CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS E FARMACOLÓGICAS FISIOTON

Atualizado em 28/05/2016
FISIOTON é um medicamento composto pelo extrato seco padronizado das raízes da Rhodiola  L. (Crassulaceae).
Um grande número de substâncias ativas foram isoladas a partir das raízes e partes subterrâneas da Rhodiola  L. incluindo ácidos orgânicos, flavonoides, taninos, terpenoides e glicosídeos fenólicos (1). Resumidamente, os principais grupos de componentes químicos presentes no extrato das raízes da espécie são:
a) Derivados do fenilpropano: rosavina, rosina, rosarina;
b) Derivados do feniletano: tirosol, salidrosídeo (rhodiolosideo);
c) Flavonoides: rodiolina, rodionina, rodiosina, acetilrodalgina, tricina;
d) Monoterpernos: rosiridola, rosaridina;
e) Triterpenos: daucosterola, â-sitosterol;
f) Ácidos fenólicos: ácido clorogênico, ácido hidroxicinâmico, ácido gálico.
Os derivados do feniletano e fenilpropano são considerados como sendo os constituintes fundamentais para obtenção das atividades terapêuticas da planta(1).
O uso tradicional da Rhodiola  L. estimulou o desenvolvimento de numerosos estudos experimentais com o objetivo de identificar seu mecanismo de ação e compreender as bases para sua atividade denominada "adaptógena", demonstrando-se sua capacidade deproteção contra diversos fatores estressores1 endógenos e exógenos como, por exemplo, a presença de radicais livres, hipóxia2, frio e exercício físico intenso.
Com base nos resultados obtidos verificou-se que a utilização do extrato de Rhodiola  L. proporcionava de maneira eficaz o aumento da capacidade de trabalho físico, melhora dos reflexos, maior tolerância à hipóxia2, além de reduzir a fadiga3 e aumentar a performance física, sendo tais ações diferentes das observadas com as substâncias estimulantes, uma vez que os resultados positivos obtidos ocorrem de maneira gradual e não são seguidos por queda e/ou negativação dos resultados após a cessação dos efeitos, tal como se observa com os estimulantes.
A ação da Rhodiola  L. ocorre em diferentes níveis:
No tecido4 cerebral, a partir da liberação de noradrenalina5, serotonina e dopamina6 e através das vias ascendentes, ocorre a ativação do córtex cerebral e do sistema límbico, com a consequente estimulação das funções cognitivas (pensamento, análise, avaliação, cálculo7 e planejamento) e também da atenção, memória e aprendizado.
No sistema colinérgico8, a Rhodiola  L. mostrou ter capacidade de reverter o bloqueio das vias ascendentes que utilizam a acetilcolina9 como neurotransmissor, também contribuindo para a estimulação da memória retrograda, contribuindo para a melhora da disfunção dos sistemas neuronais.
Através de sua ação anti-oxidante, a R.  L. auxilia também na proteção do SNC10 contra a agressão oxidativa provocada pelos radicais livres.
A Rhodiola  L. pode também atuar sobre o tônus emocional através da influência sobre os níveis de neurotransmissores pertencentes às monoaminas (noradrenalina5, dopamina6 e serotonina) nos tratos nervosos, envolvendo a regulação do humor, ansiedade e emoção sobre a amídala, hipocampo11, hipotálamo12 e cérebro médio13 e estimulando a atividade nicotínica colinérgica14 no sistema límbico.
Os resultados de estudos com animais demonstraram que a R  L. aumenta os metabólitos15 energéticos essenciais, a adenosina tri-fosfato (ATP16) e a fosfatocreatina nas mitocôndrias17 musculares e cerebrais, além de aumentar a reassimilação de amônia e do metabolismo18 de energia celular através do aumento da síntese de ATP16, RNA, proteína e aminoácidos, aumentando com isso a capacidade de trabalho físico.
A Rhodiola  L. também apresenta efeitos benéficos diretos sobre o coração19, aumentando a produção celular de energia, com maior disponibilidade de ATP16, creatino-fosfato e AMPc e melhorando o balanço simpático20/parassimpático, modulando a variabilidade da frequência cardíaca e preservando a eficiência e a reserva de energia, além de contribuir para reduzir a ocorrência de taquicardia21 e taquiarritmias22 devido a diminuição da liberação de noradrenalina5 e de adrenalina23 pela suprarrenal.
Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Estressores: Que ou o que provoca ou conduz ao estresse.
2 Hipóxia: Estado de baixo teor de oxigênio nos tecidos orgânicos que pode ocorrer por diversos fatores, tais como mudança repentina para um ambiente com ar rarefeito (locais de grande altitude) ou por uma alteração em qualquer mecanismo de transporte de oxigênio, desde as vias respiratórias superiores até os tecidos orgânicos.
3 Fadiga: 1. Sensação de enfraquecimento resultante de esforço físico. 2. Trabalho cansativo. 3. Redução gradual da resistência de um material ou da sensibilidade de um equipamento devido ao uso continuado.
4 Tecido: Conjunto de células de características semelhantes, organizadas em estruturas complexas para cumprir uma determinada função. Exemplo de tecido: o tecido ósseo encontra-se formado por osteócitos dispostos em uma matriz mineral para cumprir funções de sustentação.
5 Noradrenalina: Mediador químico do grupo das catecolaminas, liberado pelas fibras nervosas simpáticas, precursor da adrenalina na parte interna das cápsulas das glândulas suprarrenais.
6 Dopamina: É um mediador químico presente nas glândulas suprarrenais, indispensável para a atividade normal do cérebro.
7 Cálculo: Formação sólida, produto da precipitação de diferentes substâncias dissolvidas nos líquidos corporais, podendo variar em sua composição segundo diferentes condições biológicas. Podem ser produzidos no sistema biliar (cálculos biliares) e nos rins (cálculos renais) e serem formados de colesterol, ácido úrico, oxalato de cálcio, pigmentos biliares, etc.
8 Colinérgico: 1. Relativo a ou semelhante à acetilcolina, especialmente quanto à ação fisiológica. 2. Diz-se das sinapses ou das fibras nervosas que liberam ou são ativadas pela acetilcolina.
9 Acetilcolina: A acetilcolina é um neurotransmissor do sistema colinérgico amplamente distribuído no sistema nervoso autônomo.
10 SNC: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo cérebro, medula espinhal e meninges.
11 Hipocampo: Elevação curva da substância cinzenta, que se estende ao longo de todo o assoalho no corno temporal do ventrículo lateral (Tradução livre de Córtex Entorrinal; Via Perfurante;
12 Hipotálamo: Parte ventral do diencéfalo extendendo-se da região do quiasma óptico à borda caudal dos corpos mamilares, formando as paredes lateral e inferior do terceiro ventrículo.
13 Cérebro Médio: O meio das três vesículas cerebrais primitivas no encéfalo embrionário. Sem outra subdivisão, o mesencéfalo se desenvolve em uma porção curta e estreita, unindo a PONTE e o DIENCÉFALO. O mesencéfalo contém duas partes principais
14 Colinérgica: 1. Relativo a ou semelhante à acetilcolina, especialmente quanto à ação fisiológica. 2. Diz-se das sinapses ou das fibras nervosas que liberam ou são ativadas pela acetilcolina.
15 Metabólitos: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
16 ATP: Adenosina Trifosfato (ATP) é nucleotídeo responsável pelo armazenamento de energia. Ela é composta pela adenina (base azotada), uma ribose (açúcar com cinco carbonos) e três grupos de fosfato conectados em cadeia. A energia é armazenada nas ligações entre os fosfatos. O ATP armazena energia proveniente da respiração celular e da fotossíntese, para consumo imediato, não podendo ser estocada. A energia pode ser utilizada em diversos processos biológicos, tais como o transporte ativo de moléculas, síntese e secreção de substâncias, locomoção e divisão celular, dentre outros.
17 Mitocôndrias: Organelas semi-autônomas que se auto-reproduzem, encontradas na maioria do citoplasma de todas as células, mas não de todos os eucariotos. Cada mitocôndria é envolvida por uma membrana dupla limitante. A membrana interna é altamente invaginada e suas projeções são denominadas cristas. As mitocôndrias são os locais das reações de fosforilação oxidativa, que resultam na formação de ATP. Elas contêm RIBOSSOMOS característicos, RNA DE TRANSFERÊNCIA, AMINOACIL-T RNA SINTASES e fatores de alongação e terminação. A mitocôndria depende dos genes contidos no núcleo das células no qual se encontram muitos RNAs mensageiros essenciais (RNA MENSAGEIRO). Acredita-se que a mitocôndria tenha se originado a partir de bactérias aeróbicas que estabeleceram uma relação simbiótica com os protoeucariotos primitivos.
18 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
19 Coração: Órgão muscular, oco, que mantém a circulação sangüínea.
20 Simpático: 1. Relativo à simpatia. 2. Que agrada aos sentidos; aprazível, atraente. 3. Em fisiologia, diz-se da parte do sistema nervoso vegetativo que põe o corpo em estado de alerta e o prepara para a ação.
21 Taquicardia: Aumento da frequência cardíaca. Pode ser devido a causas fisiológicas (durante o exercício físico ou gravidez) ou por diversas doenças como sepse, hipertireoidismo e anemia. Pode ser assintomática ou provocar palpitações.
22 Taquiarritmias: Cadência rápida do ritmo do coração, arritmias rápidas.
23 Adrenalina: 1. Hormônio secretado pela medula das glândulas suprarrenais. Atua no mecanismo da elevação da pressão sanguínea, é importante na produção de respostas fisiológicas rápidas do organismo aos estímulos externos. Usualmente utilizado como estimulante cardíaco, como vasoconstritor nas hemorragias da pele, para prolongar os efeitos de anestésicos locais e como relaxante muscular na asma brônquica. 2. No sentido informal significa disposição física, emocional e mental na realização de tarefas, projetos, etc. Energia, força, vigor.

Tem alguma dúvida sobre CARACTERÍSTICAS QUÍMICAS E FARMACOLÓGICAS FISIOTON?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.