INFORMAÇÕES AO PACIENTE EXODUS

Atualizado em 28/05/2016

Ação esperada do medicamento

EXODUS é um medicamento da classe dos inibidores seletivos da recaptação de serotonina (ISRS), que é uma classe do grupo dos antidepressivos. EXODUS é o mais seletivo ISRS, e age no cérebro1, onde corrige as concentrações inadequadas de deter minadas substâncias denominadas neurotransmissores, em especial a serotonina, que causam os sintomas2 na situação de doença.

Indicações do medicamento

EXODUS é indicado para tratar a depressão, com melhora dos sintomas2 de ansiedade relacionados a esta e, após a melhora, para prevenir a recorrência3 dos episódios depressivos. Tratar o transtorno do pânico, o transtorno de ansiedade generalizada (TAG) e o transtorno de ansiedade social, que também é chamado de fobia4 social.

Cuidados de armazenamento

Conservar em temperatura ambiente (temperatura entre 15 e 30°C). Proteger da luz e umidade. O medicamento deve ser armazenado na embalagem original até sua total utilização.

Prazo de validade

Desde que respeitados os cuidados de armazenamento, o medicamento apresenta uma validade de 24 meses a contar da data de sua fabricação. Não utilize o medicamento após o vencimento do prazo de validade, pois pode ser prejudicial à saúde5.

Gravidez6 e lactação7

O uso de EXODUS durante a gravidez6 poderá resultar em distúrbios neurológicos e compor- tamentais no recém-nascido.

Informe seu médico a ocorrência de gravidez6 na vigência do tratamento ou após o seu término. Informar ao médico se está amamentando.

Este medicamento não deve ser utilizado por mulheres grávidas sem orientação médica ou do cirurgião-dentista.

Cuidados de administração

Os comprimidos de EXODUS são administrados por via oral, uma única vez ao dia. Os comprimidos de EXODUS podem ser tomados em qualquer momento do dia, com ou sem alimentos. Preferencialmente tomar sempre no mesmo horário. Engolir os comprimidos com água, sem mastigá-los.

Siga a orientação do seu médico, respeitando sempre os horários, as doses e a duração do tratamento.

Interrupção do tratamento

Como ocorre com outros medicamentos para depressão e transtorno de pânico, a ação do medicamento demora algumas semanas para ser percebida.

Nunca trocar a dose do medicamento sem antes falar com seu médico.

A duração do tratamento é individual e usualmente o período mínimo é de 6 meses. Você deve continuar a tomar seus medicamentos pelo período recomendado e não deve interromper o uso do medicamento sem a orientação médica, mesmo se sentir uma melho ra. Apesar do tratamento e da melhora que o acompanha, a doença persiste por um longo período e, se o tratamento for interrompido antes do momento correto, os sintomas2 podem retornar.

Pacientes que tem depressão recorrente se beneficiam de tratamento continuado, às vezes por vários anos, para a prevenção de novos episódios.

Não interromper o tratamento sem o conhecimento do seu médico.

Reações adversas

Como ocorre com qualquer medicamento, EXODUS pode causar efeitos adversos em algumas pessoas durante o tratamento. Os efeitos adversos observados com EXODUS são em geral leves e transitórios. Quando ocorrem, são mais freqüentes durante a primeira ou segunda semana de uso e, geralmente, diminuem de intensidade e frequência no decorrer do tratamento.

EXODUS não compromete a função intelectual nem a motora, e apresenta pouca ou nenhuma propriedade sedativa, seja sozinho ou em associação com álcool.

O efeito adverso mais comum com o uso de EXODUS é o enjôo, que na maioria dos casos desaparece até o final das duas primeiras semanas de uso.

Outros efeitos adversos possíveis com o uso de EXODUS são: sinusite8 (nariz9 congestionado ou com coriza10), diminuição do apetite, dificuldade para adormecer, sonolência, tonturas11, bocejos, diarréia12, constipação13 intestinal, sudorese14 aumentada, perturbações sexuais (demora na ejaculação15, problemas de ereção16, diminuição da libido17; mulheres podem ter dificuldade em atingir orgasmo), cansaço, febre18.

Alguns efeitos adversos são muito raros e podem acontecer com os ISRSs, classe à qual EXODUS pertence.

Se surgirem os sintomas2 descritos a seguir, o uso de EXODUS deverá ser interrompido e o médico deverá ser contatado imediatamente:

 - sensação de mal estar com fraqueza muscular e confusão mental podem ser sinais19 de uma condição rara denominada hiponatremia20 (concentração anormal de sódio no sangue21) que pode ser desencadeada pelo uso de ISRS, especialmente em mulheres idosas;

 - febre18 alta, agitação, confusão, contrações musculares abruptas e tremores podem ser sinais19 de uma condição rara denominada síndrome serotoninérgica22 que pode ocorrer com o uso de diferentes antidepressivos.

INFORME SEU MÉDICO O APARECIMENTO DE REAÇÕES DESAGRADÁVEIS.

TODO MEDICAMENTO DEVE SER MANTIDO FORA DO ALCANCE DAS CRIANÇAS.

Ingestão concomitante com outras substâncias

Alguns medicamentos podem afetar a ação de outros, e isso pode causar sérias reações adversas.

Comunicar ao seu médico todos os medicamentos que estiver utilizando ou que tenha feito uso nos 14 dias prévios ao início do tratamento com EXODUS (mesmo aqueles sem necessidade de receita controlada), inclusive outros medicamentos para depressão (Ver Contra-indicações).

EXODUS e os medicamentos abaixo devem ser associados com orientação médica:

 - Carbonato de lítio e triptofano: se apresentar febre18 alta, contrações musculares abruptas, agitação e confusão mental, contatar imediatamente seu médico;

 - Selegi lina: a dose de selegilina, que é um tipo de IMAO23 (seletivo para MAO24 B), não deve ultrapassar 10 mg/dia;

 - Imipramina e desipramina (ambos utilizados para tratar depressão) e metoprolol (utilizado para doenças cardiovasculares25) são eliminados mais lentamente quando administrados junto com EXODUS, levando a um aumento das quantidades de imipra mina, desipramina e metoprolol no organismo;

 - Erva de São João (Hypericum perforatum): o uso associado a EXODUS pode aumentar o risco de efeitos adversos;

 - Sumatriptano e similares: há risco de surgimento de efeitos adversos; se apresentar efeito adverso incomum, contatar seu médico;

 - Cimetidina e omeprazol: quando utilizados em conjunto com EXODUS podem causar aumento dos níveis sanguíneos de EXODUS;

 - Medicamentos que alteram a função plaquetária: risco um pouco aumentado de sangramentos anormais;

 - Anti-coagulantes orais: a eficácia dos anti-coagulantes orais pode ser alterada. O tempo de coagulação26 deverá ser avaliado quando EXODUS for introduzido ou descontinuado, para verificar se a dose do anti-coagulante está adequada.

EXODUS não potencializa os efeitos do álcool. Apesar de não haver interação, recomenda-se não ingerir álcool durante o tratamento com EXODUS.

Contra-indicações e precauções

Não tomar EXODUS se você for alérgico a qualquer um dos componentes mencionados anteriormente (ver Composição).

Não tomar escitalopram se estiver em uso de medicamentos conhecidos como inibidores da monoaminoxidase27 (IMAO23). Os IMAOs (selegilina, fenelzina, tranilcipromina, moclobemida) são medicamentos também utilizados para o tratamento da depressão. Mesmo que o tratamento com um IMAO23 tenha terminado, deve-se esperar um período de duas semanas antes de começar a usar escitalopram, se foi feito uso de selegilina, fenelzina, tranilcipromina, e um período de um dia se foi utilizada a moclobemida.

Após a interrupção do uso de EXODUS, deve-se esperar uma semana antes de iniciar o uso de um IMAO23.

Este medicamento é contra-indicado para crianças.

Avisar ao seu médico se teve ou tem algum problema de saúde5, principalmente:

doença hepática28 grave, doença renal29 grave, diabetes30 (pode ser necessário um ajuste da terapia antidiabética), epilepsia31 (ou história de convulsões ou ataques) ou algum tipo de transtorno de coagulação26 ou sangramento.

Pacientes com transtorno bipolar do humor em depressão, ao fazer uso de antidepressivos, podem apresentar uma virada maníaca. Nesses casos, interromper o uso de escitalopram e procurar orientação médica para verificar a necessidade de alterações no tratamento.

Após o uso de um ISRS, como EXODUS, por um tempo prolongado, a retirada do medicamento deve ser gradual ao longo de uma a duas semanas, para evitar a ocorrência de sintomas2 desagradáveis conhecidos como sintomas2 de descontinuação (tontura32, sensação de dormência33 e fraqueza muscular, tremor, ansiedade, enjôo e palpitações34). Os sintomas2 de descontinuação podem ocorrem em alguns casos se a retirada do medicamento for abrupta. Esses sintomas2 não são indicativos de dependência.

A possibilidade de tentativa de suicídio pode estar associada à depressão, e pode persistir até que a doença esteja tratada. Pacientes potencialmente suicidas não devem ter acesso a grandes quantidades de medicamentos.

Informe seu médico sobre qualquer medicamento que esteja usando, antes do início, ou durante o tratamento.

Não deve ser utilizado durante a gravidez6 e lactação7.

Durante o tratamento, o paciente não deve dirigir veículos ou operar máquinas, pois a sua habilidade e atenção podem estar prejudicadas.

NÃO TOME REMÉDIO SEM O CONHECIMENTO DO SEU MÉDICO, PODE SER PERIGOSO PARA A SAÚDE5.

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Cérebro: Derivado do TELENCÉFALO, o cérebro é composto dos hemisférios direito e esquerdo. Cada hemisfério contém um córtex cerebral exterior e gânglios basais subcorticais. O cérebro inclui todas as partes dentro do crânio exceto MEDULA OBLONGA, PONTE e CEREBELO. As funções cerebrais incluem as atividades sensório-motora, emocional e intelectual.
2 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
3 Recorrência: 1. Retorno, repetição. 2. Em medicina, é o reaparecimento dos sintomas característicos de uma doença, após a sua completa remissão. 3. Em informática, é a repetição continuada da mesma operação ou grupo de operações. 4. Em psicologia, é a volta à memória.
4 Fobia: Medo exagerado, falta de tolerância, aversão.
5 Saúde: 1. Estado de equilíbrio dinâmico entre o organismo e o seu ambiente, o qual mantém as características estruturais e funcionais do organismo dentro dos limites normais para sua forma de vida e para a sua fase do ciclo vital. 2. Estado de boa disposição física e psíquica; bem-estar. 3. Brinde, saudação que se faz bebendo à saúde de alguém. 4. Força física; robustez, vigor, energia.
6 Gravidez: Condição de ter um embrião ou feto em desenvolvimento no trato reprodutivo feminino após a união de ovo e espermatozóide.
7 Lactação: Fenômeno fisiológico neuro-endócrino (hormonal) de produção de leite materno pela puérpera no pós-parto; independente dela estar ou não amamentando.Toda mulher após o parto tem produção de leite - lactação; mas, infelizmente nem todas amamentam.
8 Sinusite: Infecção aguda ou crônica dos seios paranasais. Podem complicar o curso normal de um resfriado comum, acompanhando-se de febre e dor retro-ocular.
9 Nariz: Estrutura especializada que funciona como um órgão do sentido do olfato e que também pertence ao sistema respiratório; o termo inclui tanto o nariz externo como a cavidade nasal.
10 Coriza: Inflamação da mucosa das fossas nasais; rinite, defluxo.
11 Tonturas: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
12 Diarréia: Aumento do volume, freqüência ou quantidade de líquido nas evacuações.Deve ser a manifestação mais freqüente de alteração da absorção ou transporte intestinal de substâncias, alterações estas que em geral são devidas a uma infecção bacteriana ou viral, a toxinas alimentares, etc.
13 Constipação: Retardo ou dificuldade nas defecações, suficiente para causar desconforto significativo para a pessoa. Pode significar que as fezes são duras, difíceis de serem expelidas ou infreqüentes (evacuações inferiores a três vezes por semana), ou ainda a sensação de esvaziamento retal incompleto, após as defecações.
14 Sudorese: Suor excessivo
15 Ejaculação: 1. Ato de ejacular. Expulsão vigorosa; forte derramamento (de líquido); jato. 2. Em fisiologia, emissão de esperma pela uretra no momento do orgasmo. 3. Por extensão de sentido, qualquer emissão. 4. No sentido figurado, fartura de palavras; arrazoado.
16 Ereção: 1. Ato ou efeito de erigir ou erguer. 2. Inauguração, criação. 3. Levantamento ou endurecimento do pênis.
17 Libido: Desejo. Procura instintiva do prazer sexual.
18 Febre: É a elevação da temperatura do corpo acima dos valores normais para o indivíduo. São aceitos como valores de referência indicativos de febre: temperatura axilar ou oral acima de 37,5캜 e temperatura retal acima de 38캜. A febre é uma reação do corpo contra patógenos.
19 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
20 Hiponatremia: Concentração de sódio sérico abaixo do limite inferior da normalidade; na maioria dos laboratórios, isto significa [Na+] < 135 meq/L, mas o ponto de corte [Na+] < 136 meq/L também é muito utilizado.
21 Sangue: O sangue é uma substância líquida que circula pelas artérias e veias do organismo. Em um adulto sadio, cerca de 45% do volume de seu sangue é composto por células (a maioria glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas). O sangue é vermelho brilhante, quando oxigenado nos pulmões (nos alvéolos pulmonares). Ele adquire uma tonalidade mais azulada, quando perde seu oxigênio, através das veias e dos pequenos vasos denominados capilares.
22 Síndrome serotoninérgica: Síndrome serotoninérgica ou síndrome da serotonina é caracterizada por uma tríade de alterações do estado mental (ansiedade, agitação, confusão mental, hipomania, alucinações e coma), das funções motoras (englobando tremores, mioclonias, hipertonia, hiperreflexia e incoordenação) e do sistema nervoso autônomo (febre, sudorese, náuseas, vômitos, diarreia e hipertensão). Ela pode ter causas diversas, mas na maioria das vezes ocorre por uma má interação medicamentosa, quando dois ou mais medicamentos que elevam a neurotransmissão serotoninérgica por meio de distintos mecanismos são utilizados concomitantemente ou em overdose.
23 IMAO: Tipo de antidepressivo que inibe a enzima monoaminoxidase (ou MAO), hoje usado geralmente como droga de terceira linha para a depressão devido às restrições dietéticas e ao uso de certos medicamentos que seu uso impõe. Deve ser considerada droga de primeira escolha no tratamento da depressão atípica (com sensibilidade à rejeição) ou agente útil no distúrbio do pânico e na depressão refratária. Pode causar hipotensão ortostática e efeitos simpaticomiméticos tais como taquicardia, suores e tremores. Náusea, insônia (associada à intensa sonolência à tarde) e disfunção sexual são comuns. Os efeitos sobre o sistema nervoso central incluem agitação e psicoses tóxicas. O término da terapia com inibidores da MAO pode estar associado à ansiedade, agitação, desaceleração cognitiva e dor de cabeça, por isso sua retirada deve ser muito gradual e orientada por um médico psiquiatra.
24 Mão: Articulação entre os ossos do metacarpo e as falanges.
25 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
26 Coagulação: Ato ou efeito de coagular(-se), passando do estado líquido ao sólido.
27 Inibidores da monoaminoxidase: Tipo de antidepressivo que inibe a enzima monoaminoxidase (ou MAO), hoje usado geralmente como droga de terceira linha para a depressão devido às restrições dietéticas e ao uso de certos medicamentos que seu uso impõe. Deve ser considerada droga de primeira escolha no tratamento da depressão atípica (com sensibilidade à rejeição) ou agente útil no distúrbio do pânico e na depressão refratária. Pode causar hipotensão ortostática e efeitos simpaticomiméticos tais como taquicardia, suores e tremores. Náusea, insônia (associada à intensa sonolência à tarde) e disfunção sexual são comuns. Os efeitos sobre o sistema nervoso central incluem agitação e psicoses tóxicas. O término da terapia com inibidores da MAO pode estar associado à ansiedade, agitação, desaceleração cognitiva e dor de cabeça, por isso sua retirada deve ser muito gradual e orientada por um médico psiquiatra.
28 Hepática: Relativa a ou que forma, constitui ou faz parte do fígado.
29 Renal: Relacionado aos rins. Uma doença renal é uma doença dos rins. Insuficiência renal significa que os rins pararam de funcionar.
30 Diabetes: Nome que designa um grupo de doenças caracterizadas por diurese excessiva. A mais frequente é o Diabetes mellitus, ainda que existam outras variantes (Diabetes insipidus) de doença nas quais o transtorno primário é a incapacidade dos rins de concentrar a urina.
31 Epilepsia: Alteração temporária e reversível do funcionamento cerebral, que não tenha sido causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos. Durante alguns segundos ou minutos, uma parte do cérebro emite sinais incorretos, que podem ficar restritos a esse local ou espalhar-se. Quando restritos, a crise será chamada crise epiléptica parcial; quando envolverem os dois hemisférios cerebrais, será uma crise epiléptica generalizada. O paciente pode ter distorções de percepção, movimentos descontrolados de uma parte do corpo, medo repentino, desconforto no estômago, ver ou ouvir de maneira diferente e até perder a consciência - neste caso é chamada de crise complexa. Depois do episódio, enquanto se recupera, a pessoa pode sentir-se confusa e ter déficits de memória. Existem outros tipos de crises epilépticas.
32 Tontura: O indivíduo tem a sensação de desequilíbrio, de instabilidade, de pisar no vazio, de que vai cair.
33 Dormência: 1. Estado ou característica de quem ou do que dorme. 2. No sentido figurado, inércia com relação a se fazer alguma coisa, a se tomar uma atitude, etc., resultando numa abulia ou falta de ação; entorpecimento, estagnação, marasmo. 3. Situação de total repouso; quietação. 4. No sentido figurado, insensibilidade espiritual de um ser diante do mundo. Sensação desagradável caracterizada por perda da sensibilidade e sensação de formigamento, e que geralmente ocorre nas extremidades dos membros. 5. Em biologia, é um período longo de inatividade, com metabolismo reduzido ou suspenso, geralmente associado a condições ambientais desfavoráveis; estivação.
34 Palpitações: Designa a sensação de consciência do batimento do coração, que habitualmente não se sente. As palpitações são detectadas usualmente após um exercício violento, em situações de tensão ou depois de um grande susto, quando o coração bate com mais força e/ou mais rapidez que o normal.

Tem alguma dvida sobre INFORMAÇÕES AO PACIENTE EXODUS?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta ser enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dvidas j respondidas.