corpo, muitas vezes com tremores fortes e palidez, que acompanham uma sensação de frio provocada por baixa temperatura, má condição orgânica ou ainda por medo, horror, nojo, etc. 2. Sensação de frio e tremores fortes, às vezes com bater de dentes, que precedem ou acompanham acessos de febre.
44 Anafilaxia: É um tipo de reação alérgica sistêmica aguda. Esta reação ocorre quando a pessoa foi sensibilizada (ou seja, quando o sistema imune foi condicionado a reconhecer uma substância como uma ameaça ao organismo). Na segunda exposição ou nas exposições subseqüentes, ocorre uma reação alérgica. Essa reação é repentina, grave e abrange o corpo todo. O sistema imune libera anticorpos. Os tecidos liberam histamina e outras substâncias. Esse mecanismo causa contrações musculares, constrição das vias respiratórias, dificuldade respiratória, dor abdominal, cãimbras, vômitos e diarréia. A histamina leva à dilatação dos vasos sangüíneos (que abaixa a pressão sangüínea) e o vazamento de líquidos da corrente sangüínea para os tecidos (que reduzem o volume de sangue) o que provoca o choque. Ocorrem com freqüência a urticária e o angioedema - este angioedema pode resultar na obstrução das vias respiratórias. Uma anafilaxia prolongada pode causar arritmia cardíaca.
45 Antídoto: Substância ou mistura que neutraliza os efeitos de um veneno. Esta ação pode reagir diretamente com o veneno ou amenizar/reverter a ação biológica causada por ele.

Tem alguma dúvida sobre Ultiva?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.