REAÇÕES ADVERSAS AGRASTAT

Atualizado em 28/05/2016

O evento adverso relacionado à medicação mais comum durante o tratamento com AGRASTAT® quando usado concomitantemente com heparina e aspirina, foi sangramento (geralmente relatado pelos pesquisadores como discreto ou leve). As incidências de sangramentos menores e maiores, com base nos critérios TIMI++, nos estudos PRISM-PLUS (Inibição dos Receptores Plaquetários no Controle da Síndrome1 Isquêmica - Pacientes Limitados por Sinais2 e Sintomas3 Instáveis) e  RESTORE (Estudo Randômico da Eficácia da Tirofibana quanto à Evolução e Estenoses4 Recorrentes) são descritas a seguir:

            PRISM-PLUSõ             RESTOREõ

            IMSEST Infarto5 do  Angioplastia6/aterectomia
 Miocárdio7 sem elevação
            do segmento ST


Sangramentos
 AGRASTAT® +     Heparina AGRASTAT®+      Heparina    
            Heparina         (n= 797)        Heparina         (n= 1071)
            (n= 773)                (n= 1071)
                     
                    

            %        %        %        %

Sangramentos         1,4         0,8         2,2        1,6
maiores (Critério TIMI)
*

Sangramentos         10,5        8,0        12,0        6,3        
menores (Critério TIMI)
˜

Transfusões        4,0         2,8        4,3        2,5

õ     Pacientes que receberam aspirina, a menos que contra-indicado.

*   Queda de hemoglobina8 superior a 50 g/L com ou sem identificação do local, hemorragia9 intracraniana ou tamponamento cardíaco.

˜     Queda de hemoglobina8 superior a 30 g/L com sangramento em local conhecido, hematúria10 espontânea, hematêmese11 ou hemoptise12.

++ Bovill E G et al. Hemorrhagic Events during Therapy with Recombinant Tissue-Type Plasminogen Activator, Heparin, and Aspirin for Acute Myocardial Infarction, Results of the Thrombolysis in Myocardial Infarction (TIMI), Phase II Trial. Annals of Internal Medicine, 1991 Aug 15;115(4):256-65.

Não há relatos de hemorragia9 intracraniana no grupo que recebeu AGRASTAT® em combinação com heparina ou no grupo controle (que recebeu heparina) no estudo PRISM-PLUS. A incidência13 de hemorragia9 intracraniana no estudo RESTORE foi de 0,1% no grupo que recebeu AGRASTAT® em combinação com heparina e de 0,3% no grupo controle (que recebeu heparina). No estudo PRISM-PLUS, as incidências de hemorragia9 retroperitonial relatadas no grupo que recebeu AGRASTAT® em combinação com heparina e no grupo controle foram de 0,0% e 0,1%, respectivamente. No estudo RESTORE, as incidências de hemorragia9 retroperitoneal14 relatadas no grupo que recebeu AGRASTAT® em combinação com heparina e no grupo controle foram 0,6% e 0,3%, respectivamente.

Pacientes do sexo feminino e pacientes idosos que receberam AGRASTAT® com heparina ou heparina isoladamente apresentaram maior incidência13 de complicações hemorrágicas15 do que pacientes do sexo masculino e pacientes mais jovens, respectivamente. O incremento do risco de hemorragias16 em pacientes tratados com AGRASTAT® em combinação com heparina sobre o risco em pacientes tratados com heparina isoladamente foi comparável independentemente da idade ou sexo. Não é recomendado ajuste posológico para esses grupos (veja POSOLOGIA E ADMINISTRAÇÃO , Outros Grupos de Pacientes).

A probabilidade de redução do número de plaquetas17 foi maior em pacientes tratados com AGRASTAT® e heparina do que nos pacientes do grupo controle. Essas reduções foram reversíveis após descontinuação da terapia com AGRASTAT®. A porcentagem de pacientes com diminuição de plaquetas17 para menos de 90.000 células18/mm3 foi 1,5%. A porcentagem de pacientes com diminuição de plaquetas17 para menos de 50.000 células18/mm3 foi 0,3%. Foi observada diminuição de plaquetas17 em pacientes sem histórico de trombocitopenia19 quando antagonistas do receptor de GP IIb/IIIa foram readministrados.

As reações adversas não hemorrágicas15 relacionadas à medicação mais freqüentemente relatadas com a administração concomitante de AGRASTAT® e heparina, que ocorreram a uma incidência13 superior a 1%, foram náusea20 (1,7%), febre21 (1,5%) e cefaléia22 (1,1%) versus 1,4%, 1,1% e 1,2%, respectivamente, no grupo controle.

Em estudos clínicos, as incidências de eventos adversos foram geralmente similares entre raças diferentes, pacientes com ou sem hipertensão23, pacientes com ou sem diabetes melito24 e pacientes com ou sem hipercolesterolemia25.

A incidência13 geral de eventos adversos não hemorrágicos26 foi maior em pacientes do sexo feminino (em comparação a pacientes do sexo masculino) e em pacientes mais velhos (em comparação a pacientes mais jovens), entretanto, as incidências de eventos adversos não hemorrágicos26 nesses pacientes foi comparável entre o grupo que recebeu AGRASTAT® e heparina e o grupo que recebeu heparina isoladamente (veja acima eventos adversos hemorrágicos26).

As seguintes reações adversas também foram relatadas após a comercialização:

Hemorragia9: hemorragia9 intracraniana, hemorragia9 retroperitoneal14, hemopericárdio, hemorragia9 pulmonar (alveolar) e hematoma27 espino-epidural28. Raramente foram relatadas hemorragias16 fatais; Organismo em geral: plaquetopenia29 aguda e/ou grave (veja acima) que pode estar associada a calafrios30, febre21 baixa ou complicações hemorrágicas15; Hipersensibilidade: reações alérgicas graves, inclusive reações anafiláticas31. Os casos relatados ocorreram durante o primeiro dia de infusão de tirofibana, durante o tratamento inicial, e durante a readministração de tirofibana. Alguns casos foram associados com trombocitopenia19 grave (contagem de plaquetas17 < 10.000/mm3).

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
2 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
3 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
4 Estenoses: Estreitamentos patológicos de um conduto, canal ou orifício.
5 Infarto: Morte de um tecido por irrigação sangüínea insuficiente. O exemplo mais conhecido é o infarto do miocárdio, no qual se produz a obstrução das artérias coronárias com conseqüente lesão irreversível do músculo cardíaco.
6 Angioplastia: Método invasivo mediante o qual se produz a dilatação dos vasos sangüíneos arteriais afetados por um processo aterosclerótico ou trombótico.
7 Miocárdio: Tecido muscular do CORAÇÃO. Composto de células musculares estriadas e involuntárias (MIÓCITOS CARDÍACOS) conectadas, que formam a bomba contrátil geradora do fluxo sangüíneo. Sinônimos: Músculo Cardíaco; Músculo do Coração
8 Hemoglobina: Proteína encarregada de transportar o oxigênio desde os pulmões até os tecidos do corpo. Encontra-se em altas concentrações nos glóbulos vermelhos.
9 Hemorragia: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
10 Hematúria: Eliminação de sangue juntamente com a urina. Sempre é anormal e relaciona-se com infecção do trato urinário, litíase renal, tumores ou doença inflamatória dos rins.
11 Hematêmese: Eliminação de sangue proveniente do tubo digestivo, através de vômito.
12 Hemoptise: Eliminação de sangue vivo, vermelho rutilante, procedente das vias aéreas juntamente com a tosse. Pode ser manifestação de um tumor de pulmão, bronquite necrotizante ou tuberculose pulmonar.
13 Incidência: Medida da freqüência em que uma doença ocorre. Número de casos novos de uma doença em um certo grupo de pessoas por um certo período de tempo.
14 Retroperitoneal: Área que ocupa a região mais posterior da CAVIDADE ABDOMINAL. Esta área limita-se lateralmente pelas bordas dos músculos quadrados lombares e se estende do DIAFRAGMA à borda da PELVE verdadeira, continuando então como espaço extraperitoneal pélvico.
15 Hemorrágicas: Relativo à hemorragia, ou seja, ao escoamento de sangue para fora dos vasos sanguíneos.
16 Hemorragias: Saída de sangue dos vasos sanguíneos ou do coração para o exterior, para o interstício ou para cavidades pré-formadas do organismo.
17 Plaquetas: Elemento do sangue (não é uma célula porque não apresenta núcleo) produzido na medula óssea, cuja principal função é participar da coagulação do sangue através da formação de conglomerados que tamponam o escape do sangue por uma lesão em um vaso sangüíneo.
18 Células: Unidades (ou subunidades) funcionais e estruturais fundamentais dos organismos vivos. São compostas de CITOPLASMA (com várias ORGANELAS) e limitadas por uma MEMBRANA CELULAR.
19 Trombocitopenia: É a redução do número de plaquetas no sangue. Contrário de trombocitose. Quando a quantidade de plaquetas no sangue é inferior a 150.000/mm³, diz-se que o indivíduo apresenta trombocitopenia (ou plaquetopenia). As pessoas com trombocitopenia apresentam tendência de sofrer hemorragias.
20 Náusea: Vontade de vomitar. Forma parte do mecanismo complexo do vômito e pode ser acompanhada de sudorese, sialorréia (salivação excessiva), vertigem, etc.
21 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5°C e temperatura retal acima de 38°C. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
22 Cefaleia: Sinônimo de dor de cabeça. Este termo engloba todas as dores de cabeça existentes, ou seja, enxaqueca ou migrânea, cefaleia ou dor de cabeça tensional, cefaleia cervicogênica, cefaleia em pontada, cefaleia secundária a sinusite, etc... são tipos dentro do grupo das cefaleias ou dores de cabeça. A cefaleia tipo tensional é a mais comum (acomete 78% da população), seguida da enxaqueca ou migrânea (16% da população).
23 Hipertensão: Condição presente quando o sangue flui através dos vasos com força maior que a normal. Também chamada de pressão alta. Hipertensão pode causar esforço cardíaco, dano aos vasos sangüíneos e aumento do risco de um ataque cardíaco, derrame ou acidente vascular cerebral, além de problemas renais e morte.
24 Diabetes melito: Condição caracterizada por hiperglicemia resultante da inabilidade do organismo para usar a glicose sangüínea para produzir energia. No diabetes tipo 1, o pâncreas não mais produz insulina. Assim, a glicose não pode entrar nas células para ser usada como energia. No diabetes tipo 2, o pâncreas também não produz quantidade suficiente de insulina, ou então o organismo não é capaz de usar corretamente a insulina produzida.
25 Hipercolesterolemia: Aumento dos níveis de colesterol do sangue. Está associada a uma maior predisposição ao desenvolvimento de aterosclerose.
26 Hemorrágicos: Relativo à hemorragia, ou seja, ao escoamento de sangue para fora dos vasos sanguíneos.
27 Hematoma: Acúmulo de sangue em um órgão ou tecido após uma hemorragia.
28 Epidural: Mesmo que peridural. Localizado entre a dura-máter e a vértebra (diz-se do espaço do canal raquidiano). Na anatomia geral e na anestesiologia, é o que se localiza ou que se faz em torno da dura-máter.
29 Plaquetopenia: Plaquetopenia ou trombocitopenia é a diminuição do número de plaquetas (trombócitos) que participam na coagulação. Habitualmente o sangue contém de 150.000 a 350.000 plaquetas por microlitro. Muitas doenças podem reduzir o número de plaquetas, as principais causas são uma produção insuficiente na medula óssea, o sequestro das plaquetas por um baço grande, o aumento do uso dos trombócitos, da sua destruição ou a sua diluição no sangue.
30 Calafrios: 1. Conjunto de pequenas contrações da pele e dos músculos cutâneos ao longo do corpo, muitas vezes com tremores fortes e palidez, que acompanham uma sensação de frio provocada por baixa temperatura, má condição orgânica ou ainda por medo, horror, nojo, etc. 2. Sensação de frio e tremores fortes, às vezes com bater de dentes, que precedem ou acompanham acessos de febre.
31 Reações anafiláticas: É um tipo de reação alérgica sistêmica aguda. Esta reação ocorre quando a pessoa foi sensibilizada (ou seja, quando o sistema imune foi condicionado a reconhecer uma substância como uma ameaça ao organismo). Na segunda exposição ou nas exposições subseqüentes, ocorre uma reação alérgica. Essa reação é repentina, grave e abrange o corpo todo. O sistema imune libera anticorpos. Os tecidos liberam histamina e outras substâncias. Esse mecanismo causa contrações musculares, constrição das vias respiratórias, dificuldade respiratória, dor abdominal, cãimbras, vômitos e diarréia. A histamina leva à dilatação dos vasos sangüíneos (que abaixa a pressão sangüínea) e o vazamento de líquidos da corrente sangüínea para os tecidos (que reduzem o volume de sangue) o que provoca o choque. Ocorrem com freqüência a urticária e o angioedema - este angioedema pode resultar na obstrução das vias respiratórias. Uma anafilaxia prolongada pode causar arritmia cardíaca.

Tem alguma dúvida sobre REAÇÕES ADVERSAS AGRASTAT?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.