ADVERTÊNCIAS LEVOID

Atualizado em 28/05/2016

OS HORMÔNIOS TIREOIDIANOS DEVEM SER USADOS COM CAUTELA EM PACIENTES PORTADORES DE HIPERTENSÃO ARTERIAL1, INSUFICIÊNCIA2 SUPRA-RENAL3, ANOREXIA4 ACOMPANHADA DE DESNUTRIÇÃO5 E TUBERCULOSE6. A UTILIZAÇÃO DA LEVOTIROXINA7 PODE MODIFICAR O EQUILÍBRIO GLICÊMICO DO DIABÉTICO, LEVANDO À NECESSIDADE DE UM AUMENTO DA POSOLOGIA DO HIPOGLICEMIANTE8.

DEVE-SE INVESTIGAR, ANTES DO INÍCIO DO TRATAMENTO SE O PACIENTE FAZ USO DE EFEDRINA, EPINEFRINA OU ISOPROTERENOL PARA TRATAMENTO DA ASMA9.

EM PACIENTES COM BÓCIO10 DIFUSO NÃO-TÓXICO OU DOENÇA NODULAR DA TIREOIDE11, PARTICULARMENTE O IDOSO OU AQUELES COM DOENÇA CARDIOVASCULAR SUBJACENTE, A TERAPIA COM LEVOTIROXINA7 SÓDICA É CONTRA-INDICADA SE O NÍVEL SÉRICO DE TSH JÁ ESTIVER SUPRIMIDO DEVIDO AO RISCO DE PRECIPITAR TIREOTOXICOSE FRANCA (VIDE ITEM “CONTRA-INDICAÇÕES”).

DEVE-SE TER CAUTELA QUANDO ADMINISTRAR A LEVOTIROXINA7 A PACIENTES COM DOENÇAS CARDIOVASCULARES12 E A IDOSOS NOS QUAIS HÁ UM RISCO AUMENTADO DE DOENÇA CARDÍACA OCULTA. NESTES PACIENTES, A TERAPIA COM LEVOID DEVE SER INICIADA COM DOSES BAIXAS, DEVENDO SER REALIZADA UMA MONITORAÇÃO RIGOROSA DA TERAPÊUTICA13 COM LEVOTIROXINA7.

SE HOUVER DESENVOLVIMENTO DE SINTOMAS14 CARDÍACOS OU PIORA DE SINTOMAS14 JÁ EXISTENTES, A DOSE DE LEVOTIROXINA7 DEVE SER REDUZIDA OU CONTIDA POR UMA SEMANA E ENTÃO, CAUTELOSAMENTE REINICIADA COM UMA DOSE MENOR. O TRATAMENTO COM LEVOTIROXINA7 SÓDICA EM DOSES EXCESSIVAS PODE TER EFEITOS CARDIOVASCULARES ADVERSOS TAIS COMO: AUMENTO NA FREQÜÊNCIA CARDÍACA, AUMENTO DA ESPESSURA E DA CONTRATILIDADE DA PAREDE CARDÍACA, ALÉM DE PODER PRECIPITAR ANGINA15 PECTORIS E/OU ARRITMIAS16 CARDÍACAS.

A OBESIDADE17 SEM HIPOTIREOIDISMO18 NÃO CONSTITUI UMA INDICAÇÃO PARA OS HORMÔNIOS TIREOIDIANOS USADOS ISOLADAMENTE OU EM ASSOCIAÇÃO.EMDOSES PEQUENAS SÃO DESPROVIDOS DE AÇÃO E EM DOSES ELEVADAS TORNAM-SE PERIGOSOS, ESPECIALMENTE QUANDO ASSOCIADOS A SUBSTÂNCIAS DO TIPO ANFETAMINA (ANOREXÍGENOS19). A ATIVIDADE E OS EVENTUAIS SINAIS20 DE INTOLERÂNCIA SÓ APARECEM APÓS UM PERÍODO DE LATÊNCIA21 DE 15 DIAS A 1 MÊS. TAMBÉM NÃO SE JUSTIFICA O USO NO TRATAMENTO DA INFERTILIDADE22 MASCULINA OU FEMININA, A MENOS QUE ESTA SEJA CAUSADA PELO HIPOTIREOIDISMO18.

OS RISCOS DE USO POR VIA DE ADMINISTRAÇÃO NÃO-RECOMENDADA SÃO: A NÃO-OBTENÇÃO DO EFEITO DESEJADO E OCORRÊNCIA DE REAÇÕES ADVERSAS.

A LEVOTIROXINA7 TEM UM ÍNDICE TERAPÊUTICO ESTREITO E A RESPEITO DA INDICAÇÃO PARA USO, TITULAÇÃO CUIDADOSA DA DOSAGEM É NECESSÁRIA PARA EVITAR AS CONSEQUÊNCIAS DE SUPERTRATAMENTO OU SUBTRATAMENTO. ESTAS CONSEQUÊNCIAS INCLUEM, ENTRE OUTROS, EFEITOS SOBRE O CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO, FUNÇÃO CARDIOVASCULAR, METABOLISMO23 ÓSSEO, FUNÇÃO REPRODUTIVA, FUNÇÃO COGNITIVA24, ESTADO EMOCIONAL, FUNÇÃO GASTRINTESTINAL E SOBRE O METABOLISMO23 DA GLICOSE25 E DOS LIPÍDIOS.MUITAS DROGAS INTERAGEM COM LEVOTIROXINA7 SÓDICA, NECESSITANDO AJUSTES NA DOSAGEMPARAMANTER A RESPOSTA TERAPÊUTICA13 (VIDE ITEM “INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS”).

EFEITOS SOBRE A DENSIDADE MINERAL ÓSSEA - EM MULHERES, A TERAPIA A LONGO PRAZO COM LEVOTIROXINA7 SÓDICA FOI ASSOCIADA COM REABSORÇÃO ÓSSEA AUMENTADA E DIMINUIÇÃO DA DENSIDADE MINERAL ÓSSEA. TAL OBSERVAÇÃO FOI MAIS IMPORTANTE EM MULHERES PÓS-MENOPÁUSICAS UTILIZANDO DOSES DE REPOSIÇÃO MAIORES OU EM MULHERES QUE ESTEJAM RECEBENDO DOSES SUPRESSIVAS DE LEVOTIROXINA7 SÓDICA. PORTANTO, É RECOMENDADO QUE PARA ESSE GRUPO DE PACIENTES DEVE SER EMPREGADA A DOSE MÍNIMA NECESSÁRIA PARA ATINGIR A RESPOSTA CLÍNICA E BIOQUÍMICA DESEJADA.

DISTÚRBIOS ENDÓCRINOS ASSOCIADOS:

DEFICIÊNCIAS HORMONAIS HIPOTALÂMICAS/PITUITÁRIAS:

EM PACIENTES COM HIPOTIREOIDISMO18 SECUNDÁRIO OU TERCIÁRIO, DEFICIÊNCIAS HORMONAIS HIPOTALÂMICAS/PITUITÁRIAS ADICIONAIS DEVEM SER CONSIDERADAS, E, TRATADAS QUANDO NECESSÁRIO.

SÍNDROME26 POLIGLANDULAR AUTO-IMUNE:OCASIONALMENTE, TIREOIDITE AUTO-IMUNE CRÔNICA PODE OCORRER EM ASSOCIAÇÃO COM OUTRAS DOENÇAS AUTO-IMUNES,TAIS COMO: INSUFICIÊNCIA2 ADRENAL, ANEMIA PERNICIOSA27 E DIABETES MELLITUS28 INSULINA29-DEPENDENTE.PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA2 ADRENAL CONCOMITANTE DEVEM SER TRATADOS COM REPOSIÇÃO DE GLICOCORTICÓIDES ANTES DO INÍCIO DO TRATAMENTO COM LEVOTIROXINA7 SÓDICA. FALHA AO FAZER DESTA MANEIRA, PODE PRECIPITAR UMA CRISE ADRENAL AGUDA QUANDO A TERAPIA HORMONAL TIREOIDIANA FOR INICIADA DEVIDO AO “CLEARANCE” METABÓLICO AUMENTADO DE GLICOCORTICÓIDES PELO HORMÔNIOTIREOIDIANO.

OUTRAS CONDIÇÕES MÉDICAS ASSOCIADAS - NEONATOS30 COM HIPOTIREOIDISMO18 CONGÊNITO31 PARECEM TER UM RISCO AUMENTADO PARA OUTRAS ANOMALIAS CONGÊNITAS32, COM ANOMALIAS CARDIOVASCULARES (ESTENOSE33 PULMONAR, DEFEITO ATRIAL E VENTRICULAR SEPTAL), SENDO A ASSOCIAÇÃO MAIS COMUM.

Antes de consumir qualquer medicamento, consulte seu médico (http://www.catalogo.med.br).

Complementos

1 Hipertensão arterial: Aumento dos valores de pressão arterial acima dos valores considerados normais, que no adulto são de 140 milímetros de mercúrio de pressão sistólica e 85 milímetros de pressão diastólica.
2 Insuficiência: Incapacidade de um órgão ou sistema para realizar adequadamente suas funções.Manifesta-se de diferentes formas segundo o órgão comprometido. Exemplos: insuficiência renal, hepática, cardíaca, respiratória.
3 Supra-renal:
4 Anorexia: Perda do apetite ou do desejo de ingerir alimentos.
5 Desnutrição: Estado carencial produzido por ingestão insuficiente de calorias, proteínas ou ambos. Manifesta-se por distúrbios do desenvolvimento (na infância), atrofia de tecidos músculo-esqueléticos e caquexia.
6 Tuberculose: Doença infecciosa crônica produzida pelo bacilo de Koch (Mycobacterium tuberculosis). Produz doença pulmonar, podendo disseminar-se para qualquer outro órgão. Os sintomas de tuberculose pulmonar consistem em febre, tosse, expectoração, hemoptise, acompanhada de perda de peso e queda do estado geral. Em países em desenvolvimento (como o Brasil) aconselha-se a vacinação com uma cepa atenuada desta bactéria (vacina BCG).
7 Levotiroxina: Levotiroxina sódica ou L-tiroxina (T4) é um hormônio sintético usado no tratamento de reposição hormonal quando há déficit de produção de tiroxina (T4) pela glândula tireoide.
8 Hipoglicemiante: Medicamento que contribui para manter a glicose sangüínea dentro dos limites normais, sendo capaz de diminuir níveis de glicose previamente elevados.
9 Asma: Doença das vias aéreas inferiores (brônquios), caracterizada por uma diminuição aguda do calibre bronquial em resposta a um estímulo ambiental. Isto produz obstrução e dificuldade respiratória que pode ser revertida de forma espontânea ou com tratamento médico.
10 Bócio: Aumento do tamanho da glândula tireóide, que produz um abaulamento na região anterior do pescoço. Em geral está associado ao hipotireoidismo. Quando a causa desta doença é a deficiência de ingestão de iodo, é denominado Bócio Regional Endêmico. Também pode estar associado a outras doenças glandulares como tumores, infecções ou inflamações.
11 Tireoide: Glândula endócrina altamente vascularizada, constituída por dois lobos (um em cada lado da TRAQUÉIA) unidos por um feixe de tecido delgado. Secreta os HORMÔNIOS TIREOIDIANOS (produzidos pelas células foliculares) e CALCITONINA (produzida pelas células para-foliculares), que regulam o metabolismo e o nível de CÁLCIO no sangue, respectivamente.
12 Doenças cardiovasculares: Doença do coração e vasos sangüíneos (artérias, veias e capilares).
13 Terapêutica: Terapia, tratamento de doentes.
14 Sintomas: Alterações da percepção normal que uma pessoa tem de seu próprio corpo, do seu metabolismo, de suas sensações, podendo ou não ser um indício de doença. Os sintomas são as queixas relatadas pelo paciente mas que só ele consegue perceber. Sintomas são subjetivos, sujeitos à interpretação pessoal. A variabilidade descritiva dos sintomas varia em função da cultura do indivíduo, assim como da valorização que cada pessoa dá às suas próprias percepções.
15 Angina: Inflamação dos elementos linfáticos da garganta (amígdalas, úvula). Também é um termo utilizado para se referir à sensação opressiva que decorre da isquemia (falta de oxigênio) do músculo cardíaco (angina do peito).
16 Arritmias: Arritmia cardíaca é o nome dado a diversas perturbações que alteram a frequência ou o ritmo dos batimentos cardíacos.
17 Obesidade: Condição em que há acúmulo de gorduras no organismo além do normal, mais severo que o sobrepeso. O índice de massa corporal é igual ou maior que 30.
18 Hipotireoidismo: Distúrbio caracterizado por uma diminuição da atividade ou concentração dos hormônios tireoidianos. Manifesta-se por engrossamento da voz, aumento de peso, diminuição da atividade, depressão.
19 Anorexígenos: Que ou o que provoca anorexia (diz-se de substância ou droga), ou seja, que ou o que produz falta ou perda de apetite.
20 Sinais: São alterações percebidas ou medidas por outra pessoa, geralmente um profissional de saúde, sem o relato ou comunicação do paciente. Por exemplo, uma ferida.
21 Latência: 1. Estado, caráter daquilo que se acha latente, oculto. 2. Por extensão de sentido, é o período durante o qual algo se elabora, antes de assumir existência efetiva. 3. Em medicina, é o intervalo entre o começo de um estímulo e o início de uma reação associada a este estímulo; tempo de reação. 4. Em psicanálise, é o período (dos quatro ou cinco anos até o início da adolescência) durante o qual o interesse sexual é sublimado; período de latência.
22 Infertilidade: Capacidade diminuída ou ausente de gerar uma prole. O termo não implica a completa inabilidade para ter filhos e não deve ser confundido com esterilidade. Os clínicos introduziram elementos físicos e temporais na definição. Infertilidade é, portanto, freqüentemente diagnosticada quando, após um ano de relações sexuais não protegidas, não ocorre a concepção.
23 Metabolismo: É o conjunto de transformações que as substâncias químicas sofrem no interior dos organismos vivos. São essas reações que permitem a uma célula ou um sistema transformar os alimentos em energia, que será ultilizada pelas células para que as mesmas se multipliquem, cresçam e movimentem-se. O metabolismo divide-se em duas etapas: catabolismo e anabolismo.
24 Cognitiva: 1. Relativa ao conhecimento, à cognição. 2. Relativa ao processo mental de percepção, memória, juízo e/ou raciocínio. 3. Diz-se de estados e processos relativos à identificação de um saber dedutível e à resolução de tarefas e problemas determinados. 4. Diz-se dos princípios classificatórios derivados de constatações, percepções e/ou ações que norteiam a passagem das representações simbólicas à experiência, e também da organização hierárquica e da utilização no pensamento e linguagem daqueles mesmos princípios.
25 Glicose: Uma das formas mais simples de açúcar.
26 Síndrome: Conjunto de sinais e sintomas que se encontram associados a uma entidade conhecida ou não.
27 Anemia Perniciosa: Doença causada pela incapacidade do organismo absorver a vitamina B12. Mais corretamente, ela se refere a uma doença autoimune que resulta na perda da função das células gástricas parietais, que secretam ácido clorídrico para acidificar o estômago e o fator intrínseco gástrico que facilita a absorção da vitamina B12.
28 Diabetes mellitus: Distúrbio metabólico originado da incapacidade das células de incorporar glicose. De forma secundária, podem estar afetados o metabolismo de gorduras e proteínas.Este distúrbio é produzido por um déficit absoluto ou relativo de insulina. Suas principais características são aumento da glicose sangüínea (glicemia), poliúria, polidipsia (aumento da ingestão de líquidos) e polifagia (aumento da fome).
29 Insulina: Hormônio que ajuda o organismo a usar glicose como energia. As células-beta do pâncreas produzem insulina. Quando o organismo não pode produzir insulna em quantidade suficiente, ela é usada por injeções ou bomba de insulina.
30 Neonatos: Refere-se a bebês nos seus primeiros 28 dias (mês) de vida. O termo “recentemente-nascido“ refere-se especificamente aos primeiros minutos ou horas que se seguem ao nascimento. Esse termo é utilizado para enfocar os conhecimentos e treinamento da ressuscitação imediatamente após o nascimento e durante as primeiras horas de vida.
31 Congênito: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
32 Congênitas: 1. Em biologia, o que é característico do indivíduo desde o nascimento ou antes do nascimento; conato. 2. Que se manifesta espontaneamente; inato, natural, infuso. 3. Que combina bem com; apropriado, adequado. 4. Em termos jurídicos, é o que foi adquirido durante a vida fetal ou embrionária; nascido com o indivíduo. Por exemplo, um defeito congênito.
33 Estenose: Estreitamento patológico de um conduto, canal ou orifício.

Tem alguma dúvida sobre ADVERTÊNCIAS LEVOID?

Pergunte diretamente a um especialista

Sua pergunta será enviada aos especialistas do CatalogoMed, veja as dúvidas já respondidas.