USO ADULTO E OU PEDIÁTRICO METREXATO

Atualizado em 28/05/2016

Cada comprimido do produto contém: Metotrexato (como sal sódico)    2,5 mg
Excipientes q.s.p.    1 comprimido
Componentes não ativos: lactose1, amido de milho, celulose microcristalina, estearato de magnésio.


- INFORMAÇÕES AO PACIENTE

O metotrexato atua interferindo na replicação celular de células2 malignas, e também em processos de artrite reumatóide3 e psoríase4.
O produto deve ser conservado em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C), protegido da umidade e da luz.

Prazo de validade: 24 meses. ATENÇÃO: Não utilize o produto após vencido o prazo de validade, sob o risco de não produzir os efeitos desejados.
Os pacientes devem ser informados sobre os sinais5 e sintomas6 precoces de toxicidade7 e da necessidade de procurar um médico imediatamente caso eles ocorram, além da necessidade de acompanhamento profissional de perto, incluindo exames laboratoriais periódicos. Tanto o médico quanto o farmacêutico devem enfatizar ao paciente que a dose recomendada é administrada semanalmente em artrite reumatóide3 e psoríase4 e que o uso diário equivocado da dose recomendada pode levar à toxicidade7 fatal. Os pacientes devem ser informados do benefício em potencial e dos riscos do uso do metotrexato. O risco de efeitos na reprodução8 deve ser discutido com os pacientes (homens e mulheres) que estejam fazendo uso de metotrexato.
Informar seu médico a ocorrência de gravidez9 na vigência do tratamento ou após o seu término.
Informar ao médico se está amamentando.
Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.
Não interromper o tratamento sem o conhecimento de seu médico.
Informe seu médico o aparecimento de reações desagradáveis, as mais freqüentes são: estomatite10 ulcerativa, leucopenia11, náusea12 e desconforto abdominal. Outros efeitos adversos freqüentemente relatados são mal-estar, calafrios13 e febre14, vertigem15 e diminuição da resistência a infecção16. Qualquer outro tipo de reação deve ser informada ao médico assistente.

"TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS".


O produto deve ser usado com cautela em associação com outros medicamentos.
O produto é contra-indicado em pacientes hipersensíveis ao metotrexato ou a qualquer outro componente da formulação.
Informe seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início, ou durante o tratamento.
O produto não deve ser utilizado durante a gravidez9 e lactação17.
O produto deve ser utilizado com cautela em pacientes geriátricos.

"NÃO TOME REMÉDIO SEM CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO,
PODE SER PERIGOSO PARA SUA SAÚDE18."



- INFORMAÇÃO TÉCNICA


O metotrexato (anteriormente denominado de Ametoptepirin) é um antimetabólito utilizado no tratamento de certas doenças neoplásicas19, psoríase4 severa, e artrite reumatóide3 adulta.
O metotrexato inibe a enzima20 redutora do ácido diidrofólico. Diidrofolatos devem ser reduzidos a tetraiidrofolatos por esta enzima20, antes podendo ser utilizados como carreadores de grupos carbônicos na síntese dos nucleotídeos de purina e timidilatos. Deste modo, o metotrexato interfere com a síntese de DNA, replicação celular e restauração celular. A proliferação ativa dos tecidos, como as células2 malignas, médula óssea, células2 fetais, mucosa21 bucal e intestinal, e células2 da bexiga22 são geralmente mais sensíveis ao efeito do metotrexato. Quando a proliferação celular nos tecidos malignos é maior do que na maioria dos tecidos normais, o metotrexato pode prejudicar o crescimento dessas células2 malignas sem ocasionar danos aos tecidos normais.
O mecanismo de ação na artrite reumatóide3 é desconhecido; podendo afetar a função imune. Embora haja evidência que o metotrexato melhore os sintomas6 da inflamação23, não há nenhuma evidência que induza a remissão da artrite reumatóide3. A maioria dos estudos em pacientes com artrite reumatóide3 são relativamente curtos (3 a 6 meses). Dados limitados de estudos a longo prazo indicam que uma melhora inicial clínica é mantida por pelo menos dois anos com terapia contínua.
Na psoríase4, a taxa de produção de células2 epiteliais na pele24 é mais aumentada do que na pele24 normal. Esta diferença na taxa de proliferação é a base para o uso do metotrexato para controlar o processo da psoríase4.
O metotrexato em altas doses, seguido de leucovorina, é utilizado como parte do tratamento de pacientes com osteossarcoma. O fundamento lógico original para altas doses na terapia com metotrexato foi baseada no conceito de recuperação seletiva de leucovorina nos tecidos normais. Evidências mais recentes sugerem que altas doses de metotrexato podem superar a resistência do metotrexato causada pela ação prejudicada do transporte ativo, diminuição da afinidade do ácido diidrofólico redutase para o metotrexato, níveis aumentados do ácido diidrofólico redutase resultante da amplificação dos genes, ou diminuição da poliglutamação do metotrexato. O atual mecanismo de ação é desconhecido.

Farmacocinética:

Em adultos a absorção oral parece ser dose-dependente. Os picos de níveis de soro25 são atingidos dentro de uma a duas horas. A doses de 30 mg/m2 ou menos, o metotrexato é geralmente bem absorvido com uma biodisponibilidade média de aproximadamente 60%. A absorção de doses maiores que 80 mg/m2 é significante menor, possivelmente devido ao seu efeito de saturação. A comida parece retardar a absorção e reduzir o pico de concentração plasmática. O metotrexato é geralmente absorvido completamente nas vias normais de injetáveis. Após injeção intramuscular26, o pico das concentrações séricas ocorre em 30 a 60 minutos.
Após administração endovenosa, o volume inicial de distribuição é de aproximadamente 0,18 L/kg (18% do peso corporal) e o volume de distribuição no ponto de equilíbrio é de aproximadamente 0,4 a 0,8 L/kg (40% a 80% do peso corporal). O metotrexato compete com os folatos reduzidos no transporte ativo pela parede celular das membranas por meio de um transporte ativo simples mediado por carreador. Em concentrações séricas maiores que 100 micromolar, a difusão passiva torna-se o maior caminho pelo qual as concentrações intracelulares podem ser alcançadas. O metotrexato sérico encontra-se ligado aproximadamente 50% às proteínas27. Estudos laboratoriais demonstraram que o metotrexato pode ser deslocado da albumina28 plasmática por vários compostos incluindo sulfonamidas, salicilatos, tetraciclinas, cloranfenicol, e fenitoína.
O metotrexato não penetra na barreira do fluido sangüíneo cérebro29-espinhal em quantidades terapêuticas quando administrado por via oral ou parenteral.
Após absorção o metotrexato passa por metabolismo30 hepático e intracelular para as formas poliglutamatos que podem ser convertidas novamente a metotrexato por enzimas hidrolases. Estes poliglutamatos agem como inibidores da diidrofolato redutase timidilato sintetase. Pequenas quantidades de metotrexato poliglutamato podem permanecer nos tecidos por longos períodos. A retenção e a ação prolongada destes metabólitos31 ativos variam entre as diferentes células2, tecidos e tumores. Uma pequena quantidade de metabolismo30 para 7-hidroximetotrexato pode ocorrer a doses comumente prescritas. Acumulação deste metabólito32 pode tornar-se significante a altas doses utilizadas no sarcoma33 osteogênico. O metotrexato é parcialmente metabolizado pela flora intestinal após administração oral.
A meia-vida de administração registrada para o metotrexato é aproximadamente três a dez horas para pacientes34 recebendo tratamento para psoríase4, ou artrite reumatóide3 ou baixas doses de terapia antineoplásica (menos de 30 mg/m2). Para pacientes34 recebendo altas doses de metotrexato, a meia-vida terminal é de oito a quinze horas.
A excreção renal35 é a primeira via de eliminação, e é dependente da dosagem e da via de administração. Com administração EV, 80% a 90% da dose administrada é excretada sem modificação na urina36 dentro de 24 horas. Observa-se excreção biliar limitada compreendendo 10% ou menos da dose administrada.
A excreção renal35 ocorre por filtração glomerular e secreção tubular ativa. Eliminação não-linear devida a saturação da reabsorção tubular foi observada em pacientes com psoríase4 com doses entre 7,5 a 30 mg. Função renal35 prejudicada, assim como o uso concorrente de drogas como ácidos orgânicos fracos que também passam por secreção tubular, podem marcadamente aumentar os níveis séricos de metotrexato.
As taxas de clearance do metotrexato variam amplamente e estão geralmente diminuídas a altas doses. O retardo no clearance do metotrexato foi identificado como sendo um dos maiores fatores responsáveis para a toxicidade7 do metotrexato. Foi verificado que a toxicidade7 do metotrexato para tecidos normais é mais dependente da duração de exposição a droga do que os níveis de pico encontrados.
O potencial de toxicidade7 em altas doses ou excreção retardada é reduzida pela administração de leucovorina cálcica durante a fase final de eliminação de metotrexato plasmático. Uma monitoração da farmacocinética das concentrações séricas de metotrexato pode auxiliar a identificar quais os pacientes com alto risco de toxicidade7 pelo metotrexato e auxiliar nos ajustes adequados da dose de leucovorina.
O metotrexato foi detectado no leite de nutrizes37.  

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Lactose: Tipo de glicídio que possui ligação glicosídica. É o açúcar encontrado no leite e seus derivados. A lactose é formada por dois carboidratos menores, chamados monossacarídeos, a glicose e a galactose, sendo, portanto, um dissacarídeo.
2 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
3 Artrite reumatóide: Doença auto-imune de etiologia desconhecida, caracterizada por poliartrite periférica, simétrica, que leva à deformidade e à destruição das articulações por erosão do osso e cartilagem. Afeta mulheres duas vezes mais do que os homens e sua incidência aumenta com a idade. Em geral, acomete grandes e pequenas articulações em associação com manifestações sistêmicas como rigidez matinal, fadiga e perda de peso. Quando envolve outros órgãos, a morbidade e a gravidade da doença são maiores, podendo diminuir a expectativa de vida em cinco a dez anos.
4 Psoríase: Doença imunológica caracterizada por lesões avermelhadas com descamação aumentada da pele dos cotovelos, joelhos, couro cabeludo e costas juntamente com alterações das unhas (unhas em dedal). Evolui através do tempo com melhoras e pioras, podendo afetar também diferentes articulações.
5 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
6 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
7 Toxicidade: Capacidade de uma substância produzir efeitos prejudiciais ao organismo vivo.
8 Reprodução: 1. Função pela qual se perpetua a espécie dos seres vivos. 2. Ato ou efeito de reproduzir (-se). 3. Imitação de quadro, fotografia, gravura, etc.
9 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
10 Estomatite: Inflamação da mucosa oral produzida por infecção viral, bacteriana, micótica ou por doença auto-imune. É caracterizada por dor, ardor e vermelhidão da mucosa, podendo depositar-se sobre a mesma uma membrana brancacenta (leucoplasia), ou ser acompanhada de bolhas e vesículas.
11 Leucopenia: Redução no número de leucócitos no sangue. Os leucócitos são responsáveis pelas defesas do organismo, são os glóbulos brancos. Quando a quantidade de leucócitos no sangue é inferior a 6000 leucócitos por milímetro cúbico, diz-se que o indivíduo apresenta leucopenia.
12 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
13 Calafrios: 1. Conjunto de pequenas contrações da pele e dos músculos cutâneos ao longo do corpo, muitas vezes com tremores fortes e palidez, que acompanham uma sensação de frio provocada por baixa temperatura, má condição orgânica ou ainda por medo, horror, nojo, etc. 2. Sensação de frio e tremores fortes, às vezes com bater de dentes, que precedem ou acompanham acessos de febre.
14 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
15 Vertigem: Alucinação de movimento. Pode ser devido à doença do sistema de equilíbrio, reação a drogas, etc.
16 Infecção: Doença produzida pela invasão de um germe (bactéria, vírus, fungo, etc.) em um organismo superior. Como conseqüência da mesma podem ser produzidas alterações na estrutura ou funcionamento dos tecidos comprometidos, ocasionando febre, queda do estado geral, e inúmeros sintomas que dependem do tipo de germe e da reação imunológica perante o mesmo.
17 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
18 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
19 Neoplásicas: Que apresentam neoplasias, ou seja, que apresentam processo patológico que resulta no desenvolvimento de neoplasma ou tumor. Um neoplasma é uma neoformação de crescimento anormal, incontrolado e progressivo de tecido, mediante proliferação celular.
20 Enzima: Proteína produzida pelo organismo que gera uma reação química. Por exemplo, as enzimas produzidas pelo intestino que ajudam no processo digestivo.
21 Mucosa: Tipo de membrana, umidificada por secreções glandulares, que recobre cavidades orgânicas em contato direto ou indireto com o meio exterior.
22 Bexiga: Órgão cavitário, situado na cavidade pélvica, no qual é armazenada a urina, que é produzida pelos rins. É uma víscera oca caracterizada por sua distensibilidade. Tem a forma de pêra quando está vazia e a forma de bola quando está cheia.
23 Inflamação: Conjunto de processos que se desenvolvem em um tecido em resposta a uma agressão externa. Incluem fenômenos vasculares como vasodilatação, edema, desencadeamento da resposta imunológica, ativação do sistema de coagulação, etc.Quando se produz em um tecido superficial (pele, tecido celular subcutâneo) pode apresentar tumefação, aumento da temperatura local, coloração avermelhada e dor (tétrade de Celso, o cientista que primeiro descreveu as características clínicas da inflamação).
24 Pele: Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
25 Soro: Chama-se assim qualquer líquido de características cristalinas e incolor.
26 Injeção intramuscular: Injetar medicamento em forma líquida no músculo através do uso de uma agulha e seringa.
27 Proteínas: Um dos três principais nutrientes dos alimentos. Alimentos que fornecem proteína incluem carne vermelha, frango, peixe, queijos, leite, derivados do leite, ovos.
28 Albumina: Proteína encontrada no plasma, com importantes funções, como equilíbrio osmótico, transporte de substâncias, etc.
29 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
30 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
31 Metabólitos: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
32 Metabólito: Qualquer composto intermediário das reações enzimáticas do metabolismo.
33 Sarcoma: Neoplasia maligna originada de células do tecido conjuntivo. Podem aparecer no tecido adiposo (lipossarcoma), muscular (miossarcoma), ósseo (osteosarcoma), etc.
34 Para pacientes: Você pode utilizar este texto livremente com seus pacientes, inclusive alterando-o, de acordo com a sua prática e experiência. Conheça todos os materiais Para Pacientes disponíveis para auxiliar, educar e esclarecer seus pacientes, colaborando para a melhoria da relação médico-paciente, reunidos no canal Para Pacientes . As informações contidas neste texto são baseadas em uma compilação feita pela equipe médica da Centralx. Você deve checar e confirmar as informações e divulgá-las para seus pacientes de acordo com seus conhecimentos médicos.
35 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
36 Urina: Resíduo líquido produzido pela filtração renal no organismo, estocado na bexiga e expelido pelo ato de urinar.
37 Nutrizes: Mulheres que amamentam; amas de leite; que alimentam.

Tem alguma dúvida sobre USO ADULTO E OU PEDIÁTRICO METREXATO?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.