ADVERTÊNCIAS ROACUTAN

Atualizado em 24/05/2016
Roacutan® deve ser prescrito apenas por médicos com experiência com o uso de retinóides sistêmicos1 e que entendam o risco de teratogenicidade associado ao tratamento com isotretinoína.Os pacientes devem ser orientados a nunca repassar o medicamento a outras pessoas e devolver as cápsulas não utilizadas no final do tratamento ao farmacêutico responsável.
A doação de sangue2 pelos pacientes deve ser evitada durante e até um mês após o tratamento com Roacutan® para prevenir exposição acidental e risco potencial para fetos de gestantes que se submetam a transfusões.
A função hepática3 ou enzimas devem ser examinadas antes e 1 mês após o início do tratamento e subsequentemente a cada 3 meses ou mais frequentemente se houver indicação clínica. Elevações transitórias e reversíveis das transaminases têm sido relatadas. Em vários casos essas alterações foram dentro da variação normal e retornaram aos níveis basais durante o tratamento. Entretanto, quando os níveis de transaminases alteram significativamente, pode ser necessária redução da dose ou interrupção do tratamento.
Os lípides séricos (em jejum) também devem ser examinados antes, um mês após e subsequentemente a cada 3 meses ou mais frequentemente, se houver indicação clínica. Os lípides séricos geralmente retornam ao normal ao se reduzir a dose ou descontinuar o tratamento. As alterações nos lípides séricos podem responder a medidas dietéticas.
Está recomendado o controle clínico para elevações significativas dos níveis séricos de triglicérides4, níveis superiores a 800 mg/dL5 ou 9 mmol/L6 são algumas vezes associados com pancreatite7 aguda, quadro potencialmente fatal. Portanto, Roacutan® deve ser interrompido em casos de hipertrigliceridemia descontrolada ou sintomas8 de pancreatite7.
Insuficiência renal9 aguda ou crônica graves não afetam a farmacocinética da isotretinoína. Roacutan® pode ser administrado a pacientes com insuficiência renal9. Nesses casos, recomenda-se iniciar o tratamento com baixas doses e aumentar progressivamente até a dose máxima tolerada pelo paciente.
Depressão, sintomas8 psicóticos e raras tentativas de suicídio foram relatados nos pacientes tratados com Roacutan® (vide item Reações adversas). Embora uma relação causal não tenha sido estabelecida para esses eventos, cuidados especiais precisam ser tomados em pacientes com história de depressão e todos os pacientes devem ser supervisionados quanto à ocorrência de sinais10 de depressão e encaminhados para tratamento apropriado, caso necessário. A interrupção do Roacutan® pode não resultar em alívio dos sintomas8 e a avaliação psicológica ou psiquiátrica pode ser necessária.
Alterações ósseas, incluindo fechamento precoce de epífises11, hiperostose e calcificações de tendões12 e ligamentos13 têm ocorrido após vários anos de administração de altas doses para tratamento de desordens da queratinização. A dose diária é cumulativa e a duração do tratamento desses pacientes geralmente excede aquela recomendada para o tratamento da acne14. Entretanto, uma avaliação cuidadosa do risco-benefício deve ser realizada para cada paciente.
Mialgia15 e artralgia16 podem ocorrer e podem estar associadas com redução da tolerância ao exercício intenso (vide item Reações adversas). Aumentos isolados de CPK séricos têm sido relatados em pacientes tratados com Roacutan®, particularmente aqueles sob atividade física intensa.
Exacerbações agudas do quadro de acne14 são ocasionalmente vistas no período inicial do tratamento (usualmente de 7-10 dias) e, geralmente, não necessitam de ajuste de dose.
Exposições à luz solar e raios ultravioletas devem ser evitadas. Quando necessário, utilizar fatores de proteção elevados com FPS superior à 15.
O uso associado de agentes queratolíticos ou esfoliantes tópicos deve ser evitado pelo risco de irritação cutânea17.
Dermabrasão agressiva, química e tratamentos cutâneos com laser devem ser evitados em pacientes em uso de isotretinoína e até 5 a 6 meses após o tratamento devido ao risco de cicatrização hipertrófica em áreas atípicas e mais raramente hiper ou hipopigmentação nas áreas tratadas.
Depilação mecânica (com cera) deve ser evitada durante e pelo menos por um período de 6 meses após o tratamento devido a possibilidade de exulceração, cicatriz18 ou dermatite19.
Os pacientes devem ser orientados a utilizar emolientes/umectantes labiais no início do tratamento para evitar o ressecamento labial.
Diminuição da visão20 noturna tem ocorrido durante o tratamento com isotretinoína e em raros casos tem persistido após interrupção do tratamento (vide item Reações adversas). Devido ao início súbito em alguns casos, os pacientes devem ser avisados deste problema potencial e dos cuidados ao dirigir ou operar qualquer veículo à noite. Problemas visuais devem ser cuidadosamente monitorados.
Ressecamento ocular, blefarite21, conjuntivite22, opacidades córneas, diminuição da visão20 noturna e ceratite geralmente se resolvem após descontinuação do tratamento. O ressecamento ocular pode ser minimizado com o uso de lubrificantes oculares e lágrimas artificiais. Devido à possibilidade de ocorrer ceratite, pacientes com ressecamento ocular devem ser monitorados. Pacientes com dificuldades visuais devem ser encaminhados para avaliação oftalmológica e considerar a suspensão de Roacutan®. Pode ocorrer intolerância a lentes de contato e os pacientes podem necessitar do uso dos óculos durante o tratamento.
Casos raros de hipertensão23 intracraniana benigna (pseudotumor cerebral) têm sido relatados, alguns com uso concomitante de tetraciclinas. Sinais10 e sintomas8 de hipertensão23 intracraniana benigna incluem cefaléia24, náuseas25, vômitos26, distúrbios visuais e papiledema. Pacientes com quadro de hipertensão23 intracraniana benigna devem interromper o uso de Roacutan® imediatamente. Roacutan® tem sido associado com doença inflamatória intestinal (incluindo ileíte27 regional e doença de Crohn28) em pacientes sem história prévia de desordens intestinais. Pacientes com diarréia29 grave (hemorrágica30) devem descontinuar Roacutan® imediatamente.
Reações anafiláticas31 têm sido raramente relatadas e apenas após exposição prévia a retinóides. Reações alérgicas cutâneas32 são relatadas raramente. Casos graves de vasculite33 alérgica, geralmente com púrpura34 (hematomas35 e equimoses36) das extremidades e envolvimento extracutâneo têm sido relatados. Reações alérgicas graves requerem interrupção do tratamento e monitoração cuidadosa.
Precauções para grupos de pacientes especiais
Em pacientes de alto risco (com diabetes37, obesidade38, alcoolismo ou distúrbios do metabolismo39 lipídico) que se submetem ao tratamento com Roacutan®, exames dos valores lipídicos e glicemia40 realizados mais frequentemente podem ser necessários.
Em pacientes portadores ou com suspeita de diabetes37, recomenda-se a verificação frequente dos níveis da glicose sanguínea41. Altos níveis sanguíneos de glicose42 em jejum e novos casos de diabetes37 foram diagnosticados durante a terapêutica43 com Roacutan®.
Recomendações
Recomenda-se o controle de elevações clinicamente significativas de triglicérides4 séricos, pois níveis maiores que 800 mg/dL5 estão relacionados, às vezes, com pancreatite7 aguda, potencialmente fatal (vide item Reações adversas). Portanto, Roacutan® deve ser descontinuado caso ocorra hipertrigliceridemia incontrolável ou sintomas8 de pancreatite7.
Gravidez44 e lactação45
Gravidez44 é uma contra-indicação absoluta para o tratamento com Roacutan®. Caso ocorra gravidez44 durante o tratamento ou no mês seguinte ao término da medicação, apesar das precauções, há um grande risco de malformações46 graves no feto47.
Isotretinoína é altamente teratogênica48. Existe um risco extremamente alto de nascimento de uma criança deformada no caso de gravidez44 durante a administração de isotretinoína oral, em qualquer quantidade, mesmo durante curtos períodos. Todos os fetos expostos podem potencialmente ser afetados.
Roacutan® é contra-indicado a mulheres com potencial de engravidar a menos que a paciente do sexo feminino satisfaça todas as condições seguintes:
? ela deve ter formas graves de acne14 (nódulo49-cística e conglobata e acne14 com risco de cicatrizes50 permanentes) e quadros de acne14 resistentes a terapêuticas anteriores (antibióticos sistêmicos1 e agentes tópicos);
? testes negativos de gravidez44 devem ser obtidos antes, durante e 5 semanas após o término do tratamento. Os resultados desses testes devem ser documentados;
? ela deve ser confiável na compreensão e cumprimento das instruções;
? ela deve ser informada pelo médico sobre o perigo de engravidar durante e 1 mês após tratamento com Roacutan®;
? ela entende o risco teratogênico51;
? ela deve ser advertida sobre a possibilidade de falha do método anticoncepcional;
? ela entende a necessidade de rigoroso controle mensal;
? ela está informada e entende as potenciais consequências da gestação e que necessita de rápida avaliação médica se ocorrer risco de gestação;
mesmo em amenorréia52 ela deve manter todas as recomendações de contracepção53 efetiva;
? ela deve confirmar que compreendeu as precauções;
? ela usa e entende a necessidade de usar medidas contraceptivas eficazes mandatórias;
? ela deve usar contracepção53 eficaz sem interrupção durante 1 mês antes do início da terapêutica43 com Roacutan®, durante a terapêutica43 e 1 mês após a descontinuação da terapêutica43 (vide item Advertências); preferencialmente, devem utilizar dois métodos contraceptivos complementares, sendo um hormonal e outro de barreira;
? ela deve ter um teste de gravidez44 confiável negativo no mínimo 11 dias antes de iniciar a terapêutica43. Recomenda-se fortemente a repetição mensal do teste de gravidez44; ela aceita realizar o teste de gravidez44 durante e cinco semanas após a interrupção do tratamento;
? ela deve iniciar a terapêutica43 com Roacutan® somente no 2o ou 3o dia do próximo ciclo menstrual normal;
? no caso de repetição do tratamento, ela deverá também utilizar as mesmas medidas anticoncepcionais eficazes e ininterruptas 1 mês antes, durante e até 5 semanas após a terapêutica43 com Roacutan® e os mesmos testes confiáveis de gravidez44 devem ser realizados;
? ela deve ter entendido as precauções e confirmado seu entendimento e sua vontade de submeter-se a medidas contraceptivas confiáveis como foi explicado para ela.
Mesmo pacientes do sexo feminino que normalmente não utilizam métodos anticoncepcionais devido à história de infertilidade54 (exceto no caso de histerectomia55) ou que dizem não apresentar atividade sexual, devem ser aconselhadas a usar medidas contraceptivas eficazes enquanto tomarem isotretinoína, seguindo as instruções acima.
Segundo a Portaria 344/98, a isotretinoína deve ser prescrita acompanhada da Notificação de Receita Especial para os retinóides sistêmicos1 e Termo de Consentimento Informado, que enfatiza a necessidade de contracepção53 e prevenção da gravidez44.
As informações sobre prevenção de gravidez44 devem ser dadas para todos os pacientes tanto de forma oral quanto escrita.
Deve-se realizar teste de gravidez44 de alta sensibilidade nos três primeiros dias do ciclo menstrual, com as seguintes recomendações:
Antes de iniciar o tratamento
Deve ser realizado um teste de gravidez44 antes de iniciar o método contraceptivo; os resultados devem ser documentados. Em pacientes com ciclos menstruais irregulares, o teste deverá ser realizado 3 semanas após a última relação sexual sem proteção. O médico deve orientar a paciente em relação às medidas contraceptivas.
O teste de gravidez44 também deverá ser realizado durante a consulta para início do tratamento ou três dias antes, para excluir a possibilidade de gestação quando se inicia a medicação. As pacientes devem ter iniciado os métodos contraceptivos no mês anterior.
Nos retornos mensais
Os retornos devem ser realizados a cada 28 dias. O teste de gravidez44 deverá ser realizado no dia da consulta ou três dias antes da visita ao médico.
No final do tratamento
Após 5 semanas do término do tratamento, o teste de gravidez44 deverá ser realizado para excluir gestação.
A medicação deverá ser prescrita em quantidade suficiente para trinta dias de tratamento.
A dispensação da medicação deve ocorrer no período máximo de 30 dias após a emissão da receita.
Caso ocorra uma gravidez44, apesar dessas precauções, na vigência do tratamento com Roacutan® ou durante o mês seguinte, há um grande risco de malformação56 grave do feto47 (envolvendo em particular o sistema nervoso central57, o coração58 e os grandes vasos sanguíneos59). Há também um risco elevado de aborto espontâneo.
Foram documentadas as principais anormalidades fetais humanas associadas à administração de Roacutan®, incluindo: anormalidades de sistema nervoso central57 (hidrocefalia60, malformação56/ anormalidade cerebelar e microcefalia61), dismorfismo facial, fenda palatina, anormalidades no ouvido externo62 (microtia, canais auditivos externos pequenos ou ausentes), anormalidades oculares (microftalmia), anormalidades cardiovasculares (malformações46 como Tetralogia de Fallot, transposição de grandes vasos, defeitos septais), anormalidades no timo63 e glândulas64 paratireóides. Há também aumento na incidência65 de abortos espontâneos.
O Roacutan® é altamente lipofílico, sendo a passagem da droga para o leite materno muito provável. Devido aos efeitos adversos potenciais, o uso de Roacutan® deve ser evitado durante a lactação45.
Este medicamento não deve ser utilizado durante a gravidez44 e a lactação45.
ESSE MEDICAMENTO NÃO DEVE SER UTILIZADO POR MULHERES GRÁVIDAS OU QUE POSSAM FICAR GRÁVIDAS DURANTE O TRATAMENTO.
Pacientes do sexo masculino: os dados atuais mostram que os níveis de exposição materna ao sêmen66 e fluido seminal em usuários de Roacutan® não é suficiente para representar risco de teratogenicidade.
Os pacientes do sexo masculino devem ser orientados a não repassar a medicação a outras pessoas, principalmente do sexo feminino.
Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Sistêmicos: 1. Relativo a sistema ou a sistemática. 2. Relativo à visão conspectiva, estrutural de um sistema; que se refere ou segue um sistema em seu conjunto. 3. Disposto de modo ordenado, metódico, coerente. 4. Em medicina, é o que envolve o organismo como um todo ou em grande parte.
2 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
3 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
4 Triglicérides: A principal maneira de armazenar os lipídeos no tecido adiposo é sob a forma de triglicérides. São também os tipos de lipídeos mais abundantes na alimentação. Podem ser definidos como compostos formados pela união de três ácidos graxos com glicerol. Os triglicérides sólidos em temperatura ambiente são conhecidos como gorduras, enquanto os líquidos são os óleos. As gorduras geralmente possuem uma alta proporção de ácidos graxos saturados de cadeia longa, já os óleos normalmente contêm mais ácidos graxos insaturados de cadeia curta.
5 Mg/dL: Miligramas por decilitro, unidade de medida que mostra a concentração de uma substância em uma quantidade específica de fluido.
6 Mmol/L: Milimols por litro, unidade de medida que mostra a concentração de uma substância em uma quantidade específica de fluido.
7 Pancreatite: Inflamação do pâncreas. A pancreatite aguda pode ser produzida por cálculos biliares, alcoolismo, drogas, etc. Pode ser uma doença grave e fatal. Os primeiros sintomas consistem em dor abdominal, vômitos e distensão abdominal.
8 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
9 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
10 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
11 Epífises: Extremidade dilatada dos ossos longos, separada da parte média pelo disco epifisário (até o crescimento ósseo cessar). Neste período, o disco desaparece e a extremidade se une à parte média do osso.
12 Tendões: Tecidos fibrosos pelos quais um músculo se prende a um osso.
13 Ligamentos: 1. Ato ou efeito de ligar(-se). Tudo o que serve para ligar ou unir. 2. Junção ou relação entre coisas ou pessoas; ligação, conexão, união, vínculo. 3. Na anatomia geral, é um feixe fibroso que liga entre si os ossos articulados ou mantém os órgãos nas respectivas posições. É uma expansão fibrosa ou aponeurótica de aparência ligamentosa. Ou também uma prega de peritônio que serve de apoio a qualquer das vísceras abdominais. 4. Vestígio de artéria fetal ou outra estrutura que perdeu sua luz original.
14 Acne: Doença de predisposição genética cujas manifestações dependem da presença dos hormônios sexuais. As lesões começam a surgir na puberdade, atingindo a maioria dos jovens de ambos os sexos. Os cravos e espinhas ocorrem devido ao aumento da secreção sebácea associada ao estreitamento e obstrução da abertura do folículo pilosebáceo, dando origem aos comedões abertos (cravos pretos) e fechados (cravos brancos). Estas condições favorecem a proliferação de microorganismos que provocam a inflamação característica das espinhas, sendo o Propionibacterium acnes o agente infeccioso mais comumente envolvido.
15 Mialgia: Dor que se origina nos músculos. Pode acompanhar outros sintomas como queda no estado geral, febre e dor de cabeça nas doenças infecciosas. Também pode estar associada a diferentes doenças imunológicas.
16 Artralgia: Dor em uma articulação.
17 Cutânea: Que diz respeito à pele, à cútis.
18 Cicatriz: Formação de um novo tecido durante o processo de cicatrização de um ferimento.
19 Dermatite: Inflamação das camadas superficiais da pele, que pode apresentar-se de formas variadas (dermatite seborreica, dermatite de contato...) e é produzida pela agressão direta de microorganismos, substância tóxica ou por uma resposta imunológica inadequada (alergias, doenças auto-imunes).
20 Visão: 1. Ato ou efeito de ver. 2. Percepção do mundo exterior pelos órgãos da vista; sentido da vista. 3. Algo visto, percebido. 4. Imagem ou representação que aparece aos olhos ou ao espírito, causada por delírio, ilusão, sonho; fantasma, visagem. 5. No sentido figurado, concepção ou representação, em espírito, de situações, questões etc.; interpretação, ponto de vista. 6. Percepção de fatos futuros ou distantes, como profecia ou advertência divina.
21 Blefarite: Inflamação do bordo externo das pálpebras ou pestanas. Também conhecida como palpebrite, sapiranga, sapiroca ou tarsite.
22 Conjuntivite: Inflamação da conjuntiva ocular. Pode ser produzida por alergias, infecções virais, bacterianas, etc. Produz vermelhidão ocular, aumento da secreção e ardor.
23 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
24 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
25 Náuseas: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc .
26 Vômitos: São a expulsão ativa do conteúdo gástrico pela boca. Podem ser classificados em: alimentar, fecalóide, biliar, em jato, pós-prandial. Sinônimo de êmese. Os medicamentos que agem neste sintoma são chamados de antieméticos.
27 Ileíte: Inflamação do íleo, que é a parte terminal do intestino delgado, localizada entre o jejuno e a primeira porção do intestino grosso.
28 Doença de Crohn: Doença inflamatória crônica do intestino que acomete geralmente o íleo e o cólon, embora possa afetar qualquer outra parte do intestino. A doença cursa com períodos de remissão sintomática e outros de agravamento. Na maioria dos casos, a doença de Crohn é de intensidade moderada e se torna bem controlada pela medicação, tornando possível uma vida razoavelmente normal para seu portador. A causa da doença de Crohn ainda não é totalmente conhecida. Os sintomas mais comuns são: dor abdominal, diarreia, perda de peso, febre moderada, sensação de distensão abdominal, perda de apetite e de peso.
29 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
30 Hemorrágica: Relativo à hemorragia, ou seja, ao escoamento de sangue para fora dos vasos sanguíneos.
31 Reações anafiláticas: É um tipo de reação alérgica sistêmica aguda. Esta reação ocorre quando a pessoa foi sensibilizada (ou seja, quando o sistema imune foi condicionado a reconhecer uma substância como uma ameaça ao organismo). Na segunda exposição ou nas exposições subseqüentes, ocorre uma reação alérgica. Essa reação é repentina, grave e abrange o corpo todo. O sistema imune libera anticorpos. Os tecidos liberam histamina e outras substâncias. Esse mecanismo causa contrações musculares, constrição das vias respiratórias, dificuldade respiratória, dor abdominal, cãimbras, vômitos e diarréia. A histamina leva à dilatação dos vasos sangüíneos (que abaixa a pressão sangüínea) e o vazamento de líquidos da corrente sangüínea para os tecidos (que reduzem o volume de sangue) o que provoca o choque. Ocorrem com freqüência a urticária e o angioedema - este angioedema pode resultar na obstrução das vias respiratórias. Uma anafilaxia prolongada pode causar arritmia cardíaca.
32 Cutâneas: Que dizem respeito à pele, à cútis.
33 Vasculite: Inflamação da parede de um vaso sangüíneo. É produzida por doenças imunológicas e alérgicas. Seus sintomas dependem das áreas afetadas.
34 Púrpura: Lesão hemorrágica de cor vinhosa, que não desaparece à pressão, com diâmetro superior a um centímetro.
35 Hematomas: Acúmulo de sangue em um órgão ou tecido após uma hemorragia.
36 Equimoses: Manchas escuras ou azuladas devido à infiltração difusa de sangue no tecido subcutâneo. A maioria aparece após um traumatismo, mas pode surgir espontaneamente em pessoas que apresentam fragilidade capilar ou alguma coagulopatia. Após um período de tempo variável, as equimoses desaparecem passando por diferentes gradações: violácea, acastanhada, esverdeada e amarelada.
37 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
38 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
39 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
40 Glicemia: Valor de concentração da glicose do sangue. Seus valores normais oscilam entre 70 e 110 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl).
41 Glicose sanguínea: Também chamada de açúcar no sangue, é o principal açúcar encontrado no sangue e a principal fonte de energia para o organismo.
42 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
43 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
44 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
45 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
46 Malformações: 1. Defeito na forma ou na formação; anomalia, aberração, deformação. 2. Em patologia, é vício de conformação de uma parte do corpo, de origem congênita ou hereditária, geralmente curável por cirurgia. Ela é diferente da deformação (que é adquirida) e da monstruosidade (que é incurável).
47 Feto: Filhote por nascer de um mamífero vivíparo no período pós-embrionário, depois que as principais estruturas foram delineadas. Em humanos, do filhote por nascer vai do final da oitava semana após a CONCEPÇÃO até o NASCIMENTO, diferente do EMBRIÃO DE MAMÍFERO prematuro.
48 Teratogênica: Agente teratogênico ou teratógeno é tudo aquilo capaz de produzir dano ao embrião ou feto durante a gravidez. Estes danos podem se refletir como perda da gestação, malformações ou alterações funcionais ou ainda distúrbios neurocomportamentais, como retardo mental.
49 Nódulo: Lesão de consistência sólida, maior do que 0,5cm de diâmetro, saliente na hipoderme. Em geral não produz alteração na epiderme que a recobre.
50 Cicatrizes: Formação de um novo tecido durante o processo de cicatrização de um ferimento.
51 Teratogênico: Agente teratogênico ou teratógeno é tudo aquilo capaz de produzir dano ao embrião ou feto durante a gravidez. Estes danos podem se refletir como perda da gestação, malformações ou alterações funcionais ou ainda distúrbios neurocomportamentais, como retardo mental.
52 Amenorréia: É a ausência de menstruação pelo período equivalente a 3 ciclos menstruais ou 6 meses (o que ocorrer primeiro). Para períodos inferiores, utiliza-se o termo atraso menstrual.
53 Contracepção: Qualquer processo que evite a fertilização do óvulo ou a implantação do ovo. Os métodos de contracepção podem ser classificados de acordo com o seu objetivo em barreiras mecânicas ou químicas, impeditivas de nidação e contracepção hormonal.
54 Infertilidade: Capacidade diminuída ou ausente de gerar uma prole. O termo não implica a completa inabilidade para ter filhos e não deve ser confundido com esterilidade. Os clínicos introduziram elementos físicos e temporais na definição. Infertilidade é, portanto, freqüentemente diagnosticada quando, após um ano de relações sexuais não protegidas, não ocorre a concepção.
55 Histerectomia: Cirurgia através da qual se extrai o útero. Pode ser realizada mediante a presença de tumores ou hemorragias incontroláveis por outras formas. Quando se acrescenta à retirada dos ovários e trompas de Falópio (tubas uterinas) a esta cirurgia, denomina-se anexo-histerectomia.
56 Malformação: 1. Defeito na forma ou na formação; anomalia, aberração, deformação. 2. Em patologia, é vício de conformação de uma parte do corpo, de origem congênita ou hereditária, geralmente curável por cirurgia. Ela é diferente da deformação (que é adquirida) e da monstruosidade (que é incurável).
57 Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
58 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
59 Vasos Sanguíneos: Qualquer vaso tubular que transporta o sangue (artérias, arteríolas, capilares, vênulas e veias).
60 Hidrocefalia: Doença produzida pelo aumento do conteúdo de Líquido Cefalorraquidiano. Nas crianças pequenas, manifesta-se pelo aumento da cabeça, e nos adultos, pelo aumento da pressão interna do cérebro, causando dores de cabeça e outros sintomas neurológicos, a depender da gravidade. Pode ser devido a um defeito de escoamento natural do líquido ou por um aumento primário na sua produção.
61 Microcefalia: Pequenez anormal da cabeça, geralmente associada à deficiência mental.
62 Ouvido externo: Atualmente denominado orelha externa, consiste em duas porções: o pavilhão auditivo e o meato acústico externo, canal fechado em sua parte medial pela membrana timpânica, o que faz o limite da orelha média.
63 Timo:
64 Glândulas: Grupo de células que secreta substâncias. As glândulas endócrinas secretam hormônios e as glândulas exócrinas secretam saliva, enzimas e água.
65 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
66 Sêmen: Sêmen ou esperma. Líquido denso, gelatinoso, branco acinzentado e opaco, que contém espermatozoides e que serve para conduzi-los até o óvulo. O sêmen é o líquido da ejaculação. Ele é composto de plasma seminal e espermatozoides. Este plasma contém nutrientes que alimentam e protegem os espermatozoides.

Tem alguma dúvida sobre ADVERTÊNCIAS ROACUTAN?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.