Preço de Reblozyl em Fairfield/SP:

Reblozyl

BRISTOL-MYERS SQUIBB FARMACÊUTICA LTDA

Atualizado em 04/09/2023

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Reblozyl®
luspatercepte
Injetável 25 mg e 75 mg

FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO:

liofilizado1 para solução injetável para uso subcutâneo2
Frasco-ampola de 25 mg ou 75 mg

USO SUBCUTÂNEO2
USO ADULTO

COMPOSIÇÃO:

Cada frasco-ampola de Reblozyl 25 mg contém:

luspatercepte 25 mg
excipiente q.s.p. 1 frasco-ampola

Excipientes: ácido cítrico monoidratado, citrato de sódio di-hidratado, polissorbato 80, sacarose, ácido clorídrico3, hidróxido de sódio e água para injetáveis.


Cada frasco-ampola de Reblozyl 75 mg contém:

luspatercepte 75 mg
excipiente q.s.p. 1 frasco-ampola

Excipientes: ácido cítrico monoidratado, citrato de sódio di-hidratado, polissorbato 80, sacarose, ácido clorídrico3, hidróxido de sódio e água para injetáveis.

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

PARA QUE ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?

Síndromes Mielodisplásicas (SMD)

Reblozyl é indicado para o tratamento de pacientes adultos com anemia4 dependente de transfusão5 de sangue6 devido a síndromes mielodisplásicas (SMD) (insuficiência7 da medula óssea8 para produção de células9 do sangue6) de risco muito baixo a intermediário que possuem sideroblastos em anel (acúmulo de ferro em uma parte da célula10 chamada mitocôndria11) e que sejam refratários12, intolerantes ou inelegíveis para tratamento com agente estimulante da eritropoiese13 (ESA).

Beta-Talassemia14

Reblozyl é indicado para o tratamento de pacientes adultos que apresentam anemia4 dependente de transfusões de sangue6 associada com beta talassemia14 (problema que afeta a produção das cadeias beta da hemoglobina15).

Limitações de Uso: Reblozyl não é indicado como um substituto das transfusões de sangue6 em pacientes que necessitam de correção imediata da anemia4.

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

Paciente com anemia4 associada à síndromes mielodisplásicas (SMD) e beta-talassemia14 possuem distúrbios relacionados com maturação de glóbulos vermelhos.

Reblozyl é uma proteína que estimula a maturação dos glóbulos vermelhos do sangue6 presentes na medula óssea8, melhorando a sua função.

QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Se você tem alergia16 ao luspatercepte ou a qualquer outro componente de Reblozyl (listados na seção COMPOSIÇÃO).

Converse com seu médico se você não tiver certeza a respeito da alergia16 ao luspatercepte. Este medicamento é contra-indicado para mulheres grávidas.

O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Eventos Tromboembólicos

Em pacientes adultos com beta-talassemia14, foram reportados eventos tromboembólicos (eventos relacionados à formação de trombo17 ou coágulo18) (ETE). Os ETEs reportados incluíam trombose venosa profunda19 (formação, desenvolvimento ou presença de um trombo17 ou coágulo18 no interior de uma veia profunda), embolia20 pulmonar (presença de um coágulo18 em uma artéria21 do pulmão22) e acidente vascular cerebral23 isquêmico24 (derrame25 cerebral – falta de sangue6 em uma parte do cérebro26 pela obstrução de uma artéria21). O potencial benefício do tratamento com Reblozyl deverá ser avaliado pelo seu médico em relação ao potencial risco de eventos tromboembólicos em pacientes com beta-talassemia14 que apresentam uma esplenectomia (procedimento cirúrgico que envolve a remoção parcial ou inteira do baço27) e outros fatores de risco para o desenvolvimento de ETE.

Pressão Arterial28 Aumentada

Em estudos clínicos controlados em pacientes adultos com SMD e beta-talassemia14, os pacientes tratados com Reblozyl apresentaram um aumento médio na pressão arterial28.

Sua pressão arterial28 deve ser monitorada e tratada antes de cada administração do medicamento.

Risco embriofetal

Toxicidade29 embriofetal: Não há dados disponíveis em humanos para informar o risco associado à droga; no entanto, com base nos achados em animais, Reblozyl pode causar dano fetal quando administrado a uma mulher grávida.

Se você está grávida, seu médico deverá te aconselhar sobre o potencial risco para o feto30.

Fertilidade, Gravidez31 e Lactação32

Não há dados sobre os efeitos de luspatercepte sobre a fertilidade humana.

Com base nos achados em animais, a fertilidade feminina pode ser comprometida com luspatercepte.

Não há estudos de Reblozyl em mulheres grávidas. Se estiver em idade fértil, você será aconselhada a utilizar métodos de contracepção33 eficazes durante o tratamento com luspatercepte e por pelo menos 3 meses após a última dose. Se este medicamento for usado durante a gravidez31 ou se você engravidar enquanto estiver em tratamento, seu médico deverá infomar quanto ao potencial risco ao feto30.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica.

O uso seguro de luspatercepte durante a lactação32 não foi estabelecido.

Não se sabe se luspatercepte é excretado no leite humano ou absorvido sistemicamente após a ingestão por um bebê lactente34. Como muitas drogas são excretadas no leite humano e, devido aos efeitos desconhecidos de luspatercepte em bebês35, levando em consideração a importância desta medicação para a mãe, o médico decidirá sobre a descontinuação da lactação32 durante o tratamento com Reblozyl e por mais 3 meses após a dose final ou descontinuar o tratamento com Reblozyl.

Efeitos na habilidade de dirigir e operar máquinas

Não foram realizados estudos sobre os efeitos de luspatercepte sobre a capacidade de dirigir e usar máquinas. Fadiga36, síncope37 e tontura38 foram reportadas com o uso de luspatercepte. Portanto, recomenda-se cautela ao dirigir ou operar máquinas.

Informações importantes sobre um dos componentes do medicamento

Atenção diabéticos: contém AÇÚCAR39.

Interações medicamentosas

O uso concomitante de agentes quelantes de ferro (substâncias capazes de se ligar ao ferro para ajudar a eliminar o excesso de ferro do corpo) não interfere na ação de Reblozyl.

Interações Medicamentosas/Exames Laboratoriais: Nenhuma interação conhecida.

Outras formas de interação: Nenhuma interação conhecida.

Informe ao seu médico se você está fazendo uso de algum outro medicamento.

Não use medicamento sem o conhecimento de seu médico. Pode ser perigoso para sua saúde40.

ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?

Cuidados de conservação

Reblozyl, pó liofilizado1 para solução injetável, deve ser armazenado sob refrigeração entre 2°C e 8°C. Não Congelar.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Após preparo, utilizar o produto imediatamente.

Características físicas e organolépticas do produto

Reblozyl após reconstituição é uma solução incolor a levemente amarelada, transparente à parcialmente opalescente e livre de material particulado.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

Reblozyl deverá ser reconstituído e administrado por um profissional de saúde40.

Posologia

Síndromes Mielodisplásicas e Beta-Talassemia14

A dose inicial recomendada de Reblozyl é 1,0 mg/kg uma vez a cada 3 semanas por injeção subcutânea41 (SC).

Se uma administração planejada de Reblozyl for adiada ou perdida, Reblozyl deve ser administrado o mais rápido possível, com a continuidade conforme prescrita, de pelo menos 3 semanas entre as doses.

Os pacientes devem ter sua hemoglobina15 (Hgb) avaliada e ter resultados disponíveis antes de cada administração. Se ocorreu uma transfusão5 de sangue6 antes da administração, informe o seu médico, pois uma Hgb pré-transfusão5 deve ser considerada para fins de administração.

Se a Hgb pré-dose for maior ou igual a 11,5 g/dL e o nível de Hgb não for influenciado pela transfusão5 recente, seu médico poderá adiar a administração até que a Hgb seja menor ou igual a 11,0 g/dL.

Aumentos da Dose durante o Tratamento

Síndromes mielodisplásicas

Se o paciente ainda necessitar de transfusão5 de sangue6 após pelo menos 2 doses consecutivas na dose inicial de 1,0 mg/kg, a dose de Reblozyl deverá ser aumentada para 1,33 mg/kg.

Se o paciente ainda necessitar de transfusão5 de sangue6 após pelo menos 2 doses consecutivas na dose de 1,33 mg/kg, a dose de Reblozyl deverá ser aumentada para 1,75 mg/kg.

A dose não deverá ser aumentada a uma frequência maior do que a cada 6 semanas (2 doses) ou além da dose máxima de 1,75 mg/kg.

Beta-Talassemia14

Se o paciente não atingir uma redução da carga de transfusão5 de sangue6 após pelo menos 2 doses consecutivas (6 semanas) na dose inicial de 1,0 mg/kg, a dose de Reblozyl deverá ser aumentada para 1,25 mg/kg.

A dose não deverá ser aumentada além da dose máxima de 1,25 mg/kg.

Redução da dose e atraso de dose

Síndromes Mielodisplásicas e Beta-Talassemia14

Em caso de aumento de Hb > 2 g/dl no prazo de 3 semanas de tratamento com luspatercepte em ausência de transfusão5, a dose de Reblozyl deve ser reduzida um nível de dosagem.

Se a Hb é ≥ 11,5 g/dl na ausência de transfusão5 durante pelo menos 3 semanas, a dose deve ser atrasada até que a Hb seja ≤11,0 g/dl. Se existir também um aumento rápido concomitante na Hb (>2 g/dl no prazo de 3 semanas em ausência de transfusão5), deve ser considerada uma redução da dose para um nível mais baixo (mínimo 0,8 mg/kg) após o atraso de dose.

A dose não deve ser reduzida abaixo de 0,8 mg/kg.

As reduções de dose durante o tratamento com Reblozyl são indicadas abaixo.

Tabela 1: Reduções de dose para SMD

Dose atual

Redução de dose

1,75 mg/kg

1,33 mg/kg

1,33 mg/kg

1 mg/kg

1 mg/kg

0,8 mg/kg

Tabela 2: Reduções de dose para Beta-talassemia14

Dose atual

Redução de dose

1,25 mg/kg

1 mg/kg

1 mg/kg

0,8 mg/kg

Se os pacientes experimentarem reações adversas persistentes de grau 3 ou superiores relacionadas com o tratamento, o tratamento deve ser adiado até que a toxicidade29 melhore ou retorne ao nível basal.

Após um atraso de dose, os pacientes devem ser reiniciados com a sua dose anterior ou com uma dose reduzida, de acordo com a orientação de redução de dose.

Recomendações para Continuação e Descontinuação

Reblozyl deve ser descontinuado se o paciente não apresentar benefício clínico após 9 semanas de tratamento (administração de 3 doses) na dose máxima.

Populações especiais

População Pediátrica: Reblozyl não é indicado e não é recomendado para uso em pacientes pediátricos ou adolescentes.

Idosos: Não é recomendado o ajuste da dose inicial em pacientes idosos.

Comprometimento renal42Não é recomendado o ajuste da dose inicial em pacientes que apresentam insuficiência renal43 leve a moderada.
Pacientes que apresentam insuficiência renal43 severa foram não foram estudados.

Comprometimento hepático: Não é necessário o ajuste da dose inicial em pacientes que apresentam bilirrubina44 total > limite superior da normalidade (LSN) e/ou alanina aminotransferase (ALT) ou aspartato aminotransferase (AST) <3 x LSN.

Não pode ser feita recomendação de dose específica para pacientes45 que apresentam lesões46 hepáticas47 mais graves, uma vez que não foram estudados.

Método de administração

Reblozyl deverá ser reconstituído e administrado por um profissional de saúde40.

O profissional de saúde40 irá administrar Reblozyl por injeção subcutânea41 (SC) na parte superior do braço, coxa48 e/ou abdômen e deverá seguir o procedimento de reconstituição presente na Bula do Profissional de Saúde40.

Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.

Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

É importante que você compareça a todas as suas consultas com seu médico para planejar as administrações de Reblozyl. Se você adiar ou perder uma consulta, Reblozyl deve ser administrado o mais rápido possível e sua administração deve ser continuada conforme prescrito, com pelo menos 3 semanas entre as doses.

Interromper o tratamento pode interromper o efeito do medicamento. Não interrompa o tratamento com Reblozyl a menos que você tenha sido orientado pelo seu médico.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico.

QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?

Como todos os medicamentos, Reblozyl pode causar efeitos colaterais49, embora nem todas as pessoas os apresentem. Seu médico irá discutir isso com você e explicar os riscos e benefícios do seu tratamento.

Reação muito comum (ocorre em mais de 10% dos pacientes que utilizam este medicamento). Reação comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento). Reação incomum (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento). Reação rara (ocorre entre 0,01% e 0,1% dos pacientes que utilizam este medicamento). Reação muito rara (ocorre em menos de 0,01% dos pacientes que utilizam este medicamento).

Síndromes mielodisplásicas

Os seguintes efeitos colaterais49 têm sido relatados nos estudos clínicos de Reblozyl em pacientes com SMD.

Reação muito comum (ocorre em mais de 10% dos pacientes que utilizam este medicamento): fadiga36, diarreia50, fraqueza, náuseas51, tontura38, dor nas costas52 , dor de cabeça53 , falta de ar, bronquite, infecção54 de urina55, infecção54 respiratória.

Reação comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento): desmaio, gripe56, hipertensão57, vertigem58 (tontura38), reações no local da injeção59 e hipersensibilidade (alergia16) - incluindo inchaço60 na pálpebra, alergia16 ao luspatercepte, inchaço60 facial, inchaço60 na área ao redor da órbita, alergia16, edema61 de face62, angioedema63 (inchaço60 indolor sob a pele64), inchaço60 labial e erupção65 na pele64.

Fraqueza, fadiga36, tontura38 e dor de cabeça53 ocorreram mais frequentemente durante os 3 primeiros meses de tratamento.

As reações adversas que levaram à descontinuação do medicamento em estudo para pacientes45 com SMD foram fadiga36 e dor de cabeça53.

Beta-Talassemia14

Os seguintes efeitos colaterais49 têm sido relatados nos estudos clínicos Reblozyl em pacientes com beta-talassemia14.

Reação muito comum (ocorre em mais de 10% dos pacientes que utilizam este medicamento): dor de cabeça53, dor nos ossos, dor nas articulações66, tontura38, fadiga36, fraqueza, diarreia50, náuseas51

Reação comum (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento): gripe56, hipertensão57, hiperuricemia (aumento da concentração do ácido úrico no sangue6), desmaio, reações no local da injeção59 (incluindo vermelhidão, coceira e/ou ardência, inchaço60 e erupção65) e alergia16 (incluindo inchaço60 na pálpebra, alergia16 ao luspatercepte, inchaço60 facial, inchaço60 na área ao redor da órbita, alergia16, edema61 de face62, angioedema63 (inchaço60 indolor sob a pele64), inchaço60 labial e erupção65 na pele64).

Dor nos ossos, fraqueza, fadiga36, tontura38 e dor de cabeça53 ocorreram mais frequentemente durante os 3 primeiros meses de tratamento.

As reações adversas que levaram à descontinuação do medicamento em estudo para pacientes45 com beta-talassemia14 foram dor nas articulações66, dor nas costas52, dor nos ossos e dor de cabeça53,

Atenção: este produto é um medicamento novo e, embora as pesquisas tenham indicado eficácia e segurança aceitáveis, mesmo que indicado e utilizado corretamente, podem ocorrer eventos adversos imprevisíveis ou desconhecidos. Nesse caso, informe seu médico.

O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA DESTE MEDICAMENTO?

A superdosagem pode causar níveis de hemoglobina15 acima do nível desejado. No evento de uma superdosagem, o tratamento deverá ser adiado até Hgb ≤ 11 g/dL.

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

DIZERES LEGAIS


USO RESTRITO A HOSPITAIS
VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
 

Reg. MS – 1.0180.0411
Responsável Técnico: Tais Helena Daronco Conti CRF-SP nº 35.315

Fabricado por:
Patheon Italia S.P.A Monza, Itália

Embalado por (Embalagem secundária):
Enestia Belgium N.V.
Hamont-achel, Limburg, Bélgica

Importado por:
Bristol-Myers Squibb Farmacêutica LTDA.
Rua Verbo Divino, 1711 - Chácara Santo Antônio - São Paulo - SP
CNPJ 56.998.982/0001-07


SAC 0800 727 6160

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Liofilizado: Submetido à liofilização, que é a desidratação de substâncias realizada em baixas temperaturas, usada especialmente na conservação de alimentos, em medicamentos, etc.
2 Subcutâneo: Feito ou situado sob a pele. Hipodérmico.
3 Ácido clorídrico: Ácido clorídrico ou ácido muriático é uma solução aquosa, ácida e queimativa, normalmente utilizado como reagente químico. É um dos ácidos que se ioniza completamente em solução aquosa.
4 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
5 Transfusão: Introdução na corrente sangüínea de sangue ou algum de seus componentes. Podem ser transfundidos separadamente glóbulos vermelhos, plaquetas, plasma, fatores de coagulação, etc.
6 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
7 Insuficiência: Incapacidade de um órgão ou sistema para realizar adequadamente suas funções.Manifesta-se de diferentes formas segundo o órgão comprometido. Exemplos: insuficiência renal, hepática, cardíaca, respiratória.
8 Medula Óssea: Tecido mole que preenche as cavidades dos ossos. A medula óssea apresenta-se de dois tipos, amarela e vermelha. A medula amarela é encontrada em cavidades grandes de ossos grandes e consiste em sua grande maioria de células adiposas e umas poucas células sangüíneas primitivas. A medula vermelha é um tecido hematopoiético e é o sítio de produção de eritrócitos e leucócitos granulares. A medula óssea é constituída de um rede, em forma de treliça, de tecido conjuntivo, contendo fibras ramificadas e preenchida por células medulares.
9 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
10 Célula: Unidade funcional básica de todo tecido, capaz de se duplicar (porém algumas células muito especializadas, como os neurônios, não conseguem se duplicar), trocar substâncias com o meio externo à célula, etc. Possui subestruturas (organelas) distintas como núcleo, parede celular, membrana celular, mitocôndrias, etc. que são as responsáveis pela sobrevivência da mesma.
11 Mitocôndria: Organelas semi-autônomas que se auto-reproduzem, encontradas na maioria do citoplasma de todas as células, mas não de todos os eucariotos. Cada mitocôndria é envolvida por uma membrana dupla limitante. A membrana interna é altamente invaginada e suas projeções são denominadas cristas. As mitocôndrias são os locais das reações de fosforilação oxidativa, que resultam na formação de ATP. Elas contêm RIBOSSOMOS característicos, RNA DE TRANSFERÊNCIA, AMINOACIL-T RNA SINTASES e fatores de alongação e terminação. A mitocôndria depende dos genes contidos no núcleo das células no qual se encontram muitos RNAs mensageiros essenciais (RNA MENSAGEIRO). Acredita-se que a mitocôndria tenha se originado a partir de bactérias aeróbicas que estabeleceram uma relação simbiótica com os protoeucariotos primitivos.
12 Refratários: 1. Que resiste à ação física ou química. 2. Que resiste às leis ou a princípios de autoridade. 3. No sentido figurado, que não se ressente de ataques ou ações exteriores; insensível, indiferente, resistente. 4. Imune a certas doenças.
13 Eritropoiese: Formação de hemácias.
14 Talassemia: Anemia mediterrânea ou talassemia. Tipo de anemia hereditária, de transmissão recessiva, causada pela redução ou ausência da síntese da cadeia de hemoglobina, uma proteína situada no interior do glóbulos vermelhos e que tem a função de transportar o oxigênio. É classificada dentro das hemoglobinopatias. Afeta principalmente populações da Itália e da Grécia (e seus descendentes), banhadas pelo Mar Mediterrâneo.
15 Hemoglobina: Proteína encarregada de transportar o oxigênio desde os pulmões até os tecidos do corpo. Encontra-se em altas concentrações nos glóbulos vermelhos.
16 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
17 Trombo: Coágulo aderido à parede interna de uma veia ou artéria. Pode ocasionar a diminuição parcial ou total da luz do mesmo com sintomas de isquemia.
18 Coágulo: 1. Em fisiologia, é uma massa semissólida de sangue ou de linfa. 2. Substância ou produto que promove a coagulação do leite.
19 Trombose Venosa Profunda: Caracteriza-se pela formação de coágulos no interior das veias profundas da perna. O que mais chama a atenção é o edema (inchaço) e a dor, normalmente restritos a uma só perna. O edema pode se localizar apenas na panturrilha e pé ou estar mais exuberante na coxa, indicando que o trombo se localiza nas veias profundas dessa região ou mais acima da virilha. Uma de suas principais conseqüências a curto prazo é a embolia pulmonar, que pode deixar seqüelas ou mesmo levar à morte. Fatores individuais de risco são: varizes de membros inferiores, idade maior que 40 anos, obesidade, trombose prévia, uso de anticoncepcionais, terapia de reposição hormonal, entre outras.
20 Embolia: Impactação de uma substância sólida (trombo, colesterol, vegetação, inóculo bacteriano), líquida ou gasosa (embolia gasosa) em uma região do circuito arterial com a conseqüente obstrução do fluxo e isquemia.
21 Artéria: Vaso sangüíneo de grande calibre que leva sangue oxigenado do coração a todas as partes do corpo.
22 Pulmão: Cada um dos órgãos pareados que ocupam a cavidade torácica que tem como função a oxigenação do sangue.
23 Acidente vascular cerebral: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
24 Isquêmico: Relativo à ou provocado pela isquemia, que é a diminuição ou suspensão da irrigação sanguínea, numa parte do organismo, ocasionada por obstrução arterial ou por vasoconstrição.
25 Derrame: Conhecido popularmente como derrame cerebral, o acidente vascular cerebral (AVC) ou encefálico é uma doença que consiste na interrupção súbita do suprimento de sangue com oxigênio e nutrientes para o cérebro, lesando células nervosas, o que pode resultar em graves conseqüências, como inabilidade para falar ou mover partes do corpo. Há dois tipos de derrame, o isquêmico e o hemorrágico.
26 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
27 Baço:
28 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
29 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
30 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
31 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
32 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
33 Contracepção: Qualquer processo que evite a fertilização do óvulo ou a implantação do ovo. Os métodos de contracepção podem ser classificados de acordo com o seu objetivo em barreiras mecânicas ou químicas, impeditivas de nidação e contracepção hormonal.
34 Bebê Lactente: Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
35 Bebês: Lactentes. Inclui o período neonatal e se estende até 1 ano de idade (12 meses).
36 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
37 Síncope: Perda breve e repentina da consciência, geralmente com rápida recuperação. Comum em pessoas idosas. Suas causas são múltiplas: doença cerebrovascular, convulsões, arritmias, doença cardíaca, embolia pulmonar, hipertensão pulmonar, hipoglicemia, intoxicações, hipotensão postural, síncope situacional ou vasopressora, infecções, causas psicogênicas e desconhecidas.
38 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
39 Açúcar: 1. Classe de carboidratos com sabor adocicado, incluindo glicose, frutose e sacarose. 2. Termo usado para se referir à glicemia sangüínea.
40 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
41 Injeção subcutânea: Injetar fluido no tecido localizado abaixo da pele, o tecido celular subcutâneo, com uma agulha e seringa.
42 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
43 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
44 Bilirrubina: Pigmento amarelo que é produto da degradação da hemoglobina. Quando aumenta no sangue, acima de seus valores normais, pode produzir uma coloração amarelada da pele e mucosas, denominada icterícia. Pode estar aumentado no sangue devido a aumento da produção do mesmo (excesso de degradação de hemoglobina) ou por dificuldade de escoamento normal (por exemplo, cálculos biliares, hepatite).
45 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
46 Lesões: 1. Ato ou efeito de lesar (-se). 2. Em medicina, ferimento ou traumatismo. 3. Em patologia, qualquer alteração patológica ou traumática de um tecido, especialmente quando acarreta perda de função de uma parte do corpo. Ou também, um dos pontos de manifestação de uma doença sistêmica. 4. Em termos jurídicos, prejuízo sofrido por uma das partes contratantes que dá mais do que recebe, em virtude de erros de apreciação ou devido a elementos circunstanciais. Ou também, em direito penal, ofensa, dano à integridade física de alguém.
47 Hepáticas: Relativas a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
48 Coxa: É a região situada abaixo da virilha e acima do joelho, onde está localizado o maior osso do corpo humano, o fêmur.
49 Efeitos colaterais: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.
50 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
51 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
52 Costas:
53 Cabeça:
54 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
55 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
56 Gripe: Doença viral adquirida através do contágio interpessoal que se caracteriza por faringite, febre, dores musculares generalizadas, náuseas, etc. Sua duração é de aproximadamente cinco a sete dias e tem uma maior incidência nos meses frios. Em geral desaparece naturalmente sem tratamento, apenas com medidas de controle geral (repouso relativo, ingestão de líquidos, etc.). Os antibióticos não funcionam na gripe e não devem ser utilizados de rotina.
57 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
58 Vertigem: Alucinação de movimento. Pode ser devido à doença do sistema de equilíbrio, reação a drogas, etc.
59 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
60 Inchaço: Inchação, edema.
61 Edema: 1. Inchaço causado pelo excesso de fluidos no organismo. 2. Acúmulo anormal de líquido nos tecidos do organismo, especialmente no tecido conjuntivo.
62 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
63 Angioedema: Caracteriza-se por áreas circunscritas de edema indolor e não-pruriginoso decorrente de aumento da permeabilidade vascular. Os locais mais acometidos são a cabeça e o pescoço, incluindo os lábios, assoalho da boca, língua e laringe, mas o edema pode acometer qualquer parte do corpo. Nos casos mais avançados, o angioedema pode causar obstrução das vias aéreas. A complicação mais grave é o inchaço na garganta (edema de glote).
64 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
65 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
66 Articulações:

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.