POSOLOGIA &NBSP PUREGON

Atualizado em 25/05/2016

Existem grandes variações inter e intra-individuais na resposta dos ovários1 às gonadotrofínas exógenas, por isso é impossível estabelecer um esquema de dosagem uniforme. Portanto, o ajuste deve ser feito individualmente, dependendo da resposta do ovário2. Para isso é necessário fazer a monitorização através de ultra-sonografias e através da dosagem do nível estrogênico e (ou) avaliação clínica do nível estrogênico. Após dessensibilização3 hipofisária induzida por agonista4 do GnRH, uma dose maior de PUREGON pode ser necessária para se alcançar uma resposta ovariana adequada. A experiência clínica com PUREGON é baseada em até 3 ciclos de tratamento nas duas indicações. A experiência em FIV indica a taxa de sucesso do tratamento, permanece estável durante as primeiras 4 tentativas e declina gradualmente daí em diante. Anovulação5: Em geral é recomendado um esquema de tratamento seqüencial. Ele geralmente é iniciado com a administração diária de 75 UI de FSH, dose que deve ser mantida durante 5-7 dias. Se não for detectada uma resposta dos ovários1, a dose deve ser incrementada gradualmente até que os níveis de estrógeno6 comecem a aumentar. É considerada uma ótima velocidade de aumento da ordem de 40% - 100% ao dia. Então a dose eficaz diária é mantida até que se alcancem as condições de pré-ovulação7. As condições pré-ovulatórias são alcançadas quando há evidência ultra-sonográfica de um folículo8 dominante de pelo menos 18 mm de diâmetro e (ou) quando os níveis de estradiol plasmático de 300-900 picogramas/ml (1.000-3.000 pmol/l) são identificados. A administração de PUREGON é então interrompida e pode-se induzir a ovulação7. administrando gonadotrofina coriônica humana9 (hCG) a uma dose de 5.000-10.000 UI. Se os níveis de estrôgenos aumentarem muito rapidamente, mais que o dobro ao dia, durante 2 ou 3 dias consecutivos, a dose diária deverá ser diminuída. Como os folículos de mais de 14 mm podem produzir gravidez10, múltiplos folículos pré-ovulatórios com mais de 14 mm aumentam o risco de gravidez10 múltipla. Nesse caso, deve-se suspender o hCG para evitar gestações múltiplas. Hiperestimulação controlada do ovário2 em programas de reprodução assistida: Vários protocolos de estimulação podem ser empregados. Uma dose inicial de 150-225 UI é recomendada para os primeiros quatro dias de estimulação. Desse ponto em diante a dose deve ser ajustada individualmente, baseada na resposta ovariana. Estudos clínicos demonstraram que dosagens de manutenção, variando entre 75-375 UI por seis a doze dias são suficientes, embora tratamentos mais longos possam ser necessários, PUREGON pode ser usado isoladamente ou em combinação com agonista4 GnRH para prevenir a luteinização prematura. Nesse último caso, uma dose total de tratamento maior pode ser necessária. A maturação dos folículos é controlada por ultra-sonografia e pelos níveis plasmáticos de estrógenos. Quando a avaliação ecográfica indica a presença de, ao menos, três folículos de 16-20 mm, e a resposta de estradiol é boa [níveis plasmáticos de aproximadamente 300-400 picogramas/ml (1000-3.000 pmol/l) para cada folículo8 com um diâmetro maior que 18 mm], faz-se a indução da fase final da maturação folicular, administrando hCG a uma dose de 5.000-10.000 UI. A recuperação dos oócitos é realizada após 34 a 35 horas.
Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Ovários: São órgãos pares com aproximadamente 3cm de comprimento, 2cm de largura e 1,5cm de espessura cada um. Eles estão presos ao útero e à cavidade pelvina por meio de ligamentos. Na puberdade, os ovários começam a secretar os hormônios sexuais, estrógeno e progesterona. As células dos folículos maduros secretam estrógeno, enquanto o corpo lúteo produz grandes quantidades de progesterona e pouco estrógeno.
2 Ovário: Órgão reprodutor (GÔNADAS) feminino. Nos vertebrados, o ovário contém duas partes funcionais Sinônimos: Ovários
3 Dessensibilização: É uma maneira de parar ou diminuir a resposta a reações alérgicas a algumas coisas. Por exemplo, se uma pessoa apresenta uma reação alérgica a alguma substância, o médico dá a esta pessoa uma pequena quantidade desta substância para aumentar a sua tolerância e vai aumentando esta quantidade progressivamente. Após um período de tempo, maiores doses são oferecidas antes que a dose total seja dada. É uma maneira de ajudar o organismo a prevenir as reações alérgicas.
4 Agonista: 1. Em farmacologia, agonista refere-se às ações ou aos estímulos provocados por uma resposta, referente ao aumento (ativação) ou diminuição (inibição) da atividade celular. Sendo uma droga receptiva. 2. Lutador. Na Grécia antiga, pessoa que se dedicava à ginástica para fortalecer o físico ou como preparação para o serviço militar.
5 Anovulação: Alteração no funcionamento dos ovários, capaz de alterar a produção, maturação ou liberação normal de óvulos. Esta alteração pode ser intencional (como a induzida pelas pílulas anticoncepcionais) ou ser endógena. Pode ser uma causa de infertilidade.
6 Estrógeno: Grupo hormonal produzido principalmente pelos ovários e responsáveis por numerosas ações no organismo feminino (indução da primeira fase do ciclo menstrual, desenvolvimento dos ductos mamários, distribuição corporal do tecido adiposo em um padrão feminino, etc.).
7 Ovulação: Ovocitação, oocitação ou ovulação nos seres humanos, bem como na maioria dos mamíferos, é o processo que libera o ovócito II em metáfase II do ovário. (Em outras espécies em vez desta célula é liberado o óvulo.) Nos dias anteriores à ovocitação, o folículo secundário cresce rapidamente, sob a influência do FSH e do LH. Ao mesmo tempo que há o desenvolvimento final do folículo, há um aumento abrupto de LH, fazendo com que o ovócito I no seu interior complete a meiose I, e o folículo passe ao estágio de pré-ovocitação. A meiose II também é iniciada, mas é interrompida em metáfase II aproximadamente 3 horas antes da ovocitação, caracterizando a formação do ovócito II. A elevada concentração de LH provoca a digestão das fibras colágenas em torno do folículo, e os níveis mais altos de prostaglandinas causam contrações na parede ovariana, que provocam a extrusão do ovócito II.
8 Folículo: 1. Bolsa, cavidade em forma de saco. 2. Fruto simples, seco e unicarpelar, cuja deiscência se dá pela sutura que pode conter uma ou mais sementes (Ex.: fruto da magnólia).
9 Gonadotrofina coriônica humana: Gonadotrofina coriônica humana ou HCG é uma glicoproteína hormonal produzida pelas células trofoblásticas sinciciais nos líquidos maternos. No início da gravidez as concentrações de HCG no soro e na urina da mulher aumentam rapidamente, sendo um bom marcador para testes de gravidez. Sete a dez dias após a concepção, a concentração de HCG alcança 25 mUI/mL e aumenta ao pico de 37.000-50.000 mUI/mL entre oito e onze semanas. É o único hormônio exclusivo da gravidez, fazendo com que o teste de gravidez pela análise de HCG tenha acerto de quase 100%. É o único exame que comprova exatamente a gravidez.
10 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.

Tem alguma dúvida sobre POSOLOGIA &NBSP PUREGON?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.