Preço de TARGOCID em Fairfield/SP: R$ 415,82

TARGOCID

Sanofi Aventis Farmacêutica Ltda

Atualizado em 09/12/2014

Composição de Targocid

TARGOCID 200 MG: CADA FRASCO-AMPOLA CONTEM: TEICOPLANIN 200 MG; CLORETO DE SODIO 24 MG. CADA AMPOLA DE SOLVENTE CONTEM: AGUA DESTILADA 3,0 ML. TARGOCID 400 MG: CADA FRASCO-AMPOLA CONTEM: TEICOPLANIN 400 MG; CLORETO DE SODIO 24 MG. CADA AMPOLA DE SOLVENTE CONTEM: AGUA DESTILADA 3,0 ML.

Posologia e Administração de Targocid

PREPARACAO DE INJECAO1: ADICIONE TODO O SOLVENTE DA AMPOLA NO FRASCO-AMPOLA E ROLE-O LENTAMENTE ENTRE AS MAOS2, ATE QUE O PO ESTEJA COMPLETAMENTE DISSOLVIDO, TOMANDO-SE O CUIDADO DE EVITAR A FORMACAO DE ESPUMA. SE APARECER ESPUMA, A SOLUCAO DEVERA FICAR EM REPOUSO POR APROXIMADAMENTE 15 MINUTOS. E IMPORTANTE ASSEGURAR QUE TODO O PO ESTEJA DISSOLVIDO. A SOLUCAO DEVE SER PREPARADA E COLOCADA NA SERINGA3 COM CUIDADO. AS PREPARACOES QUE NAO SAO CORRETAMENTE PREPARADAS PODEM LEVAR A UMA ADMINISTRACAO DE ATE MENOS DE 50% DA DOSE, COM CONSEQUENTE PERIGO PELA FALTA DE EFICACIA DO PRODUTO ADMINISTRADO. AS SOLUCOES RECONSTITUIDAS CONTEM 100 MG DE TEICOPLANIN EM 1,5 ML, 200 MG EM 3,0 ML (NO FRASCO-AMPOLA DE 200 MG) E 400 MG EM 3,0 ML (NO FRASCO-AMPOLA DE 400 MG). A SOLUCAO DEVE SER USADA IMEDIATAMENTE APOS A RECONSTITUICAO. ENTRETANTO, SE NECESSARIO, PODE-SE UTILIZAR DENTRO DE 24 HORAS SE ARMAZENADA A 4O-8OC. A SOLUCAO RECONSTITUIDA PODE SER INJETADA DIRETAMENTE OU DILUIDA ALTERNATIVAMENTE COM SOLUCOES DE: CLORETO DE SODIO A 0,9%; LACTATO4 DE SODIO (RINGER - LACTATO4 OU SOLUCAO DE HARTMANN); GLICOSE5 A 1,36% OU 3,86% PARA DIALISE PERITONEAL6; GLICOSE5 A 5%; CLORETO DE SODIO A 0,18% E GLICOSE5 A 4%. AS DUAS ULTIMAS SOLUCOES DEVEM SER USADAS IMEDIATAMENTE APOS A MISTURA. - MODO DE ADMINISTRACAO: TARGOCID PODE SER ADMINISTRADO POR VIA ENDOVENOSA (E.V.) OU INTRAMUSCULAR (I.M.). A ADMINISTRACAO E.V. PODE SER FEITA DIRETAMENTE DURANTE 3-5 MINUTOS OU ATRAVES DE PERFUSAO, EM 30 MINUTOS. A DOSE DIARIA E GERALMENTE UNICA, ENTRETANTO, EM INFECCOES7 GRAVES, RECOMENDA-SE UMA DOSE DE ATAQUE A INTERVALOS DE 12 HORAS NOS PRIMEIROS 1-4 DIAS. A MAIORIA DOS PACIENTES COM INFECCOES7 CAUSADAS POR MICRORGANISMOS SENSIVEIS AO ANTIBIOTICO APRESENTA RESPOSTA TERAPEUTICA8 DENTRO DAS PRIMEIRAS 48-72 HORAS. A DURACAO TOTAL DO TRATAMENTO E DETERMINADA PELO TIPO E GRAVIDADE DA INFECCAO9 E RESPOSTA CLINICA DO PACIENTE. EM ENDOCARDITE10 E OSTEOMIELITE11, RECOMENDA-SE TRATAMENTO POR 3 SEMANAS OU MAIS. O USO DE TARGOCID PODE RESULTAR EM SUPERCRESCIMENTO DE MICRORGANISMOS NAO SUSCETIVEIS. - DOSES TERAPEUTICAS: ADULTOS: INFECCOES7 LEVES A MODERADAS (POR EXEMPLO, INFECCOES7 DA PELE12 E TECIDOS MOLES E INFECCOES7 URINARIAS): O TRATAMENTO DEVE SER INICIADO COM UMA UNICA DOSE ENDOVENOSA DE 400 MG (OU 6 MG/KG), SEGUIDA DE DOSE DE MANUTENCAO DE 200 MG (OU DE 3 MG/KG/DIA) POR VIA I.M. OU E.V. EM INFECCOES7 GRAVES (POR EXEMPLO: SEPTICEMIA13, ENDOCARDITE10, OSTEOMIELITE11 E ARTRITE14 SEPTICA, INFECCOES7 EM PACIENTES COM COMPROMETIMENTO DA FUNCAO IMUNOLOGICA); O TRATAMENTO DEVE COMECAR COM 400 MG (OU 6 MG/KG) POR VIA E.V., CADA 12 HORAS, DURANTE 1 A 4 DIAS. NOS DIAS SEGUINTES, A DOSE DEVE SER DE 400 MG (OU 6 MG/KG) AO DIA. EM ALGUMAS SITUACOES, TAIS COMO EM PACIENTES COM QUEIMADURAS GRAVES INFECTADAS OU ENDOCARDITE10 CAUSADA POR STAPHYLOCOCCUS AUREUS, PODE SER NECESSARIA DOSE DE MANUTENCAO DE ATE 12 MG/KG POR VIA E.V. NO CASO DE ENDOCARDITE10 CAUSADA POR S. AUREUS, FORAM OBTIDOS RESULTADOS SATISFATORIOS QUANDO TARGOCID FOI ADMINISTRADO JUNTO COM OUTROS ANTIBIOTICOS. A EFICACIA DA MONOTERAPIA COM TARGOCID PARA ESTA INDICACAO AINDA ESTA SENDO INVESTIGADA. QUANDO AS CONCENTRACOES SERICAS DE TARGOCID SAO MONITORADAS EM INFECCOES7 GRAVES, OS NIVEIS (IMEDIATAMENTE ANTES DA DOSE SUBSEQUENTE) DEVEM SER EQUIVALENTES A 10 VEZES A CIM (CONCENTRACAO INIBITORIA MINIMA) OU PELO MENOS, 10 MG/L. IDOSOS: IGUAL A DOSE DOS ADULTOS (SE A FUNCAO RENAL15 ESTIVER GRAVEMENTE COMPROMETIDA, DEVE-SE SEGUIR AS INSTRUCOES PARA PACIENTES16 COM FUNCAO RENAL15 COMPROMETIDA). - CRIANCAS: EM PACIENTES DE 2 A 12 ANOS, TARGOCID E EXCRETADO MAIS RAPIDAMENTE QUE EM ADULTOS. PORTANTO, O TRATAMENTO DEVE SER INICIADO COM DOSE DE 10 MG/KG CADA 12 HORAS NOS PRIMEIROS 1-4 DIAS. EM INFECCOES7 GRAVES OU EM CRIANCAS NEUTROPENICAS, A DOSE DIARIA SUBSEQUENTE DEVE SER DE 10 MG/KG. EM INFECCOES7 MENOS GRAVES, A DOSE DIARIA PODE SER REDUZIDA PARA 5 MG/KG. PACIENTES COM INSUFICIENCIA RENAL17: EM PACIENTES COM INSUFICIENCIA RENAL17, A DIMINUICAO DA DOSE NAO E NECESSARIA ATE A 4A DOSE. A PARTIR DA 5A DOSE, DEVE-SE SEGUIR O SEGUINTE ESQUEMA: INSUFICIENCIA RENAL17 MODERADA, COM ``CLEARANCE" DE CREATININA18 DE 40 A 60 ML/MIN, A DOSE DEVERA SER DIMINUIDA PARA A METADE INICIAL (UTILIZANDO A DOSE INICIAL CADA DOIS DIAS OU A METADE DESTA DOSE UMA VEZ AO DIA). EM INSUFICIENCIA RENAL17 GRAVE, COM ``CLEARANCE" DE CREATININA18 MENOR QUE 40 ML/MIN E EM PACIENTES SOB HEMODIALISE19, A DOSE DEVE SER REDUZIDA PARA UM TERCO DA INICIAL (UTILIZANDO A MESMA DOSE INICIAL CADA TRES DIAS OU UM TERCO DA DOSE UMA VEZ AO DIA). TEICOPLANIN NAO E DIALIZAVEL. ADMINISTRACAO INTRAPERITONEAL PARA PACIENTES16 COM PERITONITE20 OU EM DIALISE PERITONEAL6 AMBULATORIAL CONTINUA: EM PERITONITE20 POR MICRORGANISMOS GRAM-POSITIVOS SECUNDARIA A DIALISE PERITONEAL6 AMBULATORIAL CONTINUA, A DOSE RECOMENDADA E DE 20 MG DE TEICOPLANIN POR LITRO DO LIQUIDO DE DIALISE21 NA 1A SEMANA; 20 MG/L EM BOLSAS ALTERNADAS NA 2A SEMANA E 20 MG/L NA BOLSA QUE PERMANECE DURANTE A NOITE NA 3A SEMANA, ACRESCIDO DE UMA DOSE DE ATAQUE DE 400 MG E.V. SE O PACIENTE ESTIVER COM FEBRE22. TARGOCID E ESTAVEL EM SOLUCOES DE DIALISE PERITONEAL6 (GLICOSE5 A 1,36%, OU 3,86%). AS SOLUCOES ARMAZENADAS POR MAIS DE 24 HORAS DEVEM SER DESCARTADAS. TERAPIA COMBINADA23: QUANDO A INFECCAO9 REQUER ATIVIDADE BACTERICIDA MAXIMA, RECOMENDA-SE A COMBINACAO COM UM AGENTE BACTERICIDA APROPRIADO (EX.: EM ENDOCARDITE10 ESTAFILOCOCICA) OU QUANDO INFECCOES7 MISTAS COM PATOGENOS GRAM-NEGATIVOS NAO PODEM SER EXCLUIDAS (EX.: TERAPIA EMPIRICA DE FEBRE22 EM PACIENTES NEUTROPENICOS). EM PROFILAXIA DE ENDOCARDITE10 GRAM-POSITIVA EM CIRURGIA DENTARIA E EM PACIENTES COM DOENCA VALVULAR: DEVERA SER ADMINISTRADA UMA DOSE DE 400 MG E.V. (6 MG/KG) NO MOMENTO DA INDUCAO ANESTESICA. PROFILAXIA DE INFECCOES7 GRAM-POSITIVAS EM CIRURGIA ORTOPEDICA: UMA DOSE DE 400 MG E.V. (OU 6 MG/KG SE O PACIENTE PESAR MAIS QUE 85 KG), NO MOMENTO DA INDUCAO ANESTESICA.

Precauções de Targocid

DEVE SER ADMINISTRADO COM CUIDADO A PACIENTES COM ANTECEDENTES DE HIPERSENSIBILIDADE A VANCOMICINA, POIS PODE HAVER HIPERSENSIBILIDADE CRUZADA. ENTRETANTO, UM ANTECEDENTE DE ``RED MAN SYNDROME" ATRIBUIDO A VANCOMICINA, NAO SE CONSTITUI EM UMA CONTRA-INDICACAO PARA O USO DE TEICOPLANIN. EM CASOS DE TRATAMENTOS PROLONGADOS, DEVE-SE TOMAR PRECAUCOES ESPECIAIS QUANDO ADMINISTRAR TARGOCID A PACIENTES COM INSUFICIENCIA RENAL17 E AQUELES PACIENTES QUE NECESSITAM DE USO CONCOMITANTE DE DROGAS QUE POSSAM TER EFEITOS NEUROTOXICOS E/OU NEFROTOXICOS, COMO OS AMINOGLICOSIDEOS, COLISTINA, ANFOTERICINA, CICLOSPORINA, CISPLATINA, FUROSEMIDA E ACIDO ETACRINICO. RECOMENDA-SE REALIZAR EXAMES HEMATOLOGICOS E TESTES DAS FUNCOES: RENAL15, HEPATICA24 E AUDITIVA NESSES PACIENTES. - INTERACOES MEDICAMENTOSAS: OS ESTUDOS EM ANIMAIS NAO EVIDENCIARAM INTERACAO COM DIAZEPAM, TIOPENTAL, MORFINA, BLOQUEADORES NEUROMUSCULARES OU HALOTANO. DURANTE OS ESTUDOS CLINICOS, TARGOCID FOI ADMINISTRADO EM ASSOCIACAO COM DIVERSOS MEDICAMENTOS TAIS COMO DROGAS CARDIOVASCULARES, ANTI-HIPERTENSIVOS, ANESTESICOS, ANTIDIABETICOS E OUTROS ANTIBIOTICOS SEM QUE QUALQUER INTERACAO TENHA SIDO CONSTATADA. EM PARTICULAR, NAO HA EVIDENCIA DE EFEITO SINERGICO (OU ADITIVO) OTO OU NEFROTOXICO EM PACIENTES TRATADOS CONCOMITANTEMENTE COM AMINOGLICOSIDEOS. AS SOLUCOES DE TEICOPLANIN E AMINOGLICOSIDEOS SAO INCOMPATIVEIS E NAO DEVEM SER MISTURADAS ANTES DA INJECAO1, ENTRETANTO, TAIS SOLUCOES SAO COMPATIVEIS NA SOLUCAO DE DIALISE21 E PODE SER USADO COM SEGURANCA NO TRATAMENTO DE DIALISE PERITONEAL6 CRONICA AMBULATORIAL.

Reações Adversas de Targocid

TARGOCID GERALMENTE E BEM TOLERADO. AS REACOES ADVERSAS CONHECIDAS RARAMENTE REQUEREM INTERRUPCAO DO TRATAMENTO E GERALMENTE SAO DE CARATER LEVE E TRANSITORIO. AS REACOES ADVERSAS GRAVES SAO RARAS. AS SEGUINTES REACOES FORAM RELATADAS, MAS O EFEITO CAUSAL NAO FOI ESTABELECIDO EM TODOS OS CASOS. REACOES LOCAIS: ERITEMA25, DOR LOCAL, TROMBOFLEBITE26. REACOES ALERGICAS: ``RASH27", PRURIDO28, FEBRE22, BRONCOESPAMO, CHOQUE ANAFILATICO29. REACOES GASTRINTESTINAIS: NAUSEA30, VOMITOS31, DIARREIA32. REACOES SANGUINEAS: EOSINOFILIA33, LEUCOPENIA34, NEUTROPENIA35, TROMBOCITOPENIA36, TROMBOCITOSE37. FUNCAO HEPATICA24: AUMENTO DAS TRANSAMINASES SERICAS E/OU FOSFATASE ALCALINA38 SERICA. FUNCAO RENAL15: ELEVACOES TRANSITORIAS DA CREATININA18 SERICA. SNC39: TONTURA40 E CEFALEIA41. OUTROS EVENTOS RELATADOS: PERDA AUDITIVA DE ALTA FREQUENCIA, TINIDO E DISTURBIOS VESTIBULARES42. SUPERDOSAGEM: NOS CASOS DE SUPERDOSAGEM, O TRATAMENTO DEVERA SER SINTOMATICO43. TEICOPLANIN NAO E ELIMINADO ATRAVES DE HEMODIALISE19. MUITAS SUPERDOSAGENS DE 100 MG/KG/DIA FORAM ADMINISTRADAS ERRONEAMENTE EM DUAS CRIANCAS NEUTROPENICAS DE 4 E 8 ANOS. APESAR DAS ALTAS CONCENTRACOES PLASMATICAS DE TEICOPLANIN (DE ATE 300 MG/L) NAO FORAM VERIFICADOS SINTOMAS44 OU ANORMALIDADES LABORATORIAIS.

Contra-Indicações de Targocid

TARGOCID ESTA CONTRA-INDICADO EM PACIENTES COM ANTECEDENTES DE HIPERSENSIBILIDADE AO TEICOPLANIN. - GRAVIDEZ45 E LACTACAO46: EMBORA OS ESTUDOS DE REPRODUCAO47 ANIMAL NAO TENHAM REVELADO EVIDENCIA DE ALTERACAO DA FERTILIDADE OU EFEITOS TERATOGENICOS48, TARGOCID NAO DEVE SER UTILIZADO DURANTE A GRAVIDEZ45 CONFIRMADA OU SUPOSTA OU DURANTE A LACTACAO46, A MENOS QUE, A JUIZO MEDICO, OS BENEFICIOS POTENCIAIS SUPEREM OS POSSIVEIS RISCOS. NAO SE TEM INFORMACAO SOBRE A EXCRECAO DE TEICOPLANIN NO LEITE MATERNO OU SOBRE A TRANSFERENCIA PLACENTARIA DA DROGA.

Indicações de Targocid

TARGOCID ESTA INDICADO NO TRATAMENTO DE INFECCOES7 CAUSADAS POR MICRORGANISMOS GRAM-POSITIVOS SENSIVEIS, INCLUINDO AQUELES RESISTENTES A OUTROS ANTIBIOTICOS, TAIS COMO, METICILINA E AS CEFALOSPORINAS: ENDOCARDITE10, SEPTICEMIA13, INFECCOES7 OSTEOARTICULARES, INFECCOES7 RESPIRATORIAS, INFECCOES7 DE PELE12 E TECIDOS MOLES, INFECCOES7 URINARIAS E PERITONITE20 ASSOCIADA A DIALISE PERITONEAL6 CRONICA AMBULATORIAL. TARGOCID TAMBEM ESTA INDICADO NO TRATAMENTO DE INFECCOES7 EM PACIENTES ALERGICOS AS PENICILINAS OU CEFALOSPORINAS. TARGOCID PODE SER UTILIZADO PARA PROFILAXIA EM PACIENTES NOS QUAIS A INFECCAO9 POR MICRORGANISMOS GRAM-POSITIVOS PODE SER PERIGOSA (POR EXEMPLO, EM PACIENTES QUE NECESSITAM DE CIRURGIA DENTAL OU ORTOPEDICA).

Apresentação de Targocid

CAIXA COM 1 FRASCO-AMPOLA ACOMPANHADO DE AMPOLA DE SOLVENTE.

TARGOCID - Laboratório

Sanofi Aventis Farmacêutica Ltda
Rua Conde Domingos Papais, 413
Suzano/SP - CEP: 08613-010
Site: http://www.sanofi-aventis.com.br
C.N.P.J. 02.685.377/0008-23 - Indústria Brasileira

Ou

Sanofi Aventis Farmacêutica Ltda
Av Brasil, 22.155- Rio de Janeiro - RJ
CNPJ 02.685.377/0019-86 - Indústria Brasileira
Atendimento ao Consumidor 0800-703-0014
www.sanofi-aventis.com.br

Ver outros medicamentos do laboratório "Sanofi Aventis Farmacêutica Ltda"

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Injeção: Infiltração de medicação ou nutrientes líquidos no corpo através de uma agulha e seringa.
2 Mãos: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
3 Seringa: Dispositivo usado para injetar medicações ou outros líquidos nos tecidos do corpo. A seringa de insulina é formada por um tubo plástico com um êmbolo e uma agulha pequena na ponta.
4 Lactato: Sal ou éster do ácido láctico ou ânion dele derivado.
5 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
6 Diálise peritoneal: Ao invés de utilizar um filtro artificial para “limpar“ o sangue, é utilizado o peritônio, que é uma membrana localizada dentro do abdômen e que reveste os órgãos internos. Através da colocação de um catéter flexível no abdômen, é feita a infusão de um líquido semelhante a um soro na cavidade abdominal. Este líquido, que chamamos de banho de diálise, vai entrar em contato com o peritônio, e por ele será feita a retirada das substâncias tóxicas do sangue. Após um período de permanência do banho de diálise na cavidade abdominal, este fica saturado de substâncias tóxicas e é então retirado, sendo feita em seguida a infusão de novo banho de diálise. Esse processo é realizado de uma forma contínua e é conhecido por CAPD, sigla em inglês que significa diálise peritoneal ambulatorial contínua. A diálise peritoneal é uma forma segura de tratamento realizada atualmente por mais de 100.000 pacientes no mundo todo.
7 Infecções: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
8 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
9 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
10 Endocardite: Inflamação aguda ou crônica do endocárdio. Ela pode estar preferencialmente localizada nas válvulas cardíacas (endocardite valvular) ou nas paredes cardíacas (endocardite parietal). Pode ter causa infecciosa ou não infecciosa.
11 Osteomielite: Infecção crônica do osso. Pode afetar qualquer osso da anatomia e produzir-se por uma porta de entrada local (fratura exposta, infecção de partes moles) ou por bactérias que circulam através do sangue (brucelose, tuberculose, etc.).
12 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
13 Septicemia: Septicemia ou sepse é uma infecção generalizada grave que ocorre devido à presença de micro-organismos patogênicos e suas toxinas na corrente sanguínea. Geralmente ela ocorre a partir de outra infecção já existente.
14 Artrite: Inflamação de uma articulação, caracterizada por dor, aumento da temperatura, dificuldade de movimentação, inchaço e vermelhidão da área afetada.
15 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
16 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
17 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
18 Creatinina: Produto residual das proteínas da dieta e dos músculos do corpo. É excretada do organismo pelos rins. Uma vez que as doenças renais progridem, o nível de creatinina aumenta no sangue.
19 Hemodiálise: Tipo de diálise que vai promover a retirada das substâncias tóxicas, água e sais minerais do organismo através da passagem do sangue por um filtro. A hemodiálise, em geral, é realizada 3 vezes por semana, em sessões com duração média de 3 a 4 horas, com o auxílio de uma máquina, dentro de clínicas especializadas neste tratamento. Para que o sangue passe pela máquina, é necessária a colocação de um catéter ou a confecção de uma fístula, que é um procedimento realizado mais comumente nas veias do braço, para permitir que estas fiquem mais calibrosas e, desta forma, forneçam o fluxo de sangue adequado para ser filtrado.
20 Peritonite: Inflamação do peritônio. Pode ser produzida pela entrada de bactérias através da perfuração de uma víscera (apendicite, colecistite), como complicação de uma cirurgia abdominal, por ferida penetrante no abdome ou, em algumas ocasiões, sem causa aparente. É uma doença grave que pode levar pacientes à morte.
21 Diálise: Quando os rins estão muito doentes, eles deixam de realizar suas funções, o que pode levar a risco de vida. Nesta situação, é preciso substituir as funções dos rins de alguma maneira, o que pode ser feito realizando-se um transplante renal, ou através da diálise. A diálise é um tipo de tratamento que visa repor as funções dos rins, retirando as substâncias tóxicas e o excesso de água e sais minerais do organismo, estabelecendo assim uma nova situação de equilíbrio. Existem dois tipos de diálise: a hemodiálise e a diálise peritoneal.
22 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
23 Terapia combinada: Uso de medicações diferentes ao mesmo tempo (agentes hipoglicemiantes orais ou um agente hipoglicemiante oral e insulina, por exemplo) para administrar os níveis de glicose sangüínea em pessoas com diabetes tipo 2.
24 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
25 Eritema: Vermelhidão da pele, difusa ou salpicada, que desaparece à pressão.
26 Tromboflebite: Processo inflamatório de um segmento de uma veia, geralmente de localização superficial (veia superficial), juntamente com formação de coágulos na zona afetada. Pode surgir posteriormente a uma lesão pequena numa veia (como após uma injeção ou um soro intravenoso) e é particularmente frequente nos toxico-dependentes que se injetam. A tromboflebite pode desenvolver-se como complicação de varizes. Existe uma tumefação e vermelhidão (sinais do processo inflamatório) ao longo do segmento de veia atingido, que é extremamante doloroso à palpação. Ocorrem muitas vezes febre e mal-estar.
27 Rash: Coloração avermelhada da pele como conseqüência de uma reação alérgica ou infecção.
28 Prurido: 1.    Na dermatologia, o prurido significa uma sensação incômoda na pele ou nas mucosas que leva a coçar, devido à liberação pelo organismo de substâncias químicas, como a histamina, que irritam algum nervo periférico. 2.    Comichão, coceira. 3.    No sentido figurado, prurido é um estado de hesitação ou dor na consciência; escrúpulo, preocupação, pudor. Também pode significar um forte desejo, impaciência, inquietação.
29 Choque anafilático: Reação alérgica grave, caracterizada pela diminuição da pressão arterial, taquicardia e distúrbios gerais da circulação, acompanhado ou não de edema de glote. Necessita de tratamento urgente. Pode surgir por exposição aos mais diversos alérgenos.
30 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
31 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
32 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
33 Eosinofilia: Propriedade de se corar facilmente pela eosina. Em patologia, é o aumento anormal de eosinófilos no sangue, característico de alergias e infestações por parasitas. Em patologia, é o acúmulo de eosinófilos em um tecido ou exsudato.
34 Leucopenia: Redução no número de leucócitos no sangue. Os leucócitos são responsáveis pelas defesas do organismo, são os glóbulos brancos. Quando a quantidade de leucócitos no sangue é inferior a 6000 leucócitos por milímetro cúbico, diz-se que o indivíduo apresenta leucopenia.
35 Neutropenia: Queda no número de neutrófilos no sangue abaixo de 1000 por milímetro cúbico. Esta é a cifra considerada mínima para manter um sistema imunológico funcionando adequadamente contra os agentes infecciosos mais freqüentes. Quando uma pessoa neutropênica apresenta febre, constitui-se uma situação de “emergência infecciosa”.
36 Trombocitopenia: É a redução do número de plaquetas no sangue. Contrário de trombocitose. Quando a quantidade de plaquetas no sangue é inferior a 150.000/mm³, diz-se que o indivíduo apresenta trombocitopenia (ou plaquetopenia). As pessoas com trombocitopenia apresentam tendência de sofrer hemorragias.
37 Trombocitose: É o número excessivo de plaquetas no sangue. Contrário de trombocitopenia. Quando a quantidade de plaquetas no sangue é superior a 750.000/mm³ (e particularmente acima de 1.000.000/mm³) justifica-se investigação e intervenção médicas. Quanto à origem, pode ser reativa ou primária (provocada por doença mieloproliferativa). Apesar de freqüentemente ser assintomática (particularmente quando se origina como uma reação secundária), pode provocar uma predisposição para a trombose.
38 Fosfatase alcalina: É uma hidrolase, ou seja, uma enzima que possui capacidade de retirar grupos de fosfato de uma distinta gama de moléculas, tais como nucleotídeos, proteínas e alcaloides. Ela é sintetizada por diferentes órgãos e tecidos, como, por exemplo, os ossos, fígado e placenta.
39 SNC: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
40 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
41 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
42 Vestibulares: O sistema vestibular é um dos sistemas que participam do equilíbrio do corpo. Ele contribui para três funções principais: controle do equilíbrio, orientação espacial e estabilização da imagem. Sintomas vestibulares são aqueles que mostram alterações neste sistema.
43 Sintomático: 1. Relativo a ou que constitui sintoma. 2. Que é efeito de alguma doença. 3. Por extensão de sentido, é o que indica um particular estado de coisas, de espírito; revelador, significativo.
44 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
45 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
46 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
47 Reprodução: 1. Função pela qual se perpetua a espécie dos seres vivos. 2. Ato ou efeito de reproduzir (-se). 3. Imitação de quadro, fotografia, gravura, etc.
48 Teratogênicos: Agente teratogênico ou teratógeno é tudo aquilo capaz de produzir dano ao embrião ou feto durante a gravidez. Estes danos podem se refletir como perda da gestação, malformações ou alterações funcionais ou ainda distúrbios neurocomportamentais, como retardo mental.

Tem alguma dúvida sobre TARGOCID?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.