Preço de Ocitocina em Houston/SP: R$ 0,00

Ocitocina

BLAU FARMACÊUTICA S.A.

Atualizado em 03/09/2019

IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

ocitocina1
Solução Injetável

Medicamento Genérico Lei nº 9.787, de 1999

APRESENTAÇÕES

Solução Injetável
Embalagem contendo 1, 5, 50 ou 100 ampolas de 1 mL 

VIA DE ADMINISTRAÇÃO: INTRAVENOSA OU INTRAMUSCULAR
USO ADULTO

COMPOSIÇÃO

Cada mL da solução injetável contém:

ocitocina1 5 U.I.
excipiente q.s.p. 1 mL

Excipientes: acetato de sódio, álcool etílico, clorobutanol, ácido acético e água para injetáveis.

INFORMAÇÕES AO PACIENTE

PARA QUE ESTE MEDICAMENTO É INDICADO?

Antes do parto (anteparto)

  • Provocar (induzir) ou aumentar as contrações do útero2 (trabalho de parto);
  • Corrigir contrações lentas (inércia uterina) durante o trabalho de parto;
  • Tratar o abortamento3 espontâneo incompleto, inevitável ou retido.

Após o parto (pós-parto)

  • Ajudar nas contrações do útero2 durante a cesariana, depois da retirada da criança;
  • Prevenir e tratar sangramento caso não haja contração forte o suficiente do útero2 depois da retirada da criança.

Em caso de dúvidas sobre a ação da ocitocina1 ou sobre o motivo de este medicamento ter sido prescrito a você, consulte o seu médico.

COMO ESTE MEDICAMENTO FUNCIONA?

Ocitocina1 5 U.I./mL solução para injeção4 contém uma substância ativa denominada ocitocina1.

A ocitocina1 pertence a um grupo de medicamentos denominados ocitócicos, que estimulam a contração do útero2. É idêntico à ocitocina1, um hormônio5 natural liberado pela glândula6 hipófise7.

A ocitocina1 age no estímulo das contrações rítmicas do útero2 durante o parto e após o parto.

QUANDO NÃO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

A ocitocina1 não deve ser usada:

  • Se você apresenta alergia8 (hipersensibilidade) à ocitocina1 ou a qualquer um dos componentes da formulação (vide item Composição);
  • Se o seu médico achar que a indução ou o aumento das contrações seria inadequado para você. Por exemplo:
    • Se você já apresentou contrações fortes incomuns (hipertônicas);
    • Se o seu bebê estiver com falta de oxigênio (sofrimento fetal) e o parto não for iminente;
    • Se o seu médico não aconselhar o parto normal e/ou parto vaginal;
  • Caso haja motivos por parte da mãe ou do feto9 para o parto por cesariana. Por exemplo:
    • Se a cabeça10 do seu bebê for muito grande para passar pela sua pélvis (desproporção céfalo-pélvica11);
    • Se o seu bebê estiver posicionado de forma incorreta no canal do nascimento (má apresentação);
    • Se a placenta estiver posicionada próxima ou sobre o colo12 do seu útero2 (placenta prévia);
    • Se o seu bebê estiver sem oxigênio em decorrência de vasos sanguíneos13 que estão atravessando o seu colo uterino14 (vasa prévia);
    • Se a placenta se separar do útero2 antes do nascimento do bebê (abrupção);
    • Se houver uma ou mais voltas do cordão umbilical15 entre o bebê e o colo uterino14, antes da ruptura da sua bolsa de água (apresentação do cordão umbilical15) ou após isso (prolapso16 do cordão umbilical15);
    • Se o seu útero2 estiver distendido e mais propenso a se romper (ruptura), por exemplo, se você estiver esperando mais de um bebê (gestação múltipla) ou houver água em demasia (líquido amniótico17) no seu útero2 (poli hidrâmnios18);
    • Se você teve cinco ou mais gestações anteriores (grande multiparidade) ou se houver cicatriz19 no seu útero2 em decorrência de cesariana anterior ou outra cirurgia;
    • Se você estiver fazendo uso de medicamentos denominados prostaglandinas20 (usados para provocar [induzir] o trabalho de parto ou para tratar úlceras21 estomacais). A ocitocina1 não deve ser administrada por 6 horas após o uso de prostaglandinas20 vaginais, uma vez que os efeitos dos dois medicamentos podem ser aumentados.

Se qualquer um desses se aplicar a você, você não deve receber ocitocina1 e deve consultar o seu médico.

Caso você acredite ser alérgica, peça a orientação do seu médico.

O QUE DEVO SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Siga atentamente todas as instruções do médico. Elas podem ser diferentes das informações gerais contidas nesta bula.

É importante informar o seu médico caso você apresente outros problemas médicos ou esteja utilizando outros medicamentos.

Tenha cuidado especial com ocitocina1

A ocitocina1 deve ser administrada por um profissional de saúde22 em ambiente hospitalar, onde um profissional de

saúde22 qualificado possa monitorar suas contrações e lidar com situações de emergência23 de maneira adequada.

A ocitocina1 não deve ser usada por períodos prolongados

  • Caso não haja o aumento de suas contrações (inércia uterina resistente à ocitocina1);
  • Caso você apresente pressão arterial24 alta, proteína na urina25 e inchaço26 (pré-eclâmptica);
  • Caso você apresente problemas cardíacos e/ou circulatórios graves (doença cardiovascular grave).

A ocitocina1 deve ser usada com cautela

  • Caso você apresente propensão à dor torácica (angina27, causada por fluxo sanguíneo insuficiente para o coração28) em decorrência de problemas cardíacos e/ou circulatórios pré-existentes (doença cardiovascular);
  • Caso você apresente batimentos cardíacos irregulares (síndrome29 do QT longo) ou sintomas30 relacionados, ou esteja recebendo medicamentos conhecidos por causar a síndrome29;
  • Se você recebeu uma injeção4 intravenosa rápida (em bolo), isso pode causar redução da pressão arterial24 (hipotensão31), uma sensação súbita breve de calor (rubor), geralmente por todo o corpo, e um aumento na frequência cardíaca (taquicardia32 reflexa).

Quando a ocitocina1 é administrada para induzir e intensificar o trabalho de parto:

  • Deve ser administrada somente por infusão intravenosa;
  • A taxa de infusão deve ser definida para manter o padrão de contração semelhante ao trabalho de parto normal e ajustada para resposta individual. Doses excessivas podem causar contrações contínuas muito fortes (tetânicas) e possível rompimento (ruptura) do útero2 com complicações sérias para o seu bebê (sofrimento ou morte) e para você.

Tenha cuidado especial com a ocitocina1

  • Se você tiver sido alertada por um médico ou uma parteira de que o parto normal pode ser difícil em razão da cabeça10 do seu bebê ser muito grande para passar pela sua pélvis (desproporção céfalo-pélvica11);
  • Se o seu útero2 começar a apresentar contrações menos fortes durante o trabalho de parto (inércia uterina secundária);
  • Se você apresentar pressão arterial24 elevada induzida pela gravidez33 leve ou moderada ou problemas cardíacos e/ou circulatórios (doença cardiovascular);
  • Se você tem mais de 35 anos de idade;
  • Se você já realizou cesariana com uma incisão34 logo acima do limite da bexiga35 (cesariana do segmento inferior);
  • Se você apresenta problemas renais (A ocitocina1 pode causar retenção de água).

Se qualquer uma dessas condições se aplicar a você, informe ao seu médico o mais rápido possível.

  • A ocitocina1 pode raramente causar coagulação36 sanguínea anormal, sangramento e anemia37 (coagulação36 intravascular38 disseminada);
  • A ocitocina1 em altas doses pode forçar a água no seu útero2 (líquido amniótico17) para a sua circulação39 sanguínea (embolia40 por líquido amniótico17) durante o trabalho de parto e/ou o momento de dar à luz;
  • A ocitocina1 em altas doses por um período prolongado durante a ingestão ou o recebimento de grandes volumes de líquidos pode causar:
    • Plenitude abdominal e dificuldades respiratórias graves (edema pulmonar41 agudo42);
    • Um nível baixo de sal (sódio) no sangue43 (hiponatremia44).

Monitoramento do tratamento com ocitocina1

Durante a infusão de ocitocina1, você e seu bebê serão monitorados atentamente para evitar complicações, de forma que a dose possa ser ajustada para a resposta individual.

Idosos (65 anos ou mais)

  • Não há informações sobre o uso em pacientes idosos. A ocitocina1 não se destina ao uso em idosos.

Crianças e adolescentes (de 2 anos a 17 anos)

  • Não há informações sobre o uso em crianças (2-11 anos). A ocitocina1 não se destina ao uso em crianças;
  • Não há informações sobre o uso em adolescentes (12-17 anos). A ocitocina1 não se destina ao uso em adolescentes.

Gestação e amamentação45

Gravidez33

Com base na ampla experiência com o medicamento, sua estrutura química e propriedades farmacológicas, não se espera que a ocitocina1 apresente risco ao bebê quando usada conforme indicado. Ela deve ser usada somente para iniciar o trabalho de parto sob supervisão médica.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Amamentação45

A ocitocina1 pode ser encontrada em pequenas quantidades no leite materno, porém não se espera que apresente efeitos prejudiciais, uma vez que perde rapidamente sua ação quando absorvido pelo sistema digestivo46 do seu bebê. Isso explica o motivo pelo qual a ocitocina1 é segura para o seu bebê recém-nascido.

Dirigir e operar máquinas

A ocitocina1 pode induzir contrações. Portanto, deve-se ter cautela ao dirigir ou operar máquinas. Mulheres com contrações não devem dirigir ou operar máquinas.

Uso de outros medicamentos

Informe ao seu médico ou profissional de saúde22 sobre outros medicamentos que você esteja utilizando ou tenha utilizado recentemente, incluindo medicamentos de venda sem prescrição médica. É especialmente importante que seu médico seja informado se você estiver recebendo qualquer um dos seguintes medicamentos:

  • Medicamentos anestésicos para alívio da dor local ou regional, especialmente anestesia47 peridural48 (injeção4 de anestésico em local abaixo da extremidade da cauda da medula espinhal49 e ao redor das raízes nervosas50 da coluna vertebral51) para alívio da dor durante o parto: A ocitocina1 pode aumentar o efeito de estreitamento dos vasos sanguíneos13 desses medicamentos (vasoconstrição52) e causar uma elevação na pressão arterial24;
  • Medicamentos chamados prostaglandinas20 (usados para provocar [induzir] o trabalho de parto ou tratar úlceras21 estomacais) e medicamentos similares: A ocitocina1 pode aumentar o efeito contrátil desses medicamentos sobre o seu útero2;
  • Medicamentos que podem causar batimentos cardíacos irregulares (intervalo QT prolongado): A ocitocina1 pode aumentar esse efeito;
  • Anestésicos gasosos ou líquidos em forma de vapor para anestesia47 geral quando inalados (como halotano, ciclopropano, sevoflurano ou desflurano) podem reduzir os efeitos contráteis da ocitocina1 sobre o seu útero2.

Informe ao seu médico ou cirurgião-dentista se você está fazendo uso de algum outro medicamento. Não use este medicamento sem o conhecimento do seu médico. Pode ser perigoso para a sua saúde22.

ONDE, COMO E POR QUANTO TEMPO POSSO GUARDAR ESTE MEDICAMENTO?

Cuidados de conservação

O produto deve ser conservado sob refrigeração em temperatura entre 2ºC e 8°C.

Prazo de validade: 24 meses a partir da data de fabricação.

Número de lote e datas de fabricação e validade: vide embalagem.

Não use medicamento com o prazo de validade vencido. Guarde-o em sua embalagem original.

Características do medicamento

Solução injetável límpida, incolor a levemente amarelada.

Antes de usar, observe o aspecto do medicamento. Caso ele esteja no prazo de validade e você observe alguma mudança no aspecto, consulte o farmacêutico para saber se poderá utilizá-lo.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

COMO DEVO USAR ESTE MEDICAMENTO?

A ocitocina1 deve ser administrada como infusão ou injeção4 venosa. Deve ser administrada em ambiente hospitalar, onde um profissional de saúde22 qualificado possa monitorar suas contrações. Vide também O que devo saber antes de usar este medicamento?.

Como usar a ocitocina1

A ocitocina1 é normalmente diluída antes do uso e administrada na forma de infusão intravenosa (em gotas) ou por injeção4 por um profissional de saúde22.

Após preparo, utilizar o medicamento imediatamente. Em que quantidade usar a ocitocina1

O seu médico ou profissional de saúde22 decidirá em que quantidade deve-se usar a ocitocina1.

Quando usar a ocitocina1

Seu médico decidirá quando usar a ocitocina1. Você deve consultar o seu médico ou profissional de saúde22 para mais informações. Se você sentir que o efeito da ocitocina1 é muito forte ou muito fraco, converse com o seu médico ou profissional de saúde22.

Por quanto tempo usar a ocitocina1.

O seu médico decidirá por quanto tempo você deve usar a ocitocina1. Caso você não tenha certeza, pergunte ao seu médico ou profissional de saúde22.

Se você interromper o uso da ocitocina1

O seu médico decidirá quando você deve interromper o tratamento com ocitocina1. Caso você não tenha certeza, pergunte ao seu médico ou profissional de saúde22.

Incompatibilidade

Na ausência de estudos de incompatibilidade, a ocitocina1 não deve ser misturada com outros medicamentos.

Siga a orientação de seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento. Não interrompa o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

O QUE DEVO FAZER QUANDO EU ME ESQUECER DE USAR ESTE MEDICAMENTO?

Como você somente receberá esse medicamento pelo seu médico ou profissional de saúde22, é improvável que você omita uma dose.

Caso você tenha qualquer outra dúvida sobre o uso desse produto, pergunte ao seu médico ou profissional de saúde22.

Em caso de dúvidas, procure orientação do farmacêutico ou de seu médico, ou cirurgião-dentista.

QUAIS OS MALES QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR?

Assim como acontece com todos os medicamentos, podem ocorrer reações adversas com ocitocina1, embora nem todas as pessoas apresentem esses efeitos.

O seu médico pode considerar necessário tratar as reações adversas da ocitocina1 com outros medicamentos.

Algumas reações adversas podem ser sérias

Algumas reações adversas são raras (ocorre entre 0,01% e 0,1% dos pacientes que utilizam este medicamento)

  • Reação alérgica53 grave (anafiláticas/anafilactoide54) associada à falta de ar (dispneia55), pressão arterial24 baixa (hipotensão31) ou pressão arterial24 perigosamente baixa (choque56).

A proporção de pacientes que podem ser afetados pelas seguintes reações adversas sérias é desconhecida

Efeitos na mãe

  • Dor torácica decorrente do fluxo sanguíneo insuficiente para o coração28 (angina27);
  • Batimentos cardíacos irregulares (intervalo QTc longo);
  • Contrações excessivas (hipertonicidade);
  • Contrações contínuas (tetania57);
  • Rompimento do útero2 (ruptura uterina);
  • Retenção de líquidos (intoxicação por água);
  • Baixo nível de sódio (sal) no sangue43 (hiponatremia44);
  • Sobrecarga aguda de líquidos nos pulmões58 (edema pulmonar41 agudo42);
  • Sensação súbita breve de calor, geralmente por todo o corpo (rubor);
  • Coagulação36 anormal, sangramento e anemia37 (coagulação36 intravascular38 disseminada);
  • Inchaço26 da face59, lábios, língua60, garganta61 e/ou extremidades (possíveis sinais62 de angioedema63). Caso você apresente qualquer um desses efeitos, informe ao seu médico imediatamente.

Efeitos no bebê – Contrações excessivas podem causar:

  • Baixo nível de sódio (sal) no sangue43 (hiponatremia44 neonatal);
  • Privação de oxigênio (sofrimento fetal);
  • Sufocamento por muito pouco oxigênio e/ou dióxido de carbono em excesso (asfixia64);
  • Morte.

Se qualquer um desses efeitos for grave, informe ao seu médico imediatamente.

Algumas reações adversas são comuns (ocorre entre 1% e 10% dos pacientes que utilizam este medicamento)

  • Dor de cabeça10;
  • Batimentos cardíacos acelerados (taquicardia32);
  • Batimentos cardíacos lentos (bradicardia65);
  • Náusea66;
  • Vômito67.

Se qualquer um desses efeitos o afetar de forma grave, informe ao seu médico.

Algumas reações adversas são incomuns (ocorre entre 0,1% e 1% dos pacientes que utilizam este medicamento)

  • Batimentos cardíacos irregulares (arritmia68).

Se qualquer um desses efeitos o afetar de forma grave, informe ao seu médico.

Algumas reações adversas são raras (ocorre entre 0,01% e 0,1% dos pacientes que utilizam este medicamento)

  • Erupção69 cutânea70.

Se qualquer um desses efeitos o afetar de forma grave, informe ao seu médico.

Se você notar qualquer outro efeito colateral71 não mencionado nesta bula, informe ao seu médico ou farmacêutico.

Informe ao seu médico, cirurgião-dentista ou farmacêutico o aparecimento de reações indesejáveis pelo uso do medicamento. Informe também à empresa através do seu serviço de atendimento.

O QUE FAZER SE ALGUÉM USAR UMA QUANTIDADE MAIOR DO QUE A INDICADA DESTE MEDICAMENTO?

Se você recebeu mais ocitocina1 do que deveria

Como este medicamento é administrado a você em um hospital, é muito improvável que você receba uma superdose. Porém, se acontecer, trata-se de uma emergência23 que pode ser tratada imediatamente em ambiente hospitalar.

Qualquer pessoa que acidentalmente receber esse medicamento deve comparecer à unidade de acidentes ou de emergência23 de um hospital ou consultar um médico imediatamente, se possível com o medicamento restante ou a embalagem vazia.

Contrações excessivas causadas por uma superdose de ocitocina1 podem resultar em consequências mencionadas no

item “4. O que devo saber antes de usar este medicamento?” e no item “8. Quais os males que este medicamento pode me causar?”:

  • A placenta pode se separar muito cedo do útero2 (abrupção);
  • Certa quantidade da água que envolve o seu bebê (líquido amniótico17) pode entrar na sua circulação39 (embolia40 por líquido amniótico17);
  • Pode haver sofrimento, sufocamento ou morte do seu bebê;
  • Seu útero2 pode rasgar ou se romper (ruptura).

Em caso de uso de grande quantidade deste medicamento, procure rapidamente socorro médico e leve a embalagem ou bula do medicamento, se possível. Ligue para 0800 722 6001, se você precisar de mais orientações.

DIZERES LEGAIS


VENDA SOB PRESCRIÇÃO MÉDICA
USO RESTRITO A HOSPITAIS 
Este medicamento é de venda sob prescrição médica e sua administração somente deve ser realizada em condições hospitalares e com supervisão médica qualificada.
 

Reg. MS nº 1.1637.0072
Farm. Resp.: Eliza Yukie Saito - CRF-SP n° 10.878

Registrado por:
Blau Farmacêutica S.A.
CNPJ 58.430.828/0001-60
Rodovia Raposo Tavares 30,5 km n° 2833 – Prédio 100
CEP 06705-030 – Cotia – SP
Indústria Brasileira

Fabricado por:
Blau Farmacêutica S.A.
CNPJ 58.430.828/0005-93
Rodovia Raposo Tavares Km 30,5 nº 2833 – Prédio 200
CEP 06705-030 – Cotia – SP
Indústria Brasileira


SAC 0800 701 6399

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Ocitocina: Hormônio produzido pelo hipotálamo e armazenado na hipófise posterior (neuro-hipófise). Tem a função de promover as contrações uterinas durante o parto e a ejeção do leite durante a amamentação.
2 Útero: Orgão muscular oco (de paredes espessas), na pelve feminina. Constituído pelo fundo (corpo), local de IMPLANTAÇÃO DO EMBRIÃO e DESENVOLVIMENTO FETAL. Além do istmo (na extremidade perineal do fundo), encontra-se o COLO DO ÚTERO (pescoço), que se abre para a VAGINA. Além dos istmos (na extremidade abdominal superior do fundo), encontram-se as TUBAS UTERINAS.
3 Abortamento: Interrupção precoce da gravidez, espontânea ou induzida, seguida pela expulsão do produto gestacional pelo canal vaginal (Aborto). Pode ser precedido por perdas sangüíneas através da vagina.
4 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
5 Hormônio: Substância química produzida por uma parte do corpo e liberada no sangue para desencadear ou regular funções particulares do organismo. Por exemplo, a insulina é um hormônio produzido pelo pâncreas que diz a outras células quando usar a glicose para energia. Hormônios sintéticos, usados como medicamentos, podem ser semelhantes ou diferentes daqueles produzidos pelo organismo.
6 Glândula: Estrutura do organismo especializada na produção de substâncias que podem ser lançadas na corrente sangüínea (glândulas endócrinas) ou em uma superfície mucosa ou cutânea (glândulas exócrinas). A saliva, o suor, o muco, são exemplos de produtos de glândulas exócrinas. Os hormônios da tireóide, a insulina e os estrógenos são de secreção endócrina.
7 Hipófise:
8 Alergia: Reação inflamatória anormal, perante substâncias (alérgenos) que habitualmente não deveriam produzi-la. Entre estas substâncias encontram-se poeiras ambientais, medicamentos, alimentos etc.
9 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
10 Cabeça:
11 Pélvica: Relativo a ou próprio de pelve. A pelve é a cavidade no extremo inferior do tronco, formada pelos dois ossos do quadril (ilíacos), sacro e cóccix; bacia. Ou também é qualquer cavidade em forma de bacia ou taça (por exemplo, a pelve renal).
12 Colo: O segmento do INTESTINO GROSSO entre o CECO e o RETO. Inclui o COLO ASCENDENTE; o COLO TRANSVERSO; o COLO DESCENDENTE e o COLO SIGMÓIDE.
13 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
14 Colo Uterino: Porção compreendendo o pescoço do ÚTERO (entre o ístmo inferior e a VAGINA), que forma o canal cervical.
15 Cordão Umbilical: Estrutura flexível semelhante a corda, que conecta um FETO em desenvolvimento à PLACENTA, em mamíferos. O cordão contém vasos sanguíneos que transportam oxigênio e nutrientes da mãe ao feto e resíduos para longe do feto.
16 Prolapso: Deslocamento de um órgão ou parte dele de sua localização ou aspecto normal. P.ex. prolapso da válvula mitral, prolapso uterino, etc.
17 Líquido amniótico: Fluido viscoso, incolor ou levemente esbranquiçado, que preenche a bolsa amniótica e envolve o embrião durante toda a gestação, protegendo-o contra infecções e choques mecânicos e térmicos.
18 Hidrâmnios: Também conhecido como polihidrâmnios é o nome técnico para o excesso de líquido amniótico no útero durante a gestação.
19 Cicatriz: Formação de um novo tecido durante o processo de cicatrização de um ferimento.
20 Prostaglandinas: É qualquer uma das várias moléculas estruturalmente relacionadas, lipossolúveis, derivadas do ácido araquidônico. Ela tem função reguladora de diversas vias metabólicas.
21 Úlceras: Feridas superficiais em tecido cutâneo ou mucoso que podem ocorrer em diversas partes do organismo. Uma afta é, por exemplo, uma úlcera na boca. A úlcera péptica ocorre no estômago ou no duodeno (mais freqüente). Pessoas que sofrem de estresse são mais susceptíveis a úlcera.
22 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
23 Emergência: 1. Ato ou efeito de emergir. 2. Situação grave, perigosa, momento crítico ou fortuito. 3. Setor de uma instituição hospitalar onde são atendidos pacientes que requerem tratamento imediato; pronto-socorro. 4. Eclosão. 5. Qualquer excrescência especializada ou parcial em um ramo ou outro órgão, formada por tecido epidérmico (ou da camada cortical) e um ou mais estratos de tecido subepidérmico, e que pode originar nectários, acúleos, etc. ou não se desenvolver em um órgão definido.
24 Pressão arterial: A relação que define a pressão arterial é o produto do fluxo sanguíneo pela resistência. Considerando-se a circulação como um todo, o fluxo total é denominado débito cardíaco, enquanto a resistência é denominada de resistência vascular periférica total.
25 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
26 Inchaço: Inchação, edema.
27 Angina: Inflamação dos elementos linfáticos da garganta (amígdalas, úvula). Também é um termo utilizado para se referir à sensação opressiva que decorre da isquemia (falta de oxigênio) do músculo cardíaco (angina do peito).
28 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
29 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
30 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
31 Hipotensão: Pressão sanguínea baixa ou queda repentina na pressão sanguínea. A hipotensão pode ocorrer quando uma pessoa muda rapidamente de uma posição sentada ou deitada para a posição de pé, causando vertigem ou desmaio.
32 Taquicardia: Aumento da frequência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações.
33 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
34 Incisão: 1. Corte ou golpe com instrumento cortante; talho. 2. Em cirurgia, intervenção cirúrgica em um tecido efetuada com instrumento cortante (bisturi ou bisturi elétrico); incisura.
35 Bexiga: Órgão cavitário, situado na cavidade pélvica, no qual é armazenada a urina, que é produzida pelos rins. É uma víscera oca caracterizada por sua distensibilidade. Tem a forma de pêra quando está vazia e a forma de bola quando está cheia.
36 Coagulação: Ato ou efeito de coagular(-se), passando do estado líquido ao sólido.
37 Anemia: Condição na qual o número de células vermelhas do sangue está abaixo do considerado normal para a idade, resultando em menor oxigenação para as células do organismo.
38 Intravascular: Relativo ao interior dos vasos sanguíneos e linfáticos, ou que ali se situa ou ocorre.
39 Circulação: 1. Ato ou efeito de circular. 2. Facilidade de se mover usando as vias de comunicação; giro, curso, trânsito. 3. Movimento do sangue, fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos do corpo e do coração.
40 Embolia: Impactação de uma substância sólida (trombo, colesterol, vegetação, inóculo bacteriano), líquida ou gasosa (embolia gasosa) em uma região do circuito arterial com a conseqüente obstrução do fluxo e isquemia.
41 Edema pulmonar: Acúmulo anormal de líquidos nos pulmões. Pode levar a dificuldades nas trocas gasosas e dificuldade respiratória.
42 Agudo: Descreve algo que acontece repentinamente e por curto período de tempo. O oposto de crônico.
43 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
44 Hiponatremia: Concentração de sódio sérico abaixo do limite inferior da normalidade; na maioria dos laboratórios, isto significa [Na+] < 135 meq/L, mas o ponto de corte [Na+] < 136 meq/L também é muito utilizado.
45 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
46 Sistema digestivo: O sistema digestivo ou digestório realiza a digestão, processo que transforma os alimentos em substâncias passíveis de serem absorvidas pelo organismo. Os materiais não absorvidos são eliminados por este sistema. Ele é composto pelo tubo digestivo e por glândulas anexas.
47 Anestesia: Diminuição parcial ou total da sensibilidade dolorosa. Pode ser induzida por diferentes medicamentos ou ser parte de uma doença neurológica.
48 Peridural: Mesmo que epidural. Localizado entre a dura-máter e a vértebra (diz-se do espaço do canal raquidiano). Na anatomia geral e na anestesiologia, é o que se localiza ou que se faz em torno da dura-máter.
49 Medula Espinhal:
50 Raízes nervosas:
51 Coluna vertebral:
52 Vasoconstrição: Diminuição do diâmetro dos vasos sanguíneos.
53 Reação alérgica: Sensibilidade a uma substância específica, chamada de alérgeno, com a qual se entra em contato por meio da pele, pulmões, deglutição ou injeções.
54 Anafilactoide: Diz-se de reação semelhante à da anafilaxia, porém sem participação de imunoglobulinas.
55 Dispnéia: Falta de ar ou dificuldade para respirar caracterizada por respiração rápida e curta, geralmente está associada a alguma doença cardíaca ou pulmonar.
56 Choque: 1. Estado de insuficiência circulatória a nível celular, produzido por hemorragias graves, sepse, reações alérgicas graves, etc. Pode ocasionar lesão celular irreversível se a hipóxia persistir por tempo suficiente. 2. Encontro violento, com impacto ou abalo brusco, entre dois corpos. Colisão ou concussão. 3. Perturbação brusca no equilíbrio mental ou emocional. Abalo psíquico devido a uma causa externa.
57 Tetania: Espasmos e contraturas dos músculos das mãos e pés, e menos freqüentemente dos músculos da face, da laringe (cordas vocais) e da coluna vertebral. Inicialmente, são indolores; mas tendem a tornar-se cada vez mais dolorosos. É um sintoma de alterações bioquímicas do corpo humano e não deve ser confundida com o tétano, que é uma infecção. A causa mais comum é a hipocalcemia (nível baixo de cálcio no sangue). Outras causas incluem hipocalemia (nível baixo de potássio no sangue), hiperpnéia (frequência respiratória anormalmente profunda e rápida, levando a baixos níveis de dióxido de carbono), ou mais raramente de hipoparatiroidismo (atividade diminuída das glândulas paratiróides). Recentemente, considera-se que a hipomagnesemia (nível baixo de magnésio no sangue) é também um dos fatores causais desta situação clínica.
58 Pulmões: Órgãos do sistema respiratório situados na cavidade torácica e responsáveis pelas trocas gasosas entre o ambiente e o sangue. São em número de dois, possuem forma piramidal, têm consistência esponjosa e medem cerca de 25 cm de comprimento. Os pulmões humanos são divididos em segmentos denominados lobos. O pulmão esquerdo possui dois lobos e o direito possui três. Os pulmões são compostos de brônquios que se dividem em bronquíolos e alvéolos pulmonares. Nos alvéolos se dão as trocas gasosas ou hematose pulmonar entre o meio ambiente e o corpo, com a entrada de oxigênio na hemoglobina do sangue (formando a oxiemoglobina) e saída do gás carbônico ou dióxido de carbono (que vem da célula como carboemoglobina) dos capilares para o alvéolo.
59 Face: Parte anterior da cabeça que inclui a pele, os músculos e as estruturas da fronte, olhos, nariz, boca, bochechas e mandíbula.
60 Língua:
61 Garganta: Tubo fibromuscular em forma de funil, que leva os alimentos ao ESÔFAGO e o ar à LARINGE e PULMÕES. Situa-se posteriormente à CAVIDADE NASAL, à CAVIDADE ORAL e à LARINGE, extendendo-se da BASE DO CRÂNIO à borda inferior da CARTILAGEM CRICÓIDE (anteriormente) e à borda inferior da vértebra C6 (posteriormente). É dividida em NASOFARINGE, OROFARINGE e HIPOFARINGE (laringofaringe).
62 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
63 Angioedema: Caracteriza-se por áreas circunscritas de edema indolor e não-pruriginoso decorrente de aumento da permeabilidade vascular. Os locais mais acometidos são a cabeça e o pescoço, incluindo os lábios, assoalho da boca, língua e laringe, mas o edema pode acometer qualquer parte do corpo. Nos casos mais avançados, o angioedema pode causar obstrução das vias aéreas. A complicação mais grave é o inchaço na garganta (edema de glote).
64 Asfixia: 1. Dificuldade ou impossibilidade de respirar, que pode levar à anóxia. Ela pode ser causada por estrangulamento, afogamento, inalação de gases tóxicos, obstruções mecânicas ou infecciosas das vias aéreas superiores, etc. 2. No sentido figurado, significa sujeição à tirania; opressão e/ou cobrança de posições morais ou sociais que dão origem à privação de certas liberdades.
65 Bradicardia: Diminuição da freqüência cardíaca a menos de 60 batimentos por minuto. Pode estar associada a distúrbios da condução cardíaca, ao efeito de alguns medicamentos ou a causas fisiológicas (bradicardia do desportista).
66 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
67 Vômito: É a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Pode ser classificado como: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
68 Arritmia: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
69 Erupção: 1. Ato, processo ou efeito de irromper. 2. Aumento rápido do brilho de uma estrela ou de pequena região da atmosfera solar. 3. Aparecimento de lesões de natureza inflamatória ou infecciosa, geralmente múltiplas, na pele e mucosas, provocadas por vírus, bactérias, intoxicações, etc. 4. Emissão de materiais magmáticos por um vulcão (lava, cinzas etc.).
70 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
71 Efeito colateral: 1. Ação não esperada de um medicamento. Ou seja, significa a ação sobre alguma parte do organismo diferente daquela que precisa ser tratada pelo medicamento. 2. Possível reação que pode ocorrer durante o uso do medicamento, podendo ser benéfica ou maléfica.

Tem alguma dúvida sobre Ocitocina?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.