ADVERTÊNCIAS HUMALOG

Atualizado em 28/05/2016

HUMALOG DIFERE DAS DEMAIS INSULINAS PORQUE TEM UMA ESTRUTURA ÚNICA, UM INÍCIO DE AÇÃO MUITO RÁPIDO E ATIVIDADE DE CURTA DURAÇÃO.

PACIENTES RECEBENDO HUMALOG PODERÃO REQUERER ALTERAÇÃO DA DOSE EM RELAÇÃO ÀS DOSES DE OUTRAS INSULINAS USADAS ANTERIORMENTE.

HIPOGLICEMIA1 - A HIPOGLICEMIA1 É A REAÇÃO ADVERSA MAIS COMUM QUE SE OBSERVA COM AS INSULINAS, INCLUINDO HUMALOG. OS PRIMEIROS SINTOMAS2 DE HIPOGLICEMIA1 PODEM SER DIFERENTES OU MENOS PRONUNCIADOS SOB CERTAS CONDIÇÕES, TAIS COMO LONGA DURAÇÃO DO DIABETES3, CONTROLE INTENSIVO DO MESMO E USO DE MEDICAMENTOS.

PACIENTES CUJA GLICEMIA4 É MUITO MELHORADA, POR EX. POR INTENSIFICAÇÃO DA TERAPIA COM INSULINA5, PODEM NÃO APRESENTAR ALGUNS OU TODOS OS SINTOMAS2 ALARMANTES DE HIPOGLICEMIA1 E DEVEM SER ADVERTIDOS SOBRE ESSA POSSIBILIDADE.

ALGUNS PACIENTES QUE APRESENTARAM REAÇÕES HIPOGLICÊMICAS APÓS A TRANSFERÊNCIA DE UMA INSULINA5 DE ORIGEM ANIMAL PARA UMA INSULINA5 HUMANA, RELATARAM QUE OS SINTOMAS2 ALARMANTES PRECOCES DE HIPOGLICEMIA1 FORAM MENOS PRONUNCIADOS OU DIFERENTES DOS EXPERIMENTADOS COM SUAS INSULINAS PRÉVIAS. A NÃO CORREÇÃO DAS REAÇÕES HIPOGLICÊMICAS OU HIPERGLICÊMICAS PODE CAUSAR PERDA DA CONSCIÊNCIA, COMA6 OU MORTE.

A UTILIZAÇÃO DE DOSES INADEQUADAS OU A INTERRUPÇÃO DO TRATAMENTO, ESPECIALMENTE EM DIABÉTICOS INSULINO-DEPENDENTES, PODEM LEVAR À HIPERGLICEMIA7 E CETOACIDOSE DIABÉTICA8; CONDIÇÕES QUE SÃO POTENCIALMENTE LETAIS.

ALTERAÇÃO NA TERAPIA COM INSULINA5 - QUALQUER MUDANÇA DE INSULINA5 DEVE SER FEITA CAUTELOSAMENTE E SOMENTE SOB SUPERVISÃO MÉDICA. ALTERAÇÕES NA CONCENTRAÇÃO, TIPO (REGULAR, NPH, LENTA, ETC.), ESPÉCIE (animal, HUMANA) E/OU MÉTODO DE FABRICAÇÃO (INSULINA5 DERIVADA DE ADN RECOMBINANTE VERSUS ANIMAL) PODEM RESULTAR NA NECESSIDADE DE UMA ALTERAÇÃO NA DOSE PRESCRITA DE HUMALOG.

DOENÇAS OU ALTERAÇÕES EMOCIONAIS - AS NECESSIDADES DE HUMALOG PODEM AUMENTAR DURANTE UMA DOENÇA OU ALTERAÇÕES EMOCIONAIS.

INSUFICIÊNCIA RENAL9 OU HEPÁTICA10 - NA PRESENÇA DE INSUFICIÊNCIA RENAL9 OU HEPÁTICA10, AS NECESSIDADES DE INSULINA5 PODEM DIMINUIR.

MUDANÇA NAS ATIVIDADES OU NA DIETA - PODERÁ SER NECESSÁRIO UM AJUSTE DA DOSE SE OS PACIENTES AUMENTAREM SUA ATIVIDADE FÍSICA OU MUDAREM A DIETA USUAL.

CARCINOGÊNESE, MUTAGÊNESE E DANOS À FERTILIDADE - COMO OCORRE COM A INSULINA5 HUMANA, ESTUDOS EM ANIMAIS REALIZADOS COM HUMALOG, COM UM ANO DE DURAÇÃO, NÃO PRODUZIRAM EFEITOS PROLIFERATIVOS OU TUMORES NOS ÓRGÃOS E TECIDOS, QUANDO DOSES SUBCUTÂNEAS MUITO ALTAS FORAM ADMINISTRADAS NOS TESTES DE TOXICIDADE11 CRÔNICA. NOS ESTUDOS EM ANIMAIS, NÃO HOUVE EVIDÊNCIA DE DANOS À FERTILIDADE INDUZIDOS PELO HUMALOG.

USO DURANTE A GRAVIDEZ12 E AMAMENTAÇÃO13 (CATEGORIA B) A EXPERIÊNCIA DE ESTUDOS CLÍNICOS EM PACIENTES GESTANTES É LIMITADA. É FUNDAMENTAL MANTER UM CONTROLE ADEQUADO DA PACIENTE TRATADA COM HUMALOG DURANTE TODA GRAVIDEZ12. AS NECESSIDADES DE INSULINA5 GERALMENTE DIMINUEM DURANTE O PRIMEIRO TRIMESTRE E AUMENTAM DURANTE O SEGUNDO E TERCEIRO TRIMESTRES. AS PACIENTES DEVEM INFORMAR O MÉDICO SE ESTIVEREM GRÁVIDAS OU SE PRETENDEM ENGRAVIDAR. AQUELAS QUE ESTIVEREM AMAMENTANDO, PODEM NECESSITAR AJUSTES DE DOSES, DE DIETA OU AMBOS. MUITAS DROGAS, INCLUINDO A INSULINA5 HUMANA, SÃO EXCRETADAS NO LEITE HUMANO; PORÉM NÃO SE SABE SE HUMALOG É EXCRETADO NO LEITE HUMANO EM QUANTIDADES SIGNIFICATIVAS.

EFEITOS SOBRE A CAPACIDADE DE DIRIGIR E OPERAR MAQUINÁRIO - NÃO HÁ NENHUM EFEITO CONHECIDO SOBRE A CAPACIDADE DE DIRIGIR AUTOMÓVEIS OU DE OPERAR MAQUINÁRIO, QUANDO SE UTILIZA A DOSE TERAPÊUTICA14 CORRETA DE INSULINA5. A CAPACIDADE DE CONCENTRAÇÃO E REAÇÃO DO PACIENTE PODE ESTAR PREJUDICADA COMO UM RESULTADO DE HIPOGLICEMIA1. ISSO PODE CONSTITUIR UM RISCO EM SITUAÇÕES ONDE ESSAS HABILIDADES SÃO DE ESPECIAL IMPORTÂNCIA ( POR EXEMPLO, DIRIGIR AUTOMÓVEL OU OPERAR MAQUINÁRIO). OS PACIENTES DEVEM SER AVISADOS PARA TOMAREM CUIDADO E EVITAR A HIPOGLICEMIA1 ENQUANTO DIRIGEM, ISSO É PARTICULARMENTE IMPORTANTE PARA OS QUE TÊM SINAIS15 ALARMANTES DE HIPOGLICEMIA1 REDUZIDOS OU AUSENTES OU TÊM EPISÓDIOS FREQÜENTES DE HIPOGLICEMIA1. NESSAS CIRCUNSTÂNCIAS, DEVE-SE CONSIDERAR A POSSIBILIDADE DE NÃO DIRIGIR.

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Hipoglicemia: Condição que ocorre quando há uma queda excessiva nos níveis de glicose, freqüentemente abaixo de 70 mg/dL, com aparecimento rápido de sintomas. Os sinais de hipoglicemia são: fome, fadiga, tremores, tontura, taquicardia, sudorese, palidez, pele fria e úmida, visão turva e confusão mental. Se não for tratada, pode levar ao coma. É tratada com o consumo de alimentos ricos em carboidratos como pastilhas ou sucos com glicose. Pode também ser tratada com uma injeção de glucagon caso a pessoa esteja inconsciente ou incapaz de engolir. Também chamada de reação à insulina.
2 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
3 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
4 Glicemia: Valor de concentração da glicose do sangue. Seus valores normais oscilam entre 70 e 110 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl).
5 Insulina: Hormônio que ajuda o organismo a usar glicose como energia. As células-beta do pâncreas produzem insulina. Quando o organismo não pode produzir insulna em quantidade suficiente, ela é usada por injeções ou bomba de insulina.
6 Coma: 1. Alteração do estado normal de consciência caracterizado pela falta de abertura ocular e diminuição ou ausência de resposta a estímulos externos. Pode ser reversível ou evoluir para a morte. 2. Presente do subjuntivo ou imperativo do verbo “comer.“
7 Hiperglicemia: Excesso de glicose no sangue. Hiperglicemia de jejum é o nível de glicose acima dos níveis considerados normais após jejum de 8 horas. Hiperglicemia pós-prandial acima de níveis considerados normais após 1 ou 2 horas após alimentação.
8 Cetoacidose diabética: Complicação aguda comum do diabetes melito, é caracterizada pela tríade de hiperglicemia, cetose e acidose. Laboratorialmente se caracteriza por pH arterial 250 mg/dl, com moderado grau de cetonemia e cetonúria. Esta condição pode ser precipitada principalmente por infecções, infarto agudo do miocárdio, acidente vascular encefálico, trauma e tratamento inadequado do diabetes. Os sinais clínicos da cetoacidose são náuseas, vômitos, dor epigástrica (no estômago), hálito cetônico e respiração rápida. O não-tratamento desta condição pode levar ao coma e à morte.
9 Insuficiência renal: Condição crônica na qual o corpo retém líquido e excretas pois os rins não são mais capazes de trabalhar apropriadamente. Uma pessoa com insuficiência renal necessita de diálise ou transplante renal.
10 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
11 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
12 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
13 Amamentação: Ato da nutriz dar o peito e o lactente mamá-lo diretamente. É um fenômeno psico-sócio-cultural. Dar de mamar a; criar ao peito; aleitar; lactar... A amamentação é uma forma de aleitamento, mas há outras formas.
14 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
15 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.

Tem alguma dúvida sobre ADVERTÊNCIAS HUMALOG?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.